União Europeia UE concedeu protecção a mais de 333 mil migrantes em 2015

UE concedeu protecção a mais de 333 mil migrantes em 2015

Dos mais de 333 mil estatutos de protecção concedidos pelos Estados-membros da União Europeia em 2015, praticamente metade foram atribuídos pela Alemanha. Portugal deu protecção a 195 requerentes de asilo no ano passado.
UE concedeu protecção a mais de 333 mil migrantes em 2015
Reuters
David Santiago 20 de abril de 2016 às 13:19

Em 2015 os 28 Estados-membros da União Europeia (UE) concederam estatuto de protecção a um total de 333.350 requerentes de asilo, o que representa um aumento de 72% face ao ano anterior. Os números divulgados esta quarta-feira, 20 de Abril, pelo Eurostat mostram ainda que desde 2008 a UE já concedeu estatuto de protecção a cerca de 1,1 milhões de requerentes de asilo.

 

Dos migrantes que em 2015 pediram asilo em países da UE, metade foram feitos por cidadãos sírios (166.055 ou 49,8% do total), enquanto a Eritreia (27.575 ou 8,3%) e o Iraque (23.685 ou 7,1%) foram os outros dois países com mais nacionais a beneficiar da concessão de asilo. O número de sírios a quem foi atribuído estatuto de protecção mais do que duplicou relativamente a 2014.

 

Confirma-se que os conflitos armados, designadamente na Síria e no Iraque, e também as condições de grave pobreza, como é o caso dos anteriores países mas também da Eritreia, continuam a ser os factores que mais contribuem para a actual vaga de migrantes que diariamente tentam chegar à Europa.

 

A Alemanha foi o país que mais concedeu protecção a mais requerentes de asilo, praticamente a metade do total que conseguiu ser acolhido em países da UE. Em 2015 Berlim atribuiu asilo a 148.215 migrantes, um aumento de 212% comparativamente com o período homólogo.

 

Seguiu-se a Suécia (34.470), a Itália (29.630) e a França (26.015), enquanto Portugal acolheu 195 requerentes de asilo. Do total de 333.350 requerentes de asilo a quem foi concedido estatuto de protecção em 2015, mais de 246 mil receberam estatuto de refugiados, a 60.700 foi concedida protecção subsidiária e a 26.500 foi garantida autorização para permanecer por razões humanitárias.

 

 

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI