Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Não tenho hoje comigo uma solução definitiva para os problemas da guerra"

Na entrega do prémio Nobel da Paz, Barack Obama falou de guerra. Reconheceu que, muitas vezes, a guerra é necessária para alcançar a paz. E que o "desejo de paz raramente é suficiente para alcançar a paz". "A paz exige sacrifício e responsabilidade". Veja aqui o vídeo.

"Não tenho hoje comigo uma solução definitiva para os problemas da guerra"
Ana Luísa Marques anamarques@negocios.pt 10 de Dezembro de 2009 às 14:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
Na entrega do prémio Nobel da Paz, Barack Obama falou de guerra. Reconheceu que, muitas vezes, a guerra é necessária para alcançar a paz. E que o "desejo de paz raramente é suficiente para alcançar a paz". "A paz exige sacrifício e responsabilidade".

Aos presentes na cerimónia de entrega do prémio Nobel, o presidente Barack Obama começou por referir que as suas conquistas são pequenas quando comparadas com as de Martin Luther King ou Nelson Mandela.

Além disso, prosseguiu Obama, a sua distinção chamou a atenção pelo facto de ser actualmente o “comandante-em-chefe de duas guerras”.

A guerra acabou por dominar parte do discurso de agradecimento de Obama. “Reconheço a verdade dura de que não é possível erradicar os conflitos violentos da face da Terra. Tenho em mente os exemplos de Gandhi e Martin Luther King. Mas como chefe de Estado tenho que olhar para o mundo tal como ele é. Não posso ficar parado face às ameaças contra o povo americano. Dizer que a força às vezes é necessária não é uma demonstração de cinismo”, afirmou Obama.

“Os Estados Unidos ajudaram a criar segurança mundial durante mais de seis décadas. Ajudaram a promover a paz e a prosperidade. Sofremos este fardo não porque quisemos impor a nossa vontade mas porque era esse o nosso interesse, em nome do bem dos nossos filhos e dos filhos dos outros”.

Obama reconheceu que a América não pode obrigar os outros a seguir leis que os próprios americanos não seguem. Mas acrescentou que a América sozinha não pode manter a paz. “O desejo de paz raramente é suficiente para alcançar a paz. A paz exige sacrifício e responsabilidade”, disse Obama.

Esta paz que Obama falou não é “apenas a ausência de conflito”. É uma paz “justa, duradoura e sustentada nos direitos humanos”.

"Obama percebe que até os mais fortes são vulneráveis quando estão sozinhos"

Antes do discurso de Obama, o presidente do Comité do Nobel, Thorbjorn Jagland, afirmou que o “prémio deste ano deve ser visto à luz da actual situação mundial, com grande tensão, numerosas guerras, conflitos por resolver e confrontos em muitas frentes em todo o mundo. Existe um iminente perigo de proliferação de armas nucleares, degradação do ambiente e aquecimento global”.

“Desde o primeiro momento da sua presidência, o presidente Obama tem tentado criar um clima de maior cooperação que pode reverter a actual situação. Ele já conseguiu diminuir a temperatura do mundo”.

Aos que consideram que este prémio foi atribuído muito cedo, Jagland referiu que ao longo da história “têm existido muitas oportunidade perdidas”. “É agora que temos a oportunidade de apoiar os ideais do presidente Obama. O prémio deste ano é também um pedido de acção a todos nós”, referiu Thorbjorn Jagland.

Para o comité norueguês, em menos de um ano à frente da presidência dos Estados Unidos, Obama já alcançou muitas coisas: “a diplomacia multilateral ganhou um papel central, com ênfase no papel das Nações Unidas e de outras instituições internacionais; a tortura foi proibida e o presidente está a fazer o que pode para encerrar Guantánamo; os direitos humanos e a lei internacional passaram a ser os princípios basilares”.

“O Presidente Obama é um líder político que percebe que até os mais fortes são vulneráveis quando estão sozinhos. Obama tem a audácia da esperança e a tenacidade de tornar esta esperança verdadeira. É isso que o torna tão importante. Com o seu comportamento e liderança tem-nos levado a todos a assumirmos a parte de responsabilidade na resposta aos desafios globais”, acrescentou o presidente do Comité norueguês.



Ver comentários
Outras Notícias