Américas Trump estará a preparar-se para impor tarifas às importações de aço e alumínio

Trump estará a preparar-se para impor tarifas às importações de aço e alumínio

A administração norte-americana deverá anunciar hoje a aplicação de tarifas à importação de aço e alumínio. A decisão pode levar a uma resposta tanto da China, um dos maiores produtores do mundo destas matérias-primas, como da União Europeia.
Trump estará a preparar-se para impor tarifas às importações de aço e alumínio
Reuters
Ana Laranjeiro 01 de março de 2018 às 09:36

A administração norte-americana deverá anunciar esta quinta-feira a aplicação de tarifas às importações de aço e de alumínio, revelaram fontes à Bloomberg. O presidente Donald Trump terá dito aos seus assistentes que queria anunciar tarifas de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio e que devem ser aplicadas a todos os países, de acordo com a mesma fonte.

Contudo, para já não há ainda uma decisão final, pelo que, poderão surgir algumas alterações face a este cenário. Entre as mudanças que podem estar em cima da mesa estará a possibilidade de isentar alguns países desta imposição de tarifas, acrescentou uma fonte.

A administração norte-americana tem estado a estudar formas de travar as importações, tanto de aço como de alumínio, depois de o Departamento do Comércio ter concluído que as importações destas matérias-primas prejudicam a segurança nacional dos Estados Unidos, avança a Bloomberg.

A confirmar-se, esta não será a primeira vez desde que tomou posse que Donald Trump decide aplicação de tarifas às importações. Nem é a primeira vez que estas tarifas afectam a China, a segunda maior economia do mundo, a seguir aos Estados Unidos.

A decisão dos Estados Unidos poderá, inclusivamente, levar a uma resposta chinesa. Como recorda a Bloomberg, Pequim deu já início a um inquérito às importações norte-americanas de sorgo (um cereal) e estará a estudar a possibilidade de limitar as remessas de soja provenientes dos EUA – algo que pode levantar problemas a Trump. Alguns dos estados que apoiam o presidente norte-americano têm uma economia fortemente agrícola, pelo que uma restrição às suas vendas ao exterior pode ter efeitos ao nível interno.

Também a União Europeia poderá responder a esta eventual decisão da administração Trump. Na última terça-feira, 27 de Fevereiro, os ministros com a pasta do Comércio da União Europeia estiveram reunidos. E, segundo o vice-ministro da Economia da Alemanha, Matthias Machnig, a União a 28 vai responder se houver uma aplicação de tarifas às importações de aço e de alumínio por parte dos EUA.

O responsável assinalou ainda que a aplicação de tarifas é incompatível com as regras da Organização Mundial do Comércio. Além disso, sublinhou, a implementação de tarifas não pode ser justificada com a questão de segurança nacional.

"Disse que estamos a preparar todas as opções", realçou o responsável aos jornalistas na terça-feira. Todavia, Machnig acrescentou que houve um acordo unânime, entre a Comissão Europeia e os Estados-membros, de que "é necessário tomar as precauções apropriadas".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 01.03.2018

Mercado livre, sim; mas ninguem deve ser obrigado a comprar o que nao precisa, nao acham ? o mundo esta` muito agarrado a` teta norte americana, mas com Trump, ela vai secar.

General Ciresp 01.03.2018

La vai a bolsa americana ter mais um furo.Sempre q vou comprar laranjas espreito primeiro se a bolsa nao esta rota,coisa boa nao se pode perder pelo caminho.Trump a criar votos para a proxima legislatura.

pub