Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PS e Bloco de Esquerda chegam a acordo em Lisboa

O PS e o Bloco de Esquerda chegaram a um acordo político que prevê a elaboração conjunta dos planos e orçamentos da Câmara de Lisboa para os próximos dois anos, anunciaram hoje os dois partidos.

Negócios com Lusa 01 de Agosto de 2007 às 15:29
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O PS e o Bloco de Esquerda chegaram a um acordo político que prevê a elaboração conjunta dos planos e orçamentos da Câmara de Lisboa para os próximos dois anos, anunciaram hoje os dois partidos.

O documento que estipula um "acordo sobre políticas para a cidade de Lisboa" foi elaborado a partir de uma proposta inicial do BE.

Depois de uma última reunião na terça-feira que durou mais de quatro horas, de acordo com Pedro Soares, coordenador autárquico do BE, foi possível um texto final com algumas alterações.

"Há um texto final que resultou de uma aproximação mútua de pontos de vista que satisfizeram tanto o Bloco como o PS, após bastante discussão", declarou Pedro Soares.

Classificando o documento como "um acordo livre", Pedro Soares destacou que o acordo permite às forças políticas que o subscreverem "liberdade de voto" nas matérias que não estão abrangidas no acordo, e dá preferência "à procura de consensualização".

O executivo camarário eleito a 15 de Julho toma hoje posse ao final da tarde, sem que o acordo político esteja ainda subscrito pelo PS e BE.

Mesmo com o apoio de Sá Fernandes, vereador independente eleito pelo Bloco de Esquerda, António Costa, presidente da Câmara de Lisboa que toma hoje posse, continua sem assegurar uma maioria no executivo.

De acordo com Pedro Soares, o documento foi enviado à CDU e ao Movimento Cidadãos Por Lisboa, que elegeu Helena Roseta e Manuel João Ramos, e não será subscrito antes de haver uma resposta.

O texto do acordo refere explicitamente que este "pode ser alargado" às forças que se afirmaram como alternativa à gestão municipal dos últimos seis anos (PSD e CDS/PP).

O ponto II do acordo, sobre os pressupostos políticos, estabelece que os subscritores "elaborarão os planos e orçamentos para os anos 2008 e 2009, bem como o programa de saneamento financeiro do município, que deverão garantir a execução dos conteúdos programáticos do presente acordo, tendo por base uma convergência entre os programas eleitorais apresentados pelas candidaturas".

O acordo prevê que as questões não abrangidas pelo acordo "serão apresentadas, apreciadas e votadas com inteira liberdade, devendo no entanto, ser sempre efectuada a consulta prévia e a procura de consensualização" entre as partes.

A negociação, até ao final de 2007, de um empréstimo destinado à reestruturação da dívida e à consolidação do passivo financeiro, e a diminuição das despesas, através "da eliminação da contratação de serviços externos supérfluos" e a "garantia e valorização dos actuais postos de trabalho" são alguns dos pontos do plano para o saneamento financeiro.

Outras Notícias