Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

S&P reitera «rating» da dívida de Portugal

A Standard & Poor´s reafirmou hoje o «rating» de Portugal de «AA-» no longo-prazo e de «A-1+» no curto-prazo com um «outlook» estável. Os «’ratings’ de Portugal reflectem a deterioração abrupta das finanças públicas nos últimos anos, e o ambiente comp

Paulo Moutinho 29 de Março de 2006 às 19:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Standard & Poor´s reafirmou hoje o «rating» de Portugal de «AA-» no longo-prazo e de «A-1+» no curto-prazo com um «outlook» estável.

Segundo o comunicado da agência de «rating» internacional Standard & Poor’s, os «’ratings’ de Portugal reflectem a deterioração abrupta das finanças públicas nos últimos anos, e o ambiente competitivo dado o enfraquecimento da economia e a profundidade das reformas necessárias para inverter a deterioração das contas do fisco e o ritmo de crescimento da economia».

O analista de crédito da S&P, Trevor Cullinan acrescenta no mesmo comunicado que o «rating» de Portugal também reflecte o consistente aumento da divergência de outros pares do «rating AA» em termos do PIB «per capita», e o défice geral do governo e os rácios da dívida, que se mantém acima da dos seus pares, como consequência do contínuo fraco crescimento da economia e da «pobre» performance fiscal.

A administração estima que o défice estatal se situe em 6% do produto interno bruto de 2005, devido quer ao enfraquecimento estrutural e ao fim da política de medidas extraordinárias que tinham o objectivo de reduzir o défice para baixo dos 3%. Segundo a S&P, o governo português «embarcou» num programa para trazer o défice para baixo deste alvo até 2007.

A S&P prevê reduções modestas no défice geral do Estado como resultado do programa da reforma do Governo e afirma que não espera que os efeitos dessa reforma sejam suficientes para provocar uma reversão na trajectória ascendente do nível de endividamento, a médio-prazo.

«Os ‘ratings’ ficariam sob pressão caso o Governo fosse incapaz de fazer baixar os níveis de despesas correntes para uma tendência negativa, tal como indicado no programa de estabilidade e crescimento apresentado em Dezembro de 2005», acrescenta a S&P.

A implementação efectiva do programa de reforma do Estado resultou na convergência sustentada com as medias dos «AA» para o crescimento do PIB «per capita» e o défice geral do governo e os rácios de crédito, que deverão suportar o crédito de «rating» de Portugal.

Ver comentários
Outras Notícias