Política Sondagem: CDS dispara com ambição de Cristas

Sondagem: CDS dispara com ambição de Cristas

Ainda longe das boas votações do passado, as intenções de voto do CDS subiram de forma acentuada no mês seguinte ao congresso em que a sua líder assumiu a ambição de ser o grande partido da direita portuguesa. A Aximage atribui 7% aos centristas, o número mais alto desde Setembro de 2014.
Sondagem: CDS dispara com ambição de Cristas
Lusa
Manuel Esteves 15 de abril de 2018 às 21:15
Assunção Cristas pediu e o barómetro da Aximage deu-lhe... um cheirinho desse pedido. Naquele que é o primeiro barómetro da Aximage publicado após o congresso, o CDS vê as suas intenções de voto passar de 5,4% para 7%, o valor mais alto desde Setembro de 2014. 

No congresso, Assunção Cristas assumiu a ambição de transformar o CDS no maior partido da direita em Portugal. Uma ambição sonhadora tendo em conta a enorme distância face ao PSD, mas que teve um reflexo imediato no barómetro da Aximage do mês seguinte. Aproveitando um recuo relevante das intenções de voto no PS e uma ligeira diminuição dos votos no PSD, o partido de Cristas regista uma subida de 1,6 pontos percentuais, a maior desde Abril de 2016.

O PS, pelo contrário, sofreu uma queda nas intenções de voto, ficando mais longe da ambicionada maioria absoluta. A Aximage atribui-lhe agora 38% dos votos, contra 39,2% em Março e os 42% verificados há um ano. Também o PSD desceu, mas apenas 0,3 pontos para 26,7%, mantendo-se ainda assim em níveis máximos desde o final de 2016.

Quanto aos partidos de esquerda que suportam o Governo de António Costa, pouco ou nada mudou no último mês. Segundo o barómetro da Aximage, o Bloco de Esquerda mantém-se como a terceira força política com 10% dos votos (igual ao score de Março), ao passo que o PCP sobe 0,3 pontos para 7,7%.

Ficha técnica

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 601 entrevistas efectivas: 290 a homens e 311 a mulheres; 57 no Interior Norte Centro, 82 no Litoral Norte, 106 na Área Metropolitana do Porto, 115 no Litoral Centro, 163 na Área Metropolitana de Lisboa e 78 no Sul e Ilhas; 98 em aldeias, 165 em vilas e 338 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo de corrido nos dias 8 a 12 de Abril de 2018, com uma taxa de resposta de 72%..

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 597 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.




pub