Economia Só 33% dos estagiários ficam no mercado de trabalho, diz Tribunal de Contas

Só 33% dos estagiários ficam no mercado de trabalho, diz Tribunal de Contas

Tribunal de Contas diz que apenas 33% dos estagiários foram em 2014 integrados no mercado de trabalho. IEFP alega que é prematuro tirar conclusões sobre 2014 e acrescenta que estudos de 2013 apontam para 72%.
Só 33% dos estagiários ficam no mercado de trabalho, diz Tribunal de Contas

Apenas um terço dos estagiários (33,3%) foram "integrados no mercado de trabalho" após um estágio no ano passado, percentagem inferior à que foi registada no ano anterior (42,4%), revela o Tribunal de Contas (TdC), num relatório sobre a Execução do Orçamento da Segurança Social.

Questionado, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) responde com outros dados: indica que os estudos relativos a estágios de 2013 apontam para uma taxa de empregabilidade (na mesma empresa ou em outra) de 71,8%, seis meses após o estágio, e acrescenta que quaisquer conclusões sobre a empregabilidade dos estágios terminados em 2014, que só deve ser medida ao final de nove meses, são "prematuras e pouco rigorosas".

O TdC explica que "a redução dos níveis de desemprego verificada" de 2013 para 2014 "foi, em grande medida, compensada pela criação de estágios profissionais financiados pelo IEFP". Em 2014, a despesa da Segurança Social com políticas activas aumentou 8,7% e a criação de emprego por conta de outrem cresceu 1,6% (contra uma quebra de 2,6% em 2013).

"Esta substituição, que tem o mérito de manter no mercado de trabalho uma parte da população activa desempregada, ainda que com índices de precariedade elevados, aspecto que decorre da própria natureza dos estágios profissionais, não se cuidando aqui de levar em conta a taxa de integração desta população na vida activa após a finalização do estágio (em 2013, 42,4% dos estagiários foram integrados no mercado de trabalho após estágio e em 2014 apenas 33,3%) ao mesmo tempo que produz algum alívio nos custos de trabalho associados ao sector privado da economia, terá também o demérito de pressionar negativamente a massa salarial do sector privado, com consequências directas na arrecadação da receita contributiva", pode ler-se no documento.

Os dados do TdC aproximam-se dos que estão publicadas nos relatórios de execução física e financeira  do IEFP, que apontam para uma "colocação na entidade" de 44,5% dos estagiários que terminaram o estágio em 2013 e de 35,6% em 2014, bem como da informação recolhidapelo Negócios em Dezembro, que o IEFP desmentiu "categoricamente". A questão da empregabilidade dos estágios– que no ano passado abrangeram mais de 70 mil pessoas – tem sido tudo menos pacífica.   

IEFP baseia-se numa análise de 2013

Questionada sobre a nova informação do TdC, fonte oficial do IEFP respondeu esta segunda-feira ao Negócios que "a medida estágios-emprego tem uma empregabilidade de 70%", seis meses após o estágio.

"A avaliação mais recente da empregabilidade dos estágios profissionais (relativa àqueles terminados em 2013)", que resulta do cruzamento de dados com os da Segurança Social "indica umnível de empregabilidade de70% (mais exactamente, 71,8%), no prazo de seis meses após a conclusão do estágio". Nem todos ficam na mesma empresa: "Resulta igualmente que cerca de 50% (mais exactamente, 49,4%)" dos que encontraram colocação "está seis meses depois do estágio, a trabalhar na empresa onde o realizou".  
     
Sublinhando que a empregabilidade relativa a 2014 só pode ser avaliada nove meses após o  estágio, o IEFP acrescenta que "quaisquer conclusões sobre o nível de empregabilidade dos estágios profissionais que entretanto possam ser retiradas são prematuras e pouco rigorosas". O Negócios solicitou os estudos, sem sucesso.






pub

Marketing Automation certified by E-GOI