Orçamento do Estado PS acusa ministra das Finanças de “propaganda política” com números do défice

PS acusa ministra das Finanças de “propaganda política” com números do défice

Deputado do Partido Socialista, João Galamba, acusa a ministra das Finanças de “trabalhar” o valor do défice que não passa de "ficção política”.
PS acusa ministra das Finanças de “propaganda política” com números do défice
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 24 de janeiro de 2014 às 15:55

O Partido Socialista acusou, esta sexta-feira, o governo de fazer “propaganda” e “ficção política” com os números do défice. Já a ministra das Finanças diz que não discute ficção com o PS, porque os socialistas têm “mais experiência na matéria”. 

 

“O que podemos estimar é que temos um défice em torno de 5%. Mesmo sem receita extraordinária teríamos um excedente de 500 milhões de euros e teríamos cumprido a meta do défice”, disse a ministra maria Luís Albuquerque, em resposta à pergunta do socialista João Galamba sobre a “verdade” dos números. “Aquilo que sabemos é que tendo acabado 2013 com resultados melhores temos melhores condições para dar maior credibilidade às metas de 2014”.

 

João Galamba acusou o governo de mentir, porque usou receitas extraordinárias quando chegou a garantir que não o faria e que, ainda assim, e depois de mais de 4 mil milhões de euros de austeridade, reduziu o défice em apenas “0,3 ou 0,4% do PIB”.

 

“O governo faltou à verdade porque utilizou receitas extraordinárias. Este défice é ficção política. Sabemos que este número é uma ficção porque pode ser trabalhado para dar este número mágico”, afirmou o deputado do PS. “A redução do défice real é 0,3 ou 0,4 % do PIB. O número do governo é propaganda política”.

 

O socialista desvalorizou ainda as conquistas apregoadas pelo governo, como a redução dos juros e a melhoria da actividade económica. “Um juro de 4% é o equivalente a um juro de 7% há uns anos porque a inflação baixou. Não se tem mexido no défice primário, os juros não mudaram e o crescimento económico? Conseguiu uma pequena melhoria que assenta no consumo privado, no consumo público que foi menor que o esperado, na queda da poupança e na degradação relativa da balança externa”, sustentou.

 

“Não discuto ficção com os senhores que têm mais experiência na matéria”, respondeu a ministra das Finanças. ”O que temos é objectivamente um défice que fica 1% abaixo do previsto. Isto é um número muito concreto. Tenho dificuldade em perceber porque é que isto é uma má notícia para os portugueses”.

 

João Galamba insistiu que o governo deve retirar desse valor o perdão fiscal. “A redução do défice é marginal, admita. Mas a austeridade é real”, concluiu.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI