Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Colégios privados entregam 50 mil cartas a António Costa para manter financiamento

Cerca de meia centena de pais, professores e encarregados de educação de escolas particulares e cooperativas deixaram hoje mais de 50 mil cartas na residência do primeiro-ministro a pedir a manutenção do financiamento.

Correio da Manhã
Lusa 09 de Maio de 2016 às 14:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

Em quatro carrinhos de mão, em várias caixas de papel, ou mesmo ao colo, professores, pais e funcionários entregaram hoje metade das cartas que conseguiram recolher para pedir ao Governo que anule o despacho que veio definir que só serão financiadas as escolas nas zonas onde não existe oferta pública ou, existindo esta oferta, mantém-se apenas o financiamento das turmas até que estes alunos acabem o ciclo de ensino que actualmente frequentam.

 

José Silva, representante da associação de pais da Escola Didaxis em São Cosme, Famalicão, é um dos manifestantes que critica a actuação do Ministério da Educação, acusando de querer "rasgar o contrato assinado no ano passado", que estabeleceu o financiamento das escolas particulares e cooperativas por um período de três anos.

 

A Cooperativa Didaxis tem cerca de 3.330 alunos que frequentam entre o 5.º e o 12.º ano.

 

Segundo José Silva, o fim do apoio estatal obrigará os alunos a mudarem-se para uma escola pública "que fica a 12 quilómetros de distância".

 

Funcionários e professores lembram ainda que o corte no financiamento "irá pôr em causa muitos postos de trabalho", contou à Lusa Francisco Assis, professor há 33 anos na Didaxis.

 

"A nossa intenção não é avançar com processos judiciais, a nossa intenção é chegar a um acordo", sublinhou Francisco Assis.

 

Funcionários, professores e representantes da associação de pais dos Salesianos de Manique também estão presentes no protesto.

 

"A escola é só uma, mas estamos a viver um momento de professores contra professores e escolas contra escolas", lamentou a professora dos Salesianos de Manique Ana Simões.

 

A docente explica que os alunos são escolhidos para aquela escolha através de "uma central de matrículas de acordo com critérios do Ministério da Educação", garantindo que não escolhem os alunos e que existem "muitos estudantes de bairros sociais".

 

A concentração começou às 11:00, em frente ao Palácio de São Bento, e a entrega das cartas demorou cerca de meia hora.

 

Por volta do meio-dia, uma delegação foi recebida pelo assessor para os Assuntos Económicos.

 

Ver comentários
Saber mais Escola Didaxis São Cosme Famalicão Ministério da Educação Cooperativa Didaxis Francisco Assis Colégios privados
Mais lidas
Outras Notícias