Europa Reduzir a diferença salarial entre géneros poderia gerar 6 biliões de dólares na OCDE

Reduzir a diferença salarial entre géneros poderia gerar 6 biliões de dólares na OCDE

Um estudo da PwC mostra que a diminuição da diferença de salários entre homens e mulheres poderia acrescentar 6 biliões de dólares ao PIB dos países da OCDE.
Reduzir a diferença salarial entre géneros poderia gerar 6 biliões de dólares na OCDE
SeongJoon Cho/Bloomberg
Raquel Murgeira 05 de março de 2018 às 14:38

O facto de as mulheres receberem menos do que os homens no mercado de trabalho pode estar a afectar o crescimento das principais economias do mundo em biliões de dólares, conclui a PricewaterhouseCoopers (PwC) num estudo citado pela Bloomberg.

Reduzir as disparidades entre homens e mulheres nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) poderia aumentar o PIB dos países em 6 biliões de dólares (cerca de 4,9 biliões de euros).

Para atingir essa melhoria, conclui o estudo, seria suficiente estreitar a diferença salarial entre géneros na OCDE - que ronda os 16% - para o nível registado na Suécia, em torno de 13%. 

Os ganhos potenciais decorrentes desta diminuição resultariam do aumento da participação feminina no mercado de trabalho, assim como de espaço para um maior empreendedorismo e para a deslocação de mulheres para empregos mais bem remunerados, acrescenta o estudo mencionado na Bloomberg.

Só no Reino Unido, por exemplo - onde uma nova lei exige que as empresas reportem a diferença de salários entre homens e mulheres dentro de um mês - o impulso económico decorrente da diminuição das disparidades poderia rondar os 180 mil milhões de libras (201,5 mil milhões de euros), indica o estudo. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 06.03.2018

bando de hipócritas! se bem que o que o estudo diz é verdade os homens em 60% contra 40% tem mais tendência a poupar no curto prazo no médio e no longo passa para 75% e 90% dos homens em inverso com as mulheres logo economia de divida iria subir bastante quanto mais tem mais gastam!

Alentejano 06.03.2018

Este choradinho deve ser para aumentar ainda mais essa diferença! os homens carregam os fardos e elas falam entre elas! Correlacionado por produtividade anos de experiência e qualificações elas são mais bem pagas! A senhora doutorada em musica pela Aquifax ganhava como gestora de topo ...

Alentejano 06.03.2018

elas já são mais bem pagas que os homens pelo trabalho efectivo que fazem, passar horas no posto de trabalho a pintar ou a limar unhas não é trabalhar! e que tal mostrarem o estudo que prova que as mulheres ate aos 30 anos recebem entre 2% a 10% mais que os homens na mesma posição?

Comentador 05.03.2018

You went full SJW.
You never go full SJW.
Sim, poderia gerar riqueza. Mas é justo ou é discriminatório impôr medidas nesse sentido?

pub