Política Sócrates escritor aplaudido como político

Sócrates escritor aplaudido como político

Palmas e ovações marcaram a apresentação do livro de José Sócrates sobre tortura em democracia. Não foi, contudo, a tortura que mereceu o aplauso. Foram as considerações políticas.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 23 de outubro de 2013 às 23:50

Palmas e ovações marcaram a apresentação do livro de José Sócrates sobre tortura em democracia. Não foi, contudo, a tortura que mereceu o aplauso. Foram as considerações políticas.

Primeiro, foi a vez de Lula da Silva, que prefacia o livro apresentado. Com ataques aos banqueiros, o antigo presidente brasileiro brincou para dizer que se tinha transformado num "sindicalista" desde que deixou aquele cargo. Palmas. Depois, deixou um alerta aos europeus: "se vocês não brigarem, vão perder o que vocês conquistaram". Palmas.

Antes disso, já as cerca de três centenas de pessoas que assistiam à apresentação do livro "A Confiança no Mundo: Sobre a Tortura em Democracia" tinham aplaudido várias figuras de topo do Partido Socialista como Almeida Santos e Jaime Gama ou Mário Soares, sendo que o último também apresentou o livro.

Mário Soares, que tem feito declarações políticas polémicas, não se quis alongar na sua intervenção, classificando apenas o livro de Sócrates como "excepcional".

Na intervenção do próprio José Sócrates, a política conquistou mais adesão dos convidados que o tema da obra, resultante da tese de mestrado. Dizendo que a tortura é "infame" e que não é compatível com a democracia, o agora escritor recebeu algumas palmas. Mas a convicção dos aplausos foi maior quando criticou o esforço para "destruir" o Estado Social em Portugal.

Outra ovação ocorreu quando o antigo governante utilizou uma expressão de Paulo Portas para dizer que há limites numa democracia. "Essa linha vermelha é a dignidade humana". Antes, já Lula da Silva tinha dito que Sócrates estava em "forma para deixar a política tão cedo". "Você vai ter de voltar à política". Palmas.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI