Política Rio não viu "convulsãozita" na reunião com deputados do PSD

Rio não viu "convulsãozita" na reunião com deputados do PSD

O presidente do PSD garante que não imagina como é que "a reunião com a bancada pudesse correr melhor" e diz não ter notado nenhum tipo de convulsão por parte dos deputados sociais-democratas.
Rio não viu "convulsãozita" na reunião com deputados do PSD
Miguel Baltazar
Lusa 08 de março de 2018 às 16:14
O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje não ver como é que "a reunião com a bancada pudesse correr melhor", salientando as "muitas intervenções construtivas" durante as cerca de três horas e meia que durou o encontro.

"Eu disse [na quarta-feira], quando muito se houver é uma convulsãozita, para ser sincero não a notei, bem pelo contrário, notei uma reunião muito prolongada, com muitas intervenções, intervenções construtivas", afirmou Rui Rio, em declarações aos jornalistas no final da sua primeira reunião com o grupo parlamentar do PSD.

Perante as várias perguntas sobre críticas que lhe terão sido dirigidas, o presidente do PSD considerou que aconteceu aquilo que esperava: "Uma realidade dentro da sala e outra difundida para fora, já estava à espera, a reunião correu de forma absolutamente normal".

Questionado se não ouviu críticas sobre a sua estratégia de aproximação ao PS -- feitas pelo ex-líder parlamentar Luís Montenegro -, Rui Rio disse que o que ouviu foi "algum cepticismo relativamente à boa vontade" dos socialistas nos acordos com o PSD.

"Em 89 deputados cada um diz o que sente, não é por um dizer uma coisa que isso possa fazer regra. Naquilo que é o traço comum da reunião, eu não vejo como é que a reunião pudesse correr melhor, há líderes que gostam muito que se levantem todos a bater-lhe palmas, não é propriamente o meu estilo", afirmou.

O presidente do PSD disse que continua a contar com todos os deputados, embora admita que haverá "três ou quatro que demorará mais 15 dias a estarem completamente alinhados com os 89".

Rui Rio afastou, contudo, qualquer atitude de ostracismo em relação aos críticos e lembrou que só no domingo completará três semanas à frente do partido.

O líder social-democrata defendeu que a interacção com o grupo parlamentar será "muito estreita" e feita no dia a dia, quer por parte da direcção nacional, quer por parte do novo Conselho Estratégico Nacional (CEN), mas admitiu novas reuniões com a bancada ou até só com parte dos deputados, se em causa estiver uma matéria específica.

Questionado sobre uma frase que disse na sua intervenção inicial na reunião à porta fechada -- que "não se ganham eleições, as eleições perdem-se" -- Rio negou que tal signifique uma desvalorização do papel da oposição, pelo contrário.

"A oposição tem duas vertentes, a de apontar falhas, e outra a construtiva (...) é a junção das duas que nos pode levar a ganhar eleições", defendeu.

O novo presidente do PSD voltou a explicar alguns dos mecanismos de funcionamento do novo CEN, uma estrutura dividida por secções temáticas (à partida 16) e que terá porta-vozes e coordenadores, que falarão em nome do partido nos vários assuntos, e que poderão ser replicados à escala distrital.

Rio admitiu que os porta-vozes -- com um papel mais executivo -- possam ser, excepcionalmente, deputados ou membros da direcção, mas assegurou que essa não será a regra e adiantou que os porta-vozes distritais serão nomeados dentro da própria secção temática.

Apesar de, aos jornalistas, se ter recusado a responder às críticas de Luís Montenegro, na sua intervenção final o presidente do PSD disse acreditar "genuinamente na boa vontade do PS" nas tentativas de entendimento entre os dois partidos. segundo relatos feitos à Lusa.

"Eu acredito que há uma parte do PS que sinceramente deseja um diálogo construtivo", afirmou, defendendo que compete ao PSD "puxar" por esta parte do PS, o que será possível se tiver a opinião pública do lado dele.

Na sua intervenção final perante os deputados, Rui Rio voltou a criticar o que chama de judicialização da política, admitiu a visão de reforma que pretende para o sector pode implicar uma revisão constitucional e justificou não ter marcado presença na primeira reunião dirigida por Fernando Negrão por a direcção não estar ainda completa, mas, sobretudo, para todos poderem falar livremente na estreia do novo líder parlamentar.

Na reunião, as intervenções mais duras partiram de Luís Montenegro, Teresa Morais e Carlos Abreu Amorim, mas também Miguel Morgado, Aguiar-Branco e Hugo Soares fizeram referências críticas à forma como tem decorrido a transição interna.

A favor de Rui Rio, falaram os deputados José Silvano, Fátima Ramos e Nilza Sena.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Trent 08.03.2018

Nem sequer um vómitozito? Ninguém bolsou?

pub