Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Zloty cai com especulação de demissão do primeiro ministro polaco

O zloty polaco recuou contra o euro pelo segundo dia consecutivo devido a especulação de que o primeiro ministro da Polónia, Marek Belka, se possa vir a demitir do cargo. A moeda polaca cedia 0,4%, uma tendência que, num período mais dilatado, poderá afec

Ricardo Domingos rdomingos1@gmail.com 02 de Março de 2005 às 15:28

O zloty polaco recuou contra o euro pelo segundo dia consecutivo devido a especulação de que o primeiro ministro da Polónia, Marek Belka, se possa vir a demitir do cargo. A moeda polaca cedia 0,4%, uma tendência que, num período mais dilatado, poderá afectar as vendas de empresas como a Jerónimo Martins e a Mota-Engil naquele território.

O primeiro ministro, de 53 anos, poderá fazer um anúncio político «significativo» amanhã, noticiou hoje a agência PAP, sem citar fontes.

O partido mais votado, a Aliança Democrática (SLD) exigiu a Belka que esclareça se se vai manter no partido ou se vai aderir a um outro recentemente criado.

«As pessoas estão nervosas em relação ao anúncio (de Barek previsto para amanhã) e às implicações que o mesmo pode ter na volatilidade política e, por isso, estão a sair do zloty», afirmou à Bloomberg Dwyfor Evans, estratega cambial no Bank of America em Londres.

«É altamente provável que Belka diga que quer aderir ao novo partido político», acrescentou o especialista.

O zloty recuou um máximo de 0,67% contra o euro para negociar nos 3,9416. No fecho da sessão de ontem, um euro comprava 3,9155 zlotys.

Evans estima que o zloty possa vir a cair para os 4,13 por cada euro no final de 2005.

«Isto pode querer dizer que estamos no limiar de eleições antecipadas e eleições antecipadas significam que não haverá mais reforma fiscal»», o que pode afectar as perspectivas de crescimento económico na Polónia e enfraquecer o zloty.

Queda do zloty penaliza empresas nacionais na Polónia

Se a queda do zloty se concretizar para o nível antecipado por Evans, a actividade económica de empresas como a construtora Mota-Engil [EGL] ou a distribuidora Jerónimo Martins [jmar].

A empresa liderada por Luís Palha anunciou vendas preliminares de 3,5 mil milhões de euros em 2004, um valor 3,6% do registado em 2003. Deste total, mais de mil milhões de euros foram gerados na Polónia, onde a empresa opera a maior cadeia de desconto do país, a Biedronka.

Ao longo de 2004, a moeda polaca esteve em queda de 1% a 5% na primeira metade do ano, tendo encetado uma recuperação ao longo do segundo semestre o que lhe permitiu acumular um ganho de 15% contra o euro no final do ano passado, altura em que cada euro comprava 4,0654 zlotys.

Apesar da subida encetada na segunda metade do ano passado, a cotação do zloty afectou os resultados da Jerónimo Martins.

«A valorização do ‘zloty’ ocorrida durante os últimos meses de 2004 não foi suficiente para que o crescimento em moeda local no acumulado do ano tivesse o mesmo impacto em euros», afirmou a dona da Biedronka no comunicado relativo às vendas de 2004, divulgado no início deste ano.

O Banco Comercial Português (BCP) [bcp] também tem actividades na Polónia, apesar dos resultados do Bank Millennium, detido a 50% pelo banco nacional, terem um peso muito reduzido nas contas totais da instituição liderada por Jardim Gonçalves.

As acções da Jerónimo Martins seguiam nos 10,95 euros, a subir 0,64%. Os títulos da Mota-Engil subiam 1,3% para os 2,34 euros, enquanto o BCP recuava 0,93% para os 2,12 euros.

Outras Notícias
Publicidade
C•Studio