Economia Rebelo de Sousa e António Costa "correm" à Presidência da República

Rebelo de Sousa e António Costa "correm" à Presidência da República

Comentador político e presidente da Câmara de Lisboa são os nomes mais apontados para Belém.
Rebelo de Sousa e António Costa "correm" à Presidência da República
Celso Filipe 12 de março de 2012 às 00:01
Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa são as personalidades mais referidas para se candidatarem às presidenciais de 2016, em representação da direita e da esquerda, respectivamente.

Esta preferência é visível na sondagem "possíveis candidatos às presidenciais" realizada pela Aximagem para o Negócios e o Correio da Manhã. Entre os potenciais candidatos de direita Marcelo Rebelo de Sousa, professor universitário e comentador político é considerado por 40% dos inquiridos como o melhor. Segue-se Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, apontado por 22,9%. Leonor Beleza, presidente da Fundação Champalimaud, e Santana Lopes, líder da Santa Casa da Misericórdia, são vistos como os candidatos com mais hipóteses por 9,3% e 8,3% dos inquiridos, respectivamente.

À esquerda, António Costa lidera as preferências mas não é tão consensual quanto Marcelo Rebelo de Sousa. O actual presidente da Câmara de Lisboa é escolhido por 33,1% do universo de inquiridos pela Aximagem, enquanto António Guterres, alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, recolhe a preferência de 25,4%. A deputada socialista, Maria de Belém, está em terceiro lugar, com 15%. Na quarta posição, com 10,3%, surge Carvalho da Silva, que até há pouco tempo era líder da CGTP- Intersindical.

Os oito nomes que constam nesta sondagem da Aximagem, quatro da direita e quatro da esquerda, foram indicados pela Aximagem, tendo sido pedido aos inquiridos que, entre eles, escolhessem o melhor candidato de cada uma das áreas do espectro político nacional.




















FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 600 entrevistas efectivas: 274 a homens e 326 a mulheres; 144 no interior, 256 no litoral norte e 200 no litoral centro sul; 178 em aldeias, 214 em vilas e 208 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 5 a 7 de Março de 2012, com uma taxa de resposta de 76,2%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 600 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.



pub