Política Santana Lopes assume que Aliança veio para "lutar para ganhar" a Costa  

Santana Lopes assume que Aliança veio para "lutar para ganhar" a Costa  

Pedro Santana Lopes deu uma entrevista à SIC na qual assegurou que na fundação deste partido "não quis fazer nenhuma cisão" no PSD, mas sim que tomou "uma decisão".
Santana Lopes assume que Aliança veio para "lutar para ganhar" a Costa   
Lusa
Lusa 27 de agosto de 2018 às 22:00

O ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes assumiu hoje que o objectivo eleitoral do Aliança, partido que quer constituir, é "lutar para ganhar" ao líder do PS, António Costa, garantindo que não virou "anti PSD".

 

Uma semana depois de ter começado a recolha de assinaturas para a constituição do partido Aliança, Pedro Santana Lopes deu uma entrevista à SIC na qual assegurou que na fundação deste partido "não quis fazer nenhuma cisão" no PSD, mas sim que tomou "uma decisão".

 

"Cá em Portugal, quem está na oposição, tem um temor reverencial com o doutor António Costa e o que se discute hoje em dia só é a que distância é que os outros partidos ficam do doutor António Costa. Eu não vim para isso nem vim para obter um dígito. Eu vim para ganhar, para lutar para ganhar ao doutor António Costa e para a Aliança ganhar ao PS", assumiu.

 

Para o antigo primeiro-ministro, "se os outros não querem ganhar, é lá com eles".

 

"É o único ponto em que eu faço minhas as palavras do doutor António Costa deste fim-de-semana: Ninguém pode estranhar que eu queira ter e a Aliança queira ter tantos votos quanto possível", respondeu, quando questionado sobre o que o comentador Pedro Santana Lopes diria dos seus objectivos eleitorais.

Questionado sobre a disponibilidade para "dar a mão" a António Costa com uma eventual coligação pós-eleitoral, Santana Lopes foi peremptório: "não. Acho um erro qualquer forma de bloco central".

 

"Eu quero trabalhar para construir uma alternativa não em litígio com os partidos de centro-direita, mas construindo, preparando e apresentando propostas. Eu não virei anti PSD", afirmou, apresentando-se como "um social-democrata de inspiração liberal".

 

Ainda sobre as eleições do próximo ano, Santana Lopes reiterou que não vai para o Parlamento Europeu e, apesar de o lugar de deputado não o fascinar, admitiu: "se tiver que ser candidato à Assembleia da República com certeza que serei. E é natural sê-lo tendo responsabilidades cimeiras no partido que vai nascer".

 

O candidato que nas últimas eleições internas do PSD (realizadas em Janeiro deste ano) perdeu para Rui Rio assumiu que criou a Aliança uma vez que se convenceu que as ideias que defende "não têm eco no PSD", deixando claro que "o sistema partidário não é um clube fechado" nem tem nenhum cartaz a dizer "proibida a entrada".

 

"Acho que o Presidente da República, pronto, nós sabemos que ele gosta de emitir opinião e tudo, mas até estranhei quando o ouvi dizer isso. Eu fui lá falar com ele. Acho que o Presidente da República pronunciar-se sobre as evoluções do sistema partidário é, pelo menos, interessante", respondeu, quando questionado sobre o comentário de Marcelo Rebelo de Sousa sobre a sua saída do PSD.

 

O Presidente da República disse em 4 de Agosto que um partido é como uma família e que de família não se muda.

 

Santana Lopes enfatizou que todo o processo de saída do PSD e criação do Aliança foi feito sozinho porque "não quis fazer dano a ninguém".

 

"Não quis colocar o meu antigo partido numa posição desagradável, difícil. Não andei a bater à porta de ninguém a dizer: venham comigo. É uma questão de respeito pelas pessoas", justificou.

 

O antigo primeiro-ministro disse ainda que se "conseguir ir buscar [votos] à abstenção e às novas gerações" é "um homem realizado e um homem feliz", concluindo a entrevista com uma expressão que se pode ler em azulejos de muitas casas portuguesas: "seja bem-vindo quem vier por bem".