Política Mário Soares furioso com novo patriarca por não ter travado aplausos a Passos e Cavaco

Mário Soares furioso com novo patriarca por não ter travado aplausos a Passos e Cavaco

Líder histórico do PS escreve que a primeira missa de D. Manuel Clemente foi um “escândalo” e uma “vergonha inaceitável”. Mário Soares considera incompreensível que o novo patriarca tenha deixado que políticos presentes, entre os quais Passos Coelho e Cavaco Silva, fossem aplaudidos por, afirma, uma “claque de capangas”. Diz que receia regresso ao fascismo.
Mário Soares furioso com novo patriarca por não ter travado aplausos a Passos e Cavaco
Negócios 09 de julho de 2013 às 09:39

O antigo Presidente da República escreve no Diário de Notícias que a primeira missa de D. Manuel Clemente, o novo patriarca, realizada no passado domingo no Mosteiro dos Jerónimos, tornou-se uma “vergonha inaceitável”. Escreve Mário Soares que “a presença do Presidente da República, nada discreta, de Passos Coelho e de Paulo Portas e mais a claque dos capangas que lá puseram para bater palmas aos políticos presentes resultou num escândalo” que não suscitou qualquer reacção de D. Clemente.

 

“Direi mesmo que foi uma vergonha que infelizmente o vai marcar negativamente perante os católicos sinceros e progressistas, sem falar dos leigos, como eu, que se lembram bem dos tempos em que o fascismo utilizava a religião”.

 

“É óbvio que uma Igreja como o Mosteiro dos Jerónimos é um local sagrado. Não se compreende assim que o novo patriarca, que é uma pessoa culta e experiente, deixasse que os políticos presentes fossem aplaudidos sem que ele, patriarca, lhes lembrasse que a Igreja onde estavam é um lugar sagrado, não é um lugar próprio para esse tipo de manifestações políticas”, acrescenta.




Marketing Automation certified by E-GOI