Política Rio escolhe líder dos autarcas do PSD para negociar descentralização

Rio escolhe líder dos autarcas do PSD para negociar descentralização

O presidente do PSD já escolheu os dois coordenadores sectoriais responsáveis pela negociação do processo de descentralização e pela definição das prioridades para o próximo quadro de fundos europeus. Álvaro Amaro fica com a descentralização e Castro Almeida com o quadro comunitário.
Rio escolhe líder dos autarcas do PSD para negociar descentralização
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 20 de fevereiro de 2018 às 19:23
Já estão escolhidos os nomes do PSD que irão representar o partido nas discussões sobre as duas reformas definidas como prioritárias pelo novo líder social-democrata e pelo primeiro-ministro.

No final da reunião da Comissão Política Nacional do PSD, Rui Rio revelou que o presidente da câmara da Guarda e líder dos autarcas sociais-democratas, Álvaro Amaro (na foto), será o coordenador sectorial para a descentralização. Rio explicou que Amaro passará a ter assento na Comissão Permanente, o órgão mais restrito da Comissão Política. 

 

Já o vice-presidente da Comissão, Manuel Castro Almeida, será o responsável pelo dossier do próximo quadro comunitário. Castro Almeida foi secretário de Estado do Desenvolvimento Regional do governo de Pedro Passos Coelho, que tinha em Miguel Poiares Maduro, então ministro do Desenvolvimento Regional, o responsável pela negociação dos fundos europeus. 

Depois de durante a campanha para as eleições internas ter feito críticas ao plano do Governo para a descentralização, Rio assumiu que defende uma reforma mais aprofundada. 

"Eu não fiz uma apreciação crítica das propostas do Governo, o que disse é que gostaria que fosse feito mais", disse para depois explicar que "o que está ali feito é essencialmente municipalização, é passar para a esfera das autarquias locais algumas competências, com algumas poderei discordar e com muitas poderei concordar". Apesar da visão crítica, Rio promete fazer propostas construtivas e não ser factor de bloqueio, garantindo que o PSD "fará propostas para cooperar e não para dificultar"

O presidente social-democrata anunciou ainda que a nomeação de Hugo Carneiro, mandatário financeiro  de Rio na campanha para as directas campanha interna, e do deputado Bruno Coimbra como secretários-gerais adjuntos do PSD.  

Para avançar com a revisão estatutária decidida pelo Congresso deste fim-de-semana, Rio revelou também que foi "aprovada uma comissão que, num máximo de 90 dias, vai conjugar as diversas propostas de alteração estatutária e levá-las ao Conselho Nacional". 

O líder do PSD disse que esta comissão vai ser composta por Paulo Mota Pinto, presidente da Mesa do Congresso, pelo presidente do Conselho Nacional de Jurisdição, Nunes Liberato, pelo secretário-geral, Feliciano Barreiras Duarte, pelo vogal da Comissão política, Maló de Abreu, e ainda pelos quatro subscritores das propostas de alterações estatutárias.

Por fim, Rui Rio disse que o director do Povo Livre será o histórico social-democrata José Cancela Moura.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Dono dos Burros 20.02.2018

Mas o morcão Rui ao Rio, acha que estamos todos a dormir? Acha que ninguém se lembra deste cromo no tempo do cavaco? Talvez recuperar também o Loureiro (pai, já sou ministro!) Que corja esta que aterrou em Portugal, podiam ter caído a meio do oceano mas não, aterraram mesmo no aeroporto Gen Coca Col

Anónimo 20.02.2018

Descentralização neste país, tão pequeno é mais um desperdício de dinheiros públicos à semelhança de tudo o que se faz pelos políticos,cujo interesse é arranjar lugares para os seus.Continuem o povo é manso.Nas próximas eleições legislativas a % de não votantes vai certamente inviabilizar as mesmas.

pub