Mundo Trump reitera que a "era da paciência estratégica" com a Coreia do Norte acabou

Trump reitera que a "era da paciência estratégica" com a Coreia do Norte acabou

Numa conferência de imprensa, em Tóquio, com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, Trump repetiu que "todas as opções estão em cima da mesa".
Trump reitera que a "era da paciência estratégica" com a Coreia do Norte acabou
Reuters
Negócios 06 de novembro de 2017 às 07:50

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou esta segunda-feira, 6 de Novembro, que a era da "paciência estratégica" em relação à Coreia do Norte chegou ao fim, depois de uma série de testes nucleares e ameaças por parte de Pyongyang, que colocam em causa a estabilidade e a segurança mundial.  

 

Depois de um encontro com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, em Tóquio, o líder da Casa Branca garantiu que os Estados Unidos estão "ao lado" do Japão, um país aliado, contra a "ameaça" representada pelo regime norte-coreano, e que os dois países estão a trabalhar em conjunto para combater as "agressões perigosas" de Pyongyang.

 

O regime norte-coreano "continua com os seus testes nucleares ilegais e com os seus intoleráveis lançamentos de mísseis sobre o território japonês, que representam uma grave ameaça à paz e estabilidade regional e global. Não permitiremos isso", afirmou Trump numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro Shinzo Abe.

 

"Os norte-coreanos são grandes pessoas sob um regime repressivo. Espero que tudo se resolva e que melhore, tanto para eles como para todo o mundo. Espero que [Kim Jong-un] acabe por pagar" pelos seus actos, acrescentou, citado pela Lusa.

 

O presidente dos Estados Unidos está no segundo de 12 dias de viagem à Ásia, tendo na agenda não só o programa nuclear da Coreia do Norte, mas também questões comerciais.

 

Na mesma conferência de imprensa, Abe apoiou a posição de Trump de que "todas as opções" estão em cima da mesa no que respeita ao regime de Kim Jong-un, e que os dois países estão "100% juntos" nesta matéria.

 

Anteriormente, Trump prometeu fazer pressão no sentido de uma parceria comercial livre e equilibrada com o Japão após décadas de "défices comerciais massivos", mas assegurou também que as relações com o Tóquio estão "melhores do que nunca".

 

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, já anunciou que, apesar do tiroteio no Texas que provocou 26 vítimas mortais, Trump não deverá mudar os seus planos de viagem, que o conduzirão ainda a Seul, Pequim e Danang, no Vietnme.