Emprego João Vieira Lopes: "Não nos vamos sujeitar a um acordo de rendimentos sem equilíbrio"

João Vieira Lopes: "Não nos vamos sujeitar a um acordo de rendimentos sem equilíbrio"

Dececionado com a proposta de Orçamento do Estado e sem medidas fiscais que vão ao encontro do exigido pelos patrões, o líder da Confederação do Comércio e Serviços (CCP) recusa a "pressa" do Governo para chegar a acordo sobre um referencial de subida de salários generalizada no privado.
A carregar o vídeo ...
Susana Paula Rosário Lira 19 de janeiro de 2020 às 12:00
O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) diz que não vai aceitar a "pressa" do Governo para fechar o referencial para a subida de salários, defendendo um acordo que tenha um equilíbrio de interesses. 

Em entrevista ao Negócios e à Antena 1, João Vieira Lopes começou por se mostrar "dececionado" com a proposta de Orçamento do Estado que, apesar de incorporar algumas das reivindicações da CCP - como mexidas nas tributações autónomas -, "não dá uma grande contribuição para o investimento".

João Vieira Lopes lembrou que a CCP exigiu que o Governo apresentasse na proposta de Orçamento do Estado um "primeiro sinal" para a discussão do acordo de competitividade e rendimentos - que prevê a definição de um referencial para a subida generalizada dos salários no privado.

Mas dadas as insuficiências do Orçamento, o líder da CCP mostrou-se "muito cético" em relação à viabilização do acordo, porque "definir plafonds de crescimento salarial transversais é extremamente difícil". Além disso, é necessário que o Governo "contribua com a sua parte", o que não aconteceu na proposta de orçamento para 2020.

Sem a garantia da introdução das medidas fiscais necessárias, e dado que quando a concertação social se voltar a reunir, no próximo dia 28 de janeiro (no dia seguinte ao prazo limite para a entrega de propostas de alteração), "o orçamento estará praticamente fechado", João Vieira Lopes admite que não seja possível viabilizar o acordo este ano. No entanto, deixa a porta aberta a consensos futuros. 

"Queremos um bom acordo e, por isso, não nos vamos sujeitar a prazos [do Governo] sem um equilíbrio de interesses e da viabilidade da sua concretização. Não faz sentido assinar um acordo até março para depois ter um conjunto de medidas que só se aplicam em 2021", defendeu.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI