Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Reunião sobre a Grécia que assinala a estreia de Vítor Gaspar "vai ser longa"

Vítor Gaspar avisou hoje, em Bruxelas, que "vai ser longo" o encontro entre os ministros das Finanças da Zona Euro para tentar avançar numa solução para envolver o sector privado no segundo programa de apoio à Grécia.

Lusa 11 de Julho de 2011 às 14:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
"Isto vai ser longo", limitou-se a dizer Vítor Gaspar à entrada do encontro em que pela primeira vez vai estar a representar Portugal no cargo de ministro das Finanças.

O presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, deverá iniciar a reunião com a apresentação de três novos ministros das Finanças, o português Vítor Gaspar, o francês François Baroin e a finlandesa Jutta Urpilainen.

Vítor Gaspar terá oportunidade de fazer o ponto da situação dos últimos desenvolvimentos relacionados com a evolução das contas portuguesas na parte da reunião que mensalmente aborda as últimas evoluções económicas e orçamentais dos Estados-membros.

O novo titular das Finanças deverá assim apresentar, entre outras medidas, a decisão de Lisboa de realizar uma sobretaxa extraordinária em sede de IRS (na prática o equivalente a um corte em 50% no subsídio de Natal acima do salário mínimo), e também reafirmar o compromisso de Lisboa de realizar o programa de privatizações.

De acordo com fonte comunitária, os 17 ministros das Finanças da Zona Euro irão passar uma parte importante da reunião a tentar encontrar uma solução sobre as modalidades e o envolvimento do sector privado no segundo pacote de ajuda à Grécia, que deverá ser decidido até Setembro próximo.

A reunião também tem lugar numa altura em que aumentam os receios de contágio da crise da dívida grega a outros países, nomeadamente à Itália depois de as Obrigações do Tesouro italianas terem sofrido a pressão dos mercados financeiros com um aumento das taxas de juro.
Em Maio de 2010, Atenas chegou a acordo sobre um primeiro pacote de resgate de 110 mil milhões de euros com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional, a ser distribuído em três anos.

Esse pacote é agora considerado insuficiente, tendo os ministros das Finanças já iniciado as negociações para um segundo plano de ajuda que deverá ter uma dimensão idêntico ao primeiro.

Ver comentários
Saber mais Vítor Gaspar Grécia Bruxelas Finanças
Outras Notícias