Política Secretário-geral do PCP adverte para regresso de "bloco central informal" PS/PSD

Secretário-geral do PCP adverte para regresso de "bloco central informal" PS/PSD

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, advertiu este sábado para a possibilidade do regresso de "um bloco central informal" entre o PS e o PSD que atinja a Segurança Social sob a "máscara das reformas estruturais".
Secretário-geral do PCP adverte para regresso de "bloco central informal" PS/PSD
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 03 de março de 2018 às 18:33

Intervindo numa sessão para assinalar os 97 anos do PCP, em Lisboa, Jerónimo de Sousa disse que, desde o congresso do PSD, em meados de Fevereiro, se "acentuam expressões de consensualidade" e se regista a "assumida articulação entre PS e PSD em torno das reformas estruturais".

 

A "enganosa designação" de "reformas estruturais" esconde "medidas de agravamento da exploração do trabalho, de retrocesso económico e de injustiça social", disse Jerónimo de Sousa, frisando que, no passado, resultaram em "desregulação económica, flexibilização laboral e desprotecção social".

 

"Um caminho que pretendem não só consolidar, mas relançar afivelando a máscara das reformas estruturais e à sombra de uma suposta inócua descentralização (mas, de facto, uma transferência de encargos e desresponsabilização do Estado) e uma consensualizada política de investimentos e aplicação de fundos comunitários, vendidos como a coisa mais natural, tão natural como o ar que respiramos", acusou.

 

Para Jerónimo de Sousa, aqueles "consensos" constituem "um primeiro passo no caminho dos consensos e de restauração de um bloco central informal para voos mais largos, em que muitos aspiram a que a Segurança Social torne a marcar lugar".

 

O secretário-geral comunista pediu "mais força" para o PCP, partido que afirmou "portador da política patriótica e de esquerda" e questionou: "ou pode-se considerar de esquerda aqueles que reduzem os direitos e alteram a legislação laboral para pior, que criam malfeitorias para os trabalhadores em nome dos interesses do capital?".

 

"Ninguém se pode afirmar de esquerda quando em relação aos direitos dos trabalhadores se põe de um lado e não do lado deles", disse, perante centenas de militantes que participaram no comício de aniversário do PCP, no auditório da Faculdade de Medicina Dentária de Lisboa.




A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 04.03.2018

E claro Bloco central e mau trabalhador porque anda sempre com falencias no Pais.
Sempre gastar mais do que tem com clientelas politicas

Anónimo 04.03.2018

O bloco central da vergonha ja faliu Portugal 3 vezes em 40 anos.

Anónimo 04.03.2018

Ui que medo, um bloco central. Se fosse o bloco comuna que defende a democracia da coreia do norte e o regime totalitarista da Venezuela, aí sim, era caso para termos medo. Estes comunistas são coisa do passado. Só têm utilidade em 10% de tudo o que defendem. Das suas ideias só se aproveita + ou - 10% os outros 90% dos seus ideais são lixo tóxico. Se pudessem aplicar estes 90% de ideias tóxicas ficávamos todos como está agora a Venezuela. Ficava um Jerónimo a fazer o que faz o Nicolas Maduro ao povo venezuelano.

Criador de Touros 04.03.2018

Este governo de esquerda abana por tudo quanto é sítio, quanto tempo durará mais ?Nove meses no máximo, até ao próximo orçamento ? Até ao próximo orçamento comunistas e comunistas bloquistas farão pressão máxima para se demarcarem do PS, sob pena de a esquerda ficar com fama de pouco de esquerda na atitude.É então que poderá aparecer o submarino Rui Rio que quer destruir o PSD, mas amigo para o PS. Se Rio quiser alianças, um congresso terá de ser, no mínimo convocado. Fica mal a este PSD de Rio fazer estas figuras. É o PSD mais fraco de todos, mais subserviente, mais anémico, menos ideológico. Rui Rio e António Costa são de facto Dupont e Dupond, quem diria que o PSD viria a dar a esta praia cheia de destroços ?

ver mais comentários
pub