Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PS diz que dados da execução orçamental apresentam já receita extraordinária de 272 milhões de euros

O dirigente socialista Eurico Dias afirmou hoje que os dados da Direcção Geral do Orçamento referentes à execução orçamental no primeiro semestre do ano apresentam já um montante de 272 milhões em receitas extraordinárias.

Lusa 23 de Julho de 2012 às 21:20
  • Partilhar artigo
  • 5
  • ...
Eurico Dias, membro do Secretariado Nacional do PS, falava aos jornalistas, em reacção aos dados hoje divulgados pela Direcção Geral do Orçamento sobre os resultados da execução orçamental nos primeiros seis meses de 2012.

"Nesta execução orçamental do primeiro semestre, o PS já regista receitas extraordinárias, porque no documento [da Direcção Geral do Orçamento] faz-se referência à licença da quarta geração móvel. Trata-se de uma receita extraordinária de 272 milhões de euros - receita que não será considerada nas contas para efeitos de ajustamento", apontou o dirigente socialista.

Segundo Eurico Brilhante Dias, se o Governo não inverter o caminho, "as incertezas, os riscos de não cumprir o défice orçamental de 4,5% [no final do ano] são muito elevados".

"Aliás, ainda durante o mês de Junho, o PS salientou que os dados do INE (Instituto Nacional de Estatística) em contabilidade nacional, referentes ao primeiro trimestre do ano, já revelavam uma clara insustentabilidade em relação ao caminho tomado. Se nada for feito, o país terá muitas dificuldades em cumprir o objectivo que tomou como bom para este ano", declarou Eurico Dias.

Ainda de acordo com o dirigente socialista, "apesar de os portugueses terem sido sujeitos a sacrifícios dolorosos, o objectivo do défice está em risco - e está em risco porque o Governo escolheu o caminho errado para a execução orçamental".

Confrontado com a tese de que os dados da execução orçamental revelam que a despesa está já controlada, o dirigente socialista contrapôs: "O elemento essencial da redução da despesa é o corte do subsídio de férias - uma decisão que sabemos não se poderá prolongar no tempo".

"Como é uma decisão que não se pode prolongar no tempo releva por si só a insustentabilidade do caminho assumido pelo Governo para consolidar as contas públicas", respondeu Eurico Dias.

Ver comentários
Saber mais execução orçamental PS
Outras Notícias