Política PS e PSD caem, mas socialistas ganham vantagem face ao resultado eleitoral

PS e PSD caem, mas socialistas ganham vantagem face ao resultado eleitoral

Quando passa quase um mês desde as legislativas, o PS aumentou a vantagem para o PSD, isto apesar de ambos surgirem em queda. O PAN beneficia da maior subida para ultrapassar o CDS e o Livre assume-se como o maior dos três novos partidos do Parlamento.
PS e PSD caem, mas socialistas ganham vantagem face ao resultado eleitoral
Mariline Alves
David Santiago 04 de novembro de 2019 às 08:00
Volvido um mês desde as legislativas, PS e PSD surgem em queda face aos resultados alcançados a 6 de outubro, porém os socialistas conseguem ganhar terreno em relação aos sociais-democratas.

A sondagem da Intercampus para o Negócios/CM atribui 35,6% das intenções de voto ao PS e 24,8% ao PSD. Ambos caem comparativamente aos 36,3% e 27,8% respetivamente registados há um mês. Mas o PS aumenta a vantagem de 8,6 pontos percentuais sobre o PSD obtida nas legislativas para uma distância de 10,8 pontos. O estudo de opinião foi realizado depois de conhecida a composição do novo Governo.

Com 10,7%, o Bloco de Esquerda sobe mais de um ponto e regressa aos dois dígitos conseguidos há quatro anos, consolidando ainda o estatuto de terceira maior força nacional. Já a CDU (coligação eleitoral entre PCP e Verdes) cresce ligeiramente para 6,9%.

PAN com a maior subida
O PAN é o partido que mais cresce (acima de dois pontos) ao atingir os 5,3%, o que lhe permite superar os 4,4% do CDS, partido em busca de nova liderança.

No campeonato dos três micro-partidos, que detêm apenas um mandato, o Livre passa dos 1,09% alcançados nas eleições para 2,7% das projeções de voto, o que significa que ultrapassa tanto a Iniciativa Liberal (IL) como o Chega, partidos com ponto de partida idêntico mas variações opostas. A IL resvala de 1,29% para apenas 0,8% e o Chega sobe de 1,29% para 2,5%.

A correlação de forças esquerda-direita inclina ainda mais a favor da primeira, não porque tenha crescido, mas porque a segunda acentuou a quebra eleitoral. Excluindo o PAN da equação, as forças sentadas do lado esquerdo do hemiciclo mantêm-se nos 53%. Já por sua vez, as forças da direita somadas não vão além dos 32,5%, menos do que os 34,6% obtidos em conjunto na última eleição.

Questionados sobre como vai governar o novo Governo em comparação com o anterior, os inquiridos na sondagem da Intercampus não antecipam grandes diferenças.

Para 51,5% dos entrevistados, o novo Executivo de António Costa vai governar "igual" ao que o antecedeu, sendo que 23,8% acreditam que irá governar "pior" e 15,4% que vai governar "melhor".

O elenco governativo, composto por 70 pessoas, conta com cinco novidades ao nível de ministros e 22 nas secretarias de Estado. Este é o maior governo de sempre desde o 25 de abril.































Ficha Técnica

Objetivo: Sondagem realizada pela INTERCAMPUS para a CMTV, com o objetivo de conhecer a opinião dos Portugueses sobre diversos temas da política nacional, incluindo a intenção de voto em eleições legislativas.
Universo: População portuguesa, com 18 e mais anos de idade, eleitoralmente recenseada, residente em Portugal Continental.
Amostra: A amostra é constituída por n=604 entrevistas, com a seguinte distribuição proporcional por Sexo, Idade e Região.
Seleção da amostra: A seleção do lar fez-se através da geração aleatória de números de telefone fixo / móvel. No lar a seleção do respondente foi realizada através do método de quotas de género e idade (3 grupos). Foi elaborada uma matriz de quotas por Região (NUTSII), Género e Idade, com base nos dados do Recenseamento Eleitoral da População Portuguesa (31/12/2016) da Direção Geral da Administração Interna (DGAI).
Recolha da Informação: A informação foi recolhida através de entrevista telefónica, em total privacidade, através do sistema CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing).  O questionário foi elaborado pela INTERCAMPUS e posteriormente aprovado pelo cliente. A INTERCAMPUS conta com uma equipa de profissionais experimentados que conhecem e respeitam as normas de qualidade da empresa.Estiveram envolvidos 19 entrevistadores, devidamente treinados para o efeito, sob a supervisão dos técnicos responsáveis pelo estudo. Os trabalhos de campo decorreram entre 22 e 28 de Outubro de 2019.
Margem de Erro: O erro máximo de amostragem deste estudo, para um intervalo de confiança de 95%, é de ± 4%.
Taxa de Resposta: A taxa de resposta obtida neste estudo foi de: 65,1%.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI