Ásia Putin adverte para crise global do modelo social e aumento do proteccionismo

Putin adverte para crise global do modelo social e aumento do proteccionismo

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, advertiu hoje para a existência de uma crise do tradicional modelo de crescimento e do Estado social, e para o aumento do proteccionismo em detrimento do antigo modelo de globalização.
Putin adverte para crise global do modelo social e aumento do proteccionismo
Reuters
Lusa 14 de maio de 2017 às 08:32

"Muitos países estão a ser testemunhas de uma crise do Estado social, o qual é incapaz de assegurar a sua própria sustentabilidade", afirmou Putin, durante o seu discurso, na abertura do Fórum de Cooperação Internacional das Novas Rotas da Seda, que decorre em Pequim.

"O desequilíbrio do desenvolvimento económico e social, assim como a crise do antigo modelo de globalização resultaram em consequências negativas para as relações entre os Estados assim como para a segurança, pobreza e cuidados sociais", sublinhou.

O fórum sobre a iniciativa "Uma Faixa, Uma Rota" – "versão simplificada de "Faixa Económica da Rota da Seda e da Rota Marítima da Seda para o Século XXI" –, que decorre hoje e segunda-feira, conta com líderes de 29 países, estando Portugal representado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira.

Numa intervenção de menos de 15 minutos, Putin sublinhou que o proteccionismo se tornou "norma", defendendo que seja combatido, deixando para trás os "estereótipos" com ideias "frescas e novas".

"Acredito que a Eurásia é capaz de elaborar uma agenda substancial e positiva", afirmou, indicando referir-se à procura de "novos agentes de crescimento".

O Presidente russo também manifestou o seu desejo de cooperar com a União Europeia e outras instituições do velho continente para reverter a tendência actual e "alcançar a construção de uma cooperação única do Atlântico até ao Pacífico".

A União Europeia – à semelhança dos Estados Unidos – mantém sanções económicas contra a Rússia devido à sua anexação da Crimeia em 2014.

Putin assinalou ainda, diante de líderes e representantes de mais de uma centena de países, a sua intenção de construir um futuro baseado "na igualdade", com uma menção expressa ao "respeito pela soberania nacional" e aos princípios "invioláveis" das Nações Unidas.

Para o Presidente russo, existe uma "brecha colossal" em termos de desenvolvimento entre muitos países e regiões, o que facilita o avanço de fenómenos como "o terrorismo internacional, o extremismo e as migrações ilegais".

Também falou sobre o trabalho do seu homólogo chinês, Xi Jinping, com quem mantém estreitos laços bilaterais, como impulsionar das Novas Rotas da Seda, uma iniciativa que qualificou de "promissora", com a qual instou os participantes do fórum a "voltar ao trabalho em comum".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI