Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Estudantes refugiados vão ter propinas e apoios iguais aos portugueses

A garantia de acesso integral à acção social, incluindo bolsas de estudo, coloca Portugal "numa posição de liderança no apoio" a estes alunos, que terão também "regras especiais" de acesso ao Ensino Superior.

Paulo Duarte
António Larguesa alarguesa@negocios.pt 06 de Agosto de 2018 às 11:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

Os estudantes internacionais a quem seja atribuído o estatuto de estudante em situação de emergência por razões humanitárias vão pagar as mesmas propinas, taxas e emolumentos que os estudantes portugueses e podem também beneficiar de todos os apoios previstos no âmbito da acção social, incluindo a atribuição de bolsas de estudo.

 

Em termos de acesso ao Ensino Superior, a estes estudantes refugiados vão aplicar-se as "regras especiais" que já existem para os designados alunos internacionais. O acesso a licenciaturas e mestrados integrados faz-se de acordo com um concurso especial, enquanto o ingresso em cursos técnicos superiores profissionais, mestrados e doutoramentos tem as regras definidas pela instituição de ensino.

 

Num diploma publicado em Diário da República esta segunda-feira, 6 de Agosto, o Governo destaca que o acesso integral à acção social coloca o país "numa posição de liderança no apoio" a estes estudantes provenientes de países ou regiões que atravessam "uma situação reconhecida de conflito armado, de desastre natural, de violência generalizada ou de violação de direitos humanos de que resulte a necessidade de uma resposta humanitária".

 

Frisando a importância de "remover os constrangimentos legais actualmente existentes ao acolhimento" destes estudantes, este decreto de lei com aplicação imediata, assinado pelos ministros Augusto Santos Silva (Negócios Estrangeiros) e Manuel Heitor (Ensino Superior) aconselha ainda as universidades a adoptar iniciativas para promover a integração académica e social destes alunos, "nomeadamente nos domínios da língua, da cultura, da ciência, da tecnologia e do desporto".

Segundo o Gabinete Europeu de Apoio em Matéria de Asilo, Portugal é um dos países europeus menos procurados pelos requerentes de asilo, com menos de 100 pedidos por mês registados durante este ano. Em 2017 já tinha sido o oitavo país da União Europeia com menos solicitações (1.752) o que supõe uma média de 146 e compara com 12 a 15 mil que são recebidas todos os meses pela Alemanha.

Ver comentários
Saber mais educação ensino superior estudantes refugiados propinas acção social bolsa de estudo internacionalização governo augusto santos silva manuel heitor
Outras Notícias