Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Weber sinaliza retirada de empréstimos de longo prazo do BCE

Axel Weber, membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE), sinalizou que a autoridade monetária da Zona Euro pode começar a retirar as medidas de estímulo no próximo ano, deixando de conceder os seus empréstimos de "mais longo prazo".

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 29 de Outubro de 2009 às 12:40
  • Partilhar artigo
  • ...
Axel Weber, membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE), sinalizou que a autoridade monetária da Zona Euro pode começar a retirar as medidas de estímulo no próximo ano, deixando de conceder os seus empréstimos de “mais longo prazo”.

“Alguns dos novos instrumentos serão necessários durante mais tempo do que outros”, disse o líder do Bundesbank e membro do BCE, num discurso hoje em Berlim, citado pela Bloomberg.

Neste momento “a colocação ilimitada das nossas principais operações financeiras vai ter de ser mantida durante mais tempo do que a garantia de liquidez no muito longo prazo”, disse o responsável.

O responsável referia-se aos empréstimos concedidos por doze meses aos bancos comerciais, que foram introduzidos para garantir estabilidade ao sistema financeiro.

Os seus comentários são os primeiros a indicar que o BCE está a aproximar-se do momento de articular a retirada gradual dos estímulos à economia, segundo a agência noticiosa norte-americana.

A Reserva Federal e o Banco do Japão, pelo contrário, já começaram esse processo, com a primeira a ter anunciado a retirada de parte dos seus programas de emergência e os membros do segundo a discutirem o fim do programa de compra de obrigações a empresas.

A taxa de retorno das obrigações a dois anos alemãs, subiram três pontos base para 1,31%, depois de as declarações de Weber terem sido divulgadas. O Conselho Governativo do BCE reúne no dia 5 de Novembro.

O BCE vai emprestar aos bancos em Dezembro, pela terceira vez este ano, tanto dinheiro quanto estes queiram a um prazo de doze meses, à taxa de 1%. Desta forma espera estimular o crédito no mercado financeiro.

Ver comentários
Outras Notícias