Política PS repudia "alarme social" sobre ponte 25 de Abril

PS repudia "alarme social" sobre ponte 25 de Abril

O PS afirmou hoje que os ministros das Infraestruturas e das Finanças estarão em breve no parlamento para esclarecer o estado da ponte 25 de Abril e insurgiu-se contra "o alarme social", recusando qualquer "risco iminente".
PS repudia "alarme social" sobre ponte 25 de Abril
Bruno Simão
Lusa 08 de março de 2018 às 14:03

Estas posições foram assumidas em conferência de imprensa pelo deputado socialista André Pinotes Batista, depois de a revista "Visão" ter divulgado a existência de um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), alertando para riscos graves de segurança na ponte, a exigir uma intervenção imediata.

 

"Os utentes da ponte 25 de Abril, sobretudo aqueles que diariamente recorrem a esta infraestrutura, podem estar tranquilos. Este não é o momento de alimentar demagogias estéreis ou alarme social, entrando-se em ligeirezas políticas", declarou o deputado do PS eleito pelo círculo de Setúbal.

 

André Pinotes Batista afirmou depois que "o Governo tem vindo a fazer a sua parte" e "30 dias depois de ter recebido o relatório do LNEC há uma solução formalizada".

 

"Os ministros das Finanças, Mário Centeno, e do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, estarão no parlamento para prestar todos os esclarecimentos", adiantou o mesmo deputado socialista do Barreiro.

 

BE pede esclarecimentos ao Governo

 

O BE pediu hoje a presença no parlamento do ministro do Planeamento para explicar as "notícias preocupantes" quanto à situação da ponte 25 de Abril e criticou que seja o Estado a pagar obras urgentes necessárias.  

 

"É surpreendente, sabendo que existe uma Parceria Público-Privada, com a Lusoponte para a gestão das pontes Vasco da Gama e 25 de Abril, é motivo de grande perplexidade que seja o Estado a pagar 20 milhões de euros", disse aos jornalistas o deputado do Bloco de Esquerda Heitor Sousa.

 

Essas obras, acrescentou, "deveriam estar integradas nesse contrato".

 

A revista Visão divulgou hoje a existência de um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) em que alerta para fissuras na ponte sobre o Tejo e defende obras urgentes.

 

O relatório, confidencial, segundo a revista, foi enviado ao Governo há cerca de seis meses.

 

Para o deputado bloquista, é "surpreendente que a notícia de uma intervenção urgente surja agora, sabendo-se que existe uma monitorização e fiscalização permanente da parte das entidades, nomeadamente do LNEC".

 

O Bloco enviou duas perguntas, ao Ministério do Planeamento e Infraestruturas e das Finanças, quer conhecer o relatório do LNEC e ouvir as explicações do ministro Pedro Marques. 

 

O deputado Heitor Sousa receia os efeitos de obras prolongadas e estranha um eventual atraso na resposta do Governo à necessidade de obras urgentes, dado que o alerta do LNEC aconteceu há seis meses e o concurso público necessita de seis meses.

 

Na quarta-feira, véspera da saída da notícia da Visão, a Infraestruturas de Portugal anunciou que a ponte sobre o Tejo será alvo durante dois anos de trabalhos manutenção, orçados em 18 milhões de euros, estando previsto lançar ainda este mês o concurso público internacional para adjudicação da obra.

 




pub