Política Rio define prioridades para recuperar classe média

Rio define prioridades para recuperar classe média

O agora empossado presidente do PSD saiu do 37.º Congresso social-democrata com as prioridades definidas para o futuro do partido e do país. Rui Rio quer recentrar o PSD e voltar à sua matriz social-democrata para depois recuperar o eleitorado perdido, em especial a classe média.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Lusa Miguel Baltazar Miguel Baltazar

Rui Rio já definiu as prioridades para o futuro próximo como presidente do PSD e a primeira passa por recuperar o eleitorado perdido, em especial a classe média, que deve ser o "principal foco" da acção de um partido social-democrata, "a par de uma luta estruturada contra a pobreza".

 

Recentrar o PSD na matriz social-democrata é o primeiro passo para o conseguir, explicou Rio que pretende também recuperar a capacidade reformista do partido e a ética como fio condutor da acção política.

 

Para enquadrar ideologicamente as suas intenções, o novo líder citou por duas vezes o antigo líder dos sociais-democratas alemães (SPD), Helmut Schmidt: "precisamos de uma moral pública; se queremos chegar longe, temos de ser capazes de dar pequenos passos".

 

Para dar esses passos, Rio vê como crucial o "diálogo social" mas também a necessidade de governar com horizonte alargado e não imediatista. Porque "governar para as pessoas não é apenas distribuir simpatias e conceder-lhes cada vez mais direitos", justificou numa alusão à geringonça.

 

Governar para as pessoas não é apenas distribuir simpatias e conceder-lhes cada vez mais direitos Rui Rio

Reforma na Segurança Social

 

Uma vez que, para Rui Rio, o actual Governo é incapaz de levar a cabo as reformas necessárias e "as políticas públicas capazes de induzir o crescimento económico" por estar "amarrado aos seus compromissos com a esquerda", o presidente do PSD diz-se então disponível para entendimentos.

 

A justificar a importância de "entendimentos alargados" estão os "estrangulamentos que não são possíveis de serem resolvidos sem a colaboração de todos".

 

Rio já deixou identificados os problemas estruturais do país. Perante o envelhecimento, o problema da natalidade e a inversão da pirâmide etária, "impõe-se por isso uma reforma que confira justiça, racionalidade económica e sustentabilidade" à Segurança Social.

 

O líder social-democrata deixa portanto o "desafio" ao Governo, demais partidos e parceiros sociais para que se empenhem nesta reforma estrutural.

 

Para a saúde, Rio pediu um "serviço público de qualidade" que requer investimento "no apetrechamento humano, nos equipamentos e sensibilização da população em termos de cuidados de saúde". Rio defende que o Estado tem a obrigação de "garantir um Sistema Nacional de Saúde sustentável e moderno".

 

Não rejeitando a participação dos privados na oferta do SNS, defendeu porém que a oferta privada tem de ser "regulada e fiscalizada".

 

No sector da educação, Rui Rio criticou as "reversões" feitas pelo Governo que fizeram Portugal regressar ao "experimentalismo pedagógico sem controlo nem avaliação".

Deixou ainda sinais de que quer aprofundar a profissionalização da carreira docente.

 

Na reforma do Estado defendeu "um país mais equilibrado territorialmente" e com uma gestão da despesa "mais rigorosa", deixando a sugestão de descentralização dos institutos públicos, como, por exemplo, a transferência do Tribunal Constitucional ou da Provedoria de Justiça para Coimbra.

 

Rui Rio considera todas estas reformas fundamentais para colocar o país a crescer de forma sustentada no médio e longo prazo. Rio traçou como meta pôr o rendimento per capita português em 101% da média europeia, ou seja, no pelotão da frente da Europa.

 

Na sexta-feira, o presidente do PSD tinha defendido que o crescimento de 2,7% do PIB em 2017 ficou aquém das possibilidades.




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
AA 19.02.2018

PSD JAMAIS. EM CONJUNTO COM PS E CDS NOS ÚLTIMOS 30 ANOS, ESPECIALMENTE NOS ÚLTIMOS 15, DESTRUÍRAM TODAS AS EMPRESAS NACIONAIS QUE DAVAM LUCRO DE MILHÕES E AINDA NOS PUSERAM A PAGAR O RESGATE DE BILIÕES FRUTO DA CORRUPÇÃO GENERALIZADA (BANCA, PPP, ETC.). QUEM É SÉRIO NUNCA MAIS DEVE VOTAR NELES.

Lulas e vinho verde magusto,para enganar os to tós 18.02.2018

A direi-talha é trapaceira e mentiroso,mas o povo foi sábio correu com eles e vai voltar a correr.

Façam as contas à divida e deixam a demagogia! 18.02.2018

A geringonça foi uma dádiva de Deus. Sorte do Povo, (é uma aldabice) a dívida anda sempre a aumentar já vai em 250 mil milhões de €, quando começarem os juros a subir (cenário mais provável) quero ver a geringonça a ir com o caaralho num ápice. Os juros são mais caros q o ministério da saúde! !

A geringonça foi uma dádiva de Deus.Sorte do Povo 18.02.2018

PSD não aprendeu nada é mais o mesmo,continua com a mesma ladainha.Ex.votante do PSD assim não me levam o voto.

ver mais comentários
pub