União Europeia Sánchez propõe um "novo contrato social" para a Europa

Sánchez propõe um "novo contrato social" para a Europa

Citando Pessoa e inspirando-se no exemplo de António Costa, o primeiro-ministro espanhol defendeu que o que mais importa não é a forma como se chega ao poder mas aquilo que se faz quando este é conquistado. Pedro Sánchez propõe um "novo contrato social" para a UE.
David Santiago 08 de dezembro de 2018 às 13:47
Já se sabia que Pedro Sánchez se inspirou na solução governativa forjada em 2015 por António Costa e restante esquerda parlamentar e, agora, o próprio primeiro-ministro espanhol reconheceu que o líder do Governo português é um "exemplo" para si e para "todos os socialistas europeus". 

"Dizia Fernando Pessoa, querido António, que não podemos reduzir a política a uma mera batalha ou reflexão sobre como chegar ao poder. Os socialistas portugueses mostraram que mais importante do que chegar ao poder é o que fazer quando se chega ao poder", disse o primeiro-ministro de Espanha no discurso realizado no congresso do Partido Socialista Europeu (PSE) que decorreu nos últimos dois dias no ISCTE, em Lisboa. 

Pedro Sánchez continuou os elogios ao seu homólogo sublinhando que o Governo português mostrou "que é possível outro caminho, que combina coesão social com o cumprimento do Programa de Estabilidade e Crescimento e o saneamento das contas públicas". "Tens o carinho e apoio de todos os socialistas europeus e terás no próximo ano o apoio dos portugueses porque vais voltar a ser primeiro-ministro", acrescentou dirigindo-se a Costa. 

O secretário-geral do PSOE defendeu depois a política que o seu governo vai implementar em 2019 com o primeiro orçamento do actual executivo espanhol. Sánchez disse que o orçamento aprovado prevê o cumprimento de três objectivos essenciais: sustentabilidade social, sustentabilidade do meio ambiente e sustentabilidade financeira.

Agradecendo o "compromisso político" do candidato do PSE à Comissão Europeia, Sánchez disse que os socialistas europeus devem assmir como mote para as eleições europoeias de Maio a defesa dos valores da Revolução Francesa - liberdade, igualdade e fraternidade. 

Lembrando ameaças ao projecto europeu como o Brexit ou o populismo que prefere designar de "autoritarismo", Pedro Sánchez considera que tudo o que foi alcançado pela União "não é suficiente", pelo que é necessário "propor um novo impulso à União Europeia". 

"Temos de propor ao conjunto dos cidadãos europeus um novo contrato social", atirou Sánchez recordando que "acabou" o contrato social segundo o qual quem estudava encontrava trabalho, quem pagava impostos recebia um Estado Social forte.

Como tal, o líder do governo espanhol propõe um novo contrato social assente em cinco pilares: aposta na educação, mercado de trabalho, promoção do bem-estar, meio ambiente e combate às alterações climáticas, e regeneração democrática.




pub