Política Seguro para Passos: "Não viva na lua. Desça à realidade. O País de que fala não existe"

Seguro para Passos: "Não viva na lua. Desça à realidade. O País de que fala não existe"

António José Seguro fala num país mais pobre e desigual. Pedro Passos Coelho destaca que Portugal conseguiu minimizar o risco de exclusão social e pobreza. O líder do PS acusa o Executivo de perseguir os idosos e os reformados. Mas o primeiro-ministro garante que o Governo está a libertar o País do peso da dívida e dos encargos do passado. Seguro e Passos olham para o País de formas totalmente opostas e envolveram-se esta manhã num aceso debate na Assembleia da República.
Seguro para Passos: "Não viva na lua. Desça à realidade. O País de que fala não existe"
Ana Luísa Marques 17 de janeiro de 2014 às 11:54

"Não viva na lua. Desça à realidade. O País de que fala não existe. O PS quer equilíbrio nas contas públicas. O que nos separa é o modo de o fazer", disse António José Seguro a Pedro Passos Coelho, durante uma troca de acusações entre os dois políticos, em que o líder do PS acusou o Executivo de deixar um País mais "pobre e desigual" e Pedro Passos Coelho preferiu destacar que, no grupo dos países resgatados, Portugal foi "aquele em que o risco de exclusão social e pobreza menos foi afectado".

 

Pedro Passos Coelho referiu que o produto interno bruto (PIB) português caiu e admitiu que o Executivo não tem "nenhuma evidência de que as desigualdades se tenham atenuado". O primeiro-ministro destacou, porém, que de todos os países da Zona Euro resgatados, "Portugal foi aquele em que o risco de exclusão social e pobreza menos foi afectado". "A verdade é que em Portugal esse risco foi minimizado", acrescentou o Chefe do Estado.

 

António José Seguro acusou, no entanto, Pedro Passos Coelho de deixar um "País mais pobre e desigual". "É o seu País à saída da troika", afirmou o secretário-geral dos socialistas, lamentando que o Governo mantenha "o ataque à classe média e pensionistas". "Porque insiste em perseguir os idosos e reformados do nosso País", questionou António José Seguro.

 

Na resposta, o primeiro-ministro garantiu que "Portugal está em condições de inverter o pessimismo criado pelo que o sr. deputado chamava de espiral recessiva". "A economia está a crescer. Estamos a comprometer bem o futuro do País, no sentido de o libertar do peso da dívida e dos encargos do passado", afirmou Pedro Passos Coelho.

 

Na intervenção seguinte, Seguro acusou Passos de falar de um "País que não existe". "Não viva na lua. Desça à realidade. O País de que fala não existe. O PS quer equilíbrio nas contas públicas. O que nos separa é o modo de o fazer", disse o líder socialista. 

 

(Notícia actualizada às 12h03)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI