Emprego Taxa de desemprego abaixo dos 8% pela primeira vez em 14 anos

Taxa de desemprego abaixo dos 8% pela primeira vez em 14 anos

A taxa de desemprego atingiu em Janeiro os 7,9%, o que representa o nível mais baixo desde 2004, anunciou o INE.
Nuno Carregueiro 28 de fevereiro de 2018 às 11:28

A taxa de desemprego em Portugal arrancou o ano com a mesma tendência registada nos últimos meses. De acordo com os dados provisórios do Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de desemprego atingiu em Janeiro os 7,9%, o que representa o nível mais baixo em quase 14 anos.

 

A taxa de Janeiro compara com os 8% registados em Dezembro, sendo que o valor foi hoje revisto em baixa pelo INE (anteriormente o INE tinha reportado uma taxa de 8,2% para o último mês de 2017).

 

Comparando com Janeiro de 2017, a queda da taxa de desemprego ascendeu a 2,2 pontos percentuais, sendo que nesse mês ainda se encontrava acima dos 10%. Segundo o INE, a taxa de desemprego em Portugal está agora no nível mais reduzido desde Julho de 2004.

 

Em Janeiro existiam 410,6 mil pessoas sem emprego em Portugal, o que representa uma descida de 1,7 mil contra Dezembro. Já a população empregada aumentou em 1,9 mil pessoas para 4,77 milhões.

 

Comparando com Janeiro de 2017, o número de desempregados baixou em 107 mil, sendo nos últimos 12 meses foram criados 162,4 mil novos empregos.

 

A taxa de desemprego dos jovens (entre 15 e 24 anos) ficou estável em 22,2% face a Dezembro, registando uma queda de 3,2 pontos percentuais contra Janeiro de 2017. A taxa de desemprego dos adultos baixou uma décima para 6,8%, situando-se em 7,5% nos homens e 8,3% nas mulheres.

 

(Notícia actualizada às 11:45 com mais informação)




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 28.02.2018

Tem que se deixar de entender o conceito de Rendimento Mínimo como sendo um exclusivo daquelas pessoas com os dentes todos estragados, com o cabelo comprido muito sujo ou com um vocabulário brejeiro. O Rendimento Mínimo, parte integrante do sistema público de protecção social, é um direito de todos, incluindo de bancários e funcionários públicos cujo posto de trabalho deixou de fazer sentido económico, e facultar a possibilidade de justificadamente o atribuir quando necessário deve ser um dever de toda e qualquer organização pública ou privada.

comentários mais recentes
Anónimo 28.02.2018

Deve ser por isso que eu amanhã vou comparar um smartphone cheio de componentes desenvolvidos em Portugal e um novo automóvel com uma motorização que obedece aos mesmos critérios.

Anónimo 28.02.2018

Dinamarca e o chamado Modelo Nórdico que permite maximizar a criação de valor e minimizar a extracção daquele. Um Estado de Bem-Estar Social que existe acima de tudo para criar um mercado laboral verdadeiramente flexível e um mercado de capitais forte e dinâmico: "Denmark has the highest share of top performing companies in the EU in 2017. According to our Investment Report 2017/2018 for Demark, the country’s companies are outstanding also in another respect - nine out of ten have invested over the last financial year, making them the most investment-active businesses in the EU. Find out more:" eibis.eib.org/eibis-2017#!/denmark

Anónimo 28.02.2018

Se numa qualquer economia deixarem despedir colaboradores excedentários ou, por outras palavras, deixarem desalocar factor trabalho mal alocado por não ter procura real justificável face às reais condições de mercado ditadas pela racionalidade económica que interpreta e se adapta ás forças de oferta e procura de mercado e que conduz à criação de valor, e desde que o Estado de Bem-Estar Social garanta um mínimo de condições básicas de sobrevivência em dignidade, como já se faz até certo ponto em Portugal apesar de vários constrangimentos financeiros que se prendem precisamente com a sobrealocação de factor trabalho desnecessário que é em si mesmo um parasitário concorrente de peso perante o Estado de Bem-Estar Social fragilizado, os restantes mercados de factores produtivos e bens e serviços encarregar-se-ão de tornar toda a economia mais rica e mais desenvolvida com inegáveis ganhos e benefícios para toda a sociedade residente naquela economia. Este é o tão propalado "Modelo Nórdico".

Anónimo 28.02.2018

As reformas da troika resultaram. Não estraguem o trabalho feito.

ver mais comentários
pub