Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Estudo conclui que JP Morgan e Citigroup contribuíram para a falência do Lehman

Um relatório encomendado por tribunal norte-americano indica que as exigências de mais e melhor capital, pelo Citigroup e JP Morgan ao Lehman Brothers, terão contribuído para a queda do banco de investimento que protagonizou a maior falência da hstória dos Estados Unidos.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 12 de Março de 2010 às 08:04
  • Partilhar artigo
  • ...
Um relatório encomendado por tribunal norte-americano indica que as exigências de mais e melhores garantias, pelo Citigroup e JP Morgan ao Lehman Brothers, terão contribuído para a queda do banco de investimento que protagonizou a maior falência da história dos Estados Unidos.

Ontem foi entregue no Tribunal Federal de Manhattan um relatório de 2,2 mil páginas acerca da falência do Lehman Brothers, que detinha ctivos no valor de 639 mil milhões de dólares. Esta foi a maior falência da história empresarial dos Estados Unidos.
“As exigência de garantias dos credores do Lehman tiveram impacto directo na liquidez do banco”, diz o examinador da falência do banco Anton Valukas no documento apresentado ontem e citado pela Bloomberg. “A liquidez do Lehman é uma questão central para a sua falência.”

Segundo o mesmo documento o antigo CEO do banco, Dick Fuld, foi “no mínimo grosseiramente negligente”, segundo escreveu Valukas. O antigo CFO Erin Callan, o ex-vice presidente Ian Lowitt e o antigo administrador Christopher O’Meara apresentaram certificados enganadores acerca das finanças do banco.

No que diz respeito à compra da firma de corretagem norte-americana do Lehman Brothers pelo Barclays Capital, o relatório diz que uma “quantidade limitada de activos” que pertenciam ao Lehman Brothers foram “inapropriadamente transferidos para o Barclays”.

A porta-voz do Citigroup Danielle Romero-Apsilos disse por e-mail à Bloomberg que está a rever o relatório e que “não identificou praticas erradas da parte do Citigroup”. Os responsáveis do JP Morgan e do Barclays não responderam à agência noticiosa.

Ver comentários
Outras Notícias