Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rui Rio defende a criação de um Fundo Monetário Europeu e rejeita impostos europeus

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta sexta-feira ser "mais importante do que nunca" alterar o funcionamento institucional da União Económica e Monetária (UEM), defendendo a criação de um Fundo Monetário Europeu e rejeitando a criação de impostos europeus.

Lusa 22 de Junho de 2018 às 21:36
  • Partilhar artigo
  • 4
  • ...

Numa conferência de imprensa dedicada à reforma da zona euro, no Porto, tema principal da ordem de trabalhos do Conselho Europeu da próxima semana, o social-democrata propôs mudanças em três áreas, nomeadamente no funcionamento das instituições, na estabilização financeira e relações entre sector financeiro e estados e, finalmente, na área orçamental.

 

Dizendo que a recuperação económica e financeira terá aliviado o sentido de urgência da reforma da UEM, o líder do partido sustentou que é "mais importante do que nunca" alterar o funcionamento institucional da UEM por ser mais eficiente fazê-lo num período de crescimento económico e por persistirem algumas das deficiências que conduziram à crise financeira e das dívidas soberanas.

 

Quanto ao funcionamento das instituições, o PSD propõe a criação de um Fundo Monetário Europeu (FME) com recursos próprios que sirva de instrumento de coordenação e supervisão das políticas orçamentais nacionais.

 

Rui Rio explicou que o objectivo deste fundo é avaliar os planos de médio prazo e os orçamentos dos países.

 

Além disso, o social-democrata explicou que o fundo deve ser um instrumento de estabilização entre Estados-membros, em caso de crises assimétricas, e que disponibilize meios financeiros e técnicos em caso de crise financeira num Estado-membro, em condições de estrita condicionalidade, ou seja, num quadro de um programa de ajustamento negociado. "Será um elemento estabilizador a vários níveis", vincou.

 

O PSD sugere ainda a criação, na área das finanças, uma estrutura de governação semelhante à da acção externa da União Europeia (UE), passando o Comissário Europeu responsável pela pasta das Finanças a ser também responsável pela presidência do Conselho na área das finanças, pela presidência do Eurogrupo e, eventualmente, pela presidência do FME.

 

Na sua opinião, isto permitirá uma melhor articulação técnica e política, alertando, contudo, para a necessidade das responsabilidades de cada um dos órgãos ser mais bem clarificada.

 

Na estabilidade financeira e relação entre a banca e o Estado, o presidente do PSD considera que a União Bancária deve ser completada com a criação de um Sistema Europeu de Seguro de Depósitos, a par dos existentes Mecanismo Único de Supervisão e Mecanismo Único de Resolução.

 

A ausência de um Sistema Europeu de Seguro de Depósitos coloca sérios entraves à realização da União Bancária, ressalvou.

 

Já na área orçamental, o PSD quer melhorar, simplificando e tornando mais objectivo, o cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) potencial.

 

Saudando o reconhecimento que existe uma necessidade de desenvolver um instrumento de estabilização da UEM, os sociais-democratas acompanharão a recente proposta da Alemanha e da França para a criação de um orçamento para a zona euro com esse fim.

 

No que diz respeito à fiscalidade, Rui Rio assumiu que o PSD rejeita a criação de impostos europeus, ou seja, impostos lançados unilateralmente pelo Parlamento Europeu em violação da soberania fiscal dos parlamentos nacionais.

Ver comentários
Saber mais FME Rui Rio Conselho Europeu França UEM PSD Estados-membros Alemanha Fundo Monetário Europeu União Europeia União Bancária Eurogrupo Mecanismo Único de Resolução Mecanismo Único de Supervisão política
Outras Notícias