Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo extingue modelo de contratação de professores

O Ministério da Educação esclareceu a agência Lusa que vai acabar no próximo ano lectivo com a contestada Bolsa de Contratação de Escolas (BCE).

Bruno Simão/Negócios
Lusa 06 de Janeiro de 2016 às 10:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

"O Ministério da Educação entende que este modelo claramente não funcionou", refere o ministério no esclarecimento, salientando que a "média de espera para contratação de um professor é de 21 dias".

 

No esclarecimento, o Ministério da Educação refere também que um modelo mais eficaz deverá ser encontrado em "sede negocial" para "valorizar a função docente".

 

Em reacção à decisão anunciada, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) sublinhou, em comunicado, que o fim da BCE "deverá levar a que, finalmente, toda a contratação respeite regras transparentes e justas que só o concurso nacional, assente na graduação profissional, pode garantir".

 

A Fenprof relembra que sempre defendeu um "concurso único" e de "âmbito nacional" para a contratação de docentes e com base na sua graduação profissional.

 

A federação "aguarda agora o início das negociações, nas quais aproveitará para apresentar ao Ministério da Educação propostas de alteração relativas a outros aspectos do regime de concursos", refere.

 

A BCE começou a ser aplicada pela primeira vez em 2014 como forma de colocação de professores contratados nas escolas consideradas Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) e nas escolas com contrato de autonomia.

 

A dificuldade em confirmar a veracidade dos dados apresentados pelos professores, nas suas candidaturas, contribuiu para atrasar o processo de colocação.

 

O ministro da Educação, Nuno Crato, assumiu no parlamento, em Setembro de 2014, que o processo de colocações de professores nas escolas pela primeira BCE tinha erros matemáticos na fórmula de cálculo das listas ordenadas, pelos quais pediu desculpa a pais, alunos, deputados e ao país.

 

Os erros acabariam por obrigar a anular este concurso, a refazer a lista e a corrigir colocações, que deixaram muitos professores, inicialmente colocados, sem um lugar nas escolas, e motivaram atrasos de meses na colocação de docentes, deixando milhares de alunos sem aulas a várias disciplinas.

 

Para o ano lectivo de 2015/16, as candidaturas à Bolsa de Contratação de Escola (BCE) abriram em Julho e os professores contratados candidataram-se a um lugar nas escolas consideradas de intervenção prioritária ou com contratos de autonomia.

Ver comentários
Saber mais Ministério da Educação Federação Nacional dos Professores Bolsa de Contratação de Escola Territórios Educativos de Intervenção Fenprof
Outras Notícias