Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Costa defende provas de aferição e ataca modelo de escola selectiva

António Costa defendeu que as novas provas de aferição no ensino básico permitem uma intervenção em tempo útil para recuperar alunos e criticou o anterior modelo de escola exclusiva e de selecção.

António Costa: não foi por ter chegado a primeiro-ministro que o ano de 2015 é de Costa. É pela forma como lá chegou. Pela habilidade negocial e pelo arrojo com que o fez. António Costa driblou todos os seus adversários e mesmo sofrendo mais golos do que os marcados foi ele que levou a taça.
Reuters
Lusa 09 de Janeiro de 2016 às 20:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

António Costa respondeu à controvérsia em torno do fim dos exames nos quarto e sexto anos do básico na sua intervenção perante a Comissão Nacional do PS, sustentando então a tese de que os socialistas têm uma visão diferente sobre a função da escola pública em relação à dos partidos do anterior executivo, o PSD e o CDS-PP.

"Não acabamos com os exames só para acabar com os exames, mas porque temos uma visão diferente sobre a função da escola. A função da escola não é excluir ou selecionar, mas incluir, transmitir conhecimentos e dar oportunidades a todos de poderem adquirir conhecimentos e com isso realizarem-se na sua vida", contrapôs.

Em defesa da política seguida pelo seu executivo, o líder socialista referiu que com a existência de provas de aferição, em alternativa aos exames nos quarto e sexto anos, visa-se por um lado avaliar o funcionamento da escola.

"Mas, por outro lado, visa-se também avaliar a situação de cada um dos alunos para que se possa intervir em tempo útil, de forma a aproveitar a informação obtida para recuperá-los em caso de necessidade. Por isso, a realização do exame no quarto ano, por exemplo, não serve para nada, mas uma prova de aferição no segundo ano é essencial para conhecer o trabalho que é necessário fazer com aquela criança para, eventualmente, a poder recuperar nos terceiros e quarto anos se isso for necessário relativamente às matérias em que se encontre atrasado", disse.

Neste contexto, Costa reforçou que para o Governo "a escola é um instrumento de inclusão e de formação e um factor fundamental de elevação social".

"Por isso, queremos uma escola pública para todos, de qualidade, e não uma escola pública de exclusão daqueles que não tiveram oportunidade de alcançar os melhores resultados. Não queremos deixar ninguém para trás", acentuou.

Ver comentários
Saber mais António Costa Governo educação
Outras Notícias