Finanças Públicas PSD e CDS impedem subida do tecto de endividamento através de rectificação  

PSD e CDS impedem subida do tecto de endividamento através de rectificação  

O aumento do limite de endividamento em 150 milhões de euros este ano, apresentado pelo Governo numa rectificação ao OE2018, foi recusado hoje por PSD e CDS, que consideram que essa alteração exige uma "aprovação específica do parlamento".
PSD e CDS impedem subida do tecto de endividamento através de rectificação   
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 21 de fevereiro de 2018 às 15:34

Na sexta-feira, o Governo enviou ao parlamento um conjunto de rectificações ao Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) e, entre elas, estava um aumento de 150 milhões de euros no limite de endividamento: de 10.200 milhões de euros para 10.350 milhões, segundo noticiou na terça-feira o Jornal de Negócios

 

Esta proposta de rectificação foi debatida na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e contou com a oposição do PSD e do CDS-PP. Assim, e uma vez que rectificações ao OE precisam de unanimidade para avançarem, acaba por manter-se o nível de endividamento previsto na redacção final do OE2018, disse à agência Lusa o deputado social-democrata António Leitão Amaro.

 

"Para PS, PCP e Bloco de Esquerda, o aumento da dívida passava com uma declaração de rectificação. Nós opusemo-nos. A própria Constituição da República diz que tem de ser aprovada pelos deputados. Não é uma questão meramente gramatical, aritmética. Mas diz respeito a dívida, que é passada para gerações futuras", explicou o deputado do PSD, acrescentando que o CDS acompanhou a posição da bancada social-democrata.

 

O gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares explicou, citado pelo Negócios, que "do impacto das propostas aprovadas em especialidade decorre a natural e essencial alteração do limite de endividamento, recalculado pelo IGCP, tendo em conta esse impacto adicional".

 

Recorde-se que, quando promulgou o OE2018, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deixou uma nota, sublinhando que "o limite de endividamento público previsto no artigo 141.º não pode ser ultrapassado pela execução orçamental, a menos que a Assembleia da República venha a alterá-lo, de acordo com a Constituição da República Portuguesa e com a lei".

 

Na sequência da decisão de hoje, "continua a vigorar o limite de endividamento" definido no OE2018, disse António Leitão Amaro, acrescentando que o Governo fica com duas hipóteses: faz com que a execução orçamental não leve a que o limite de endividamento seja ultrapassado ou apresenta um Orçamento Rectificativo.

 

Questionado pela Lusa, o Ministério das Finanças ainda não se pronunciou sobre o assunto.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
A geringonça ultrapassa isso... 21.02.2018

Basta martelar os números! E logo se alcança um défice mais baixo... o que é preciso é conseguir aumentar a dívida! Quando já não se conseguir aumentar mais a dívida a cigana foge daí outra vez...

pub