Educação 2ª fase de acesso: aeroespacial no pódio, mas outra engenharia tem 19,6

2ª fase de acesso: aeroespacial no pódio, mas outra engenharia tem 19,6

Engenharia e Gestão Industrial fica em primeiro lugar, num concurso que colocou mais de 9 mil estudantes
2ª fase de acesso: aeroespacial no pódio, mas outra engenharia tem 19,6
Correio da Manhã
Sábado 26 de setembro de 2019 às 00:09

Na segunda fase de acesso ao ensino superior, apenas um candidato conseguiu entrar em Engenharia e Gestão Industrial na Universidade do Porto. Mas apresentou-se com a média mais alta desta fase (195,8), relegando outra engenharia (Aeroespacial, no Instituto Superior Técnico e que registara a nota mais alta na primeira fase do concurso) para o segundo lugar. Ainda assim, o último dos dois candidatos que conseguiram entrar nesta faculdade lisboeta teve 194,5, de média final. E o Técnico fecha aliás o pódio, com os 194,3 valores em Engenharia Física e Tecnológica.

A média mais alta a Medicina foi na Nova de Lisboa (que colocou três candidatos, o último deles com 193,3 valores), seguem-se o Instituto de Ciências Médicas Abel Salazar (dois candidatos, 193,7 valores) e a Universidade do Porto (um candidato colocado com nota de 192,3). Nos nove cursos de Medicina no País, não sobraram vagas para uma terceira fase. 

Nesta segunda fase de acesso ao ensino superior, cujos resultados são divulgados esta quinta-feira no site da Direção Geral do Ensino Superior (DGES), ficaram colocados 9.274 estudantes dos 18.195 candidatos. 



Ficaram 4.583 vagas por ocupar. Mas caberá agora às instituições de ensino superior decidirem se, para cada um dos seus cursos, abrem uma terceira fase do concurso e quantas vagas disponibilizarão. Essas novas vagas serão conhecidas a 3 de outubro, também no site da DGES. 

Negativas garantem entrada
Noventa e cinco foi a nota de entrada do último dos quinze candidatos de Serviço Social, ou os dez de Terapia Ocupacional, ambos cursos do Politécnico de Beja. Esta foi também a nota de Gestão (em pós-laboral) no Politécnico de Bragança, Comunicação Multimédia, Contabilidade, ambos na Guarda, Gestão (em regime noturno) em Viana do Castelo, Imagens Médicas e Radioterapia (Castelo Branco), Biologia Humana na Universidade de Évora. 

A fechar as candidaturas com menos de dez, estiveram também os quinze estudantes que entraram em Reabilitação Psicomotora na Universidade de Trás-os-Montes. O último dos colocados teve 99,6, a mesma nota do último de nove a entrar em Turismo e Lazer no Politécnico da Guarda. E 99 foi a nota de candidatura do último de 12 a entrar em Ciências Biomédicas Laboratoriais no Politécnico de Bragança.  




pub

Marketing Automation certified by E-GOI