Emprego Os salários vão subir em 2018?

Os salários vão subir em 2018?

Aumento do salário mínimo, regresso das progressões na Função Pública e descida do IRS vão ajudar a subir salários líquidos. Estudo da Mercer a 333 empresas, a maioria multinacionais, antecipa aumentos de 2% em 2018.
Os salários vão subir em 2018?
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 29 de dezembro de 2017 às 11:00

Com o aumento do salário mínimo a chegar a 800 mil trabalhadores, as progressões a abranger mais de  metade dos funcionários públicos, o desemprego a baixar e o IRS a descer é razoável prever que, se não trouxer grandes surpresas, 2018 seja um ano de aumento de salários.
As carreiras do Estado vão voltar a evoluir no próximo ano, depois de sete anos de congelamento. Como as regras dependem de caso para caso, nem todos irão ter uma subida de vencimento. O descongelamento abrange 400 mil funcionários em 2018, segundo o Governo, mais de metade do total. A reposição do valor das horas extraordinárias e das convenções colectivas também liberta rendimentos.

Depois de dois anos consecutivos a subir 5%, o salário mínimo vai aumentar 4,1% em Janeiro, para os 580 euros brutos, o que o Executivo espera que beneficie 800 mil pessoas.

Globalmente, o rendimento líquido dos trabalhadores por conta de outrem deverá melhorar com as novas tabelas de retenção na fonte, que deverão reflectir a descida do IRS em praticamente todos os escalões. A carga fiscal baixa para quem está entre o segundo e parte do sexto escalão e é alargado o universo de trabalhadores isentos. A sobretaxa desaparece, beneficiando rendimentos médios e altos.

Os duodécimos deixam de se aplicar a funcionários e trabalhadores do privado que não tenham acordos individuais ou sectoriais que determinem o contrário, o que pode reduzir rendimento em Janeiro, mas não altera o valor anual.

Difícil é antecipar o grau de contágio de medidas como o aumento do salário mínimo aos restantes salários do privado. Se é certo que a dinâmica da contratação colectiva provoca geralmente um efeito de arrastamento, ainda não é certo que essa dinâmica tenha recuperado o seu comportamento tradicional.

De acordo com um estudo da consultora Mercer, os aumentos salariais rondaram os 2% em 2017, "o valor mais elevado registado nos últimos anos". E a avaliar pelas conclusões de uma análise a 333 empresas com 155 mil trabalhadores no mercado português – a maioria multinacionais – os incrementos salariais projectados para 2018 também rondam os 2%, sendo "ligeiramente mais para funções de topo e menos para as funções de menor responsabilidade". A inflação deverá rondar 1,5%.

"Com a descida acentuada do desemprego, os salários terão uma pressão a subirem" até para reter recursos, explica Tiago Borges, responsável da área de "Rewards" da Mercer. "Essa subida será, ainda assim, limitada para não comprometer a competitividade" e "estará sempre condicionada à manutenção da actual conjuntura económica positiva", acrescenta.
    
O estudo aponta para uma quebra no número de empresas que congelam salários. Mas "apesar dos incrementos salariais, a entrada de novos profissionais no mercado a aceitarem níveis de remuneração inferiores continua a pressionar os salários reais em praticamente todos os níveis de responsabilidade", lê-se nas conclusões.

Como sobem os salários

As decisões do Governo pressionam os salários em alta: aumento do salário mínimo, descongelamento de progressões no Estado e alívio do IRS.

Salário mínimo sobe 4,1%
O salário mínimo vai chegar aos 580 euros brutos em Janeiro, num aumento de 4,1% que se segue a dois aumentos consecutivos de 5%. De acordo com as estimativas apresentadas pelo ministro do Trabalho, Vieira da Silva, na semana passada, a decisão deverá abranger 800 mil trabalhadores.

Funcionários voltam a ter progressões
O Governo não deu aumentos generalizados à Função Pública, mas desbloqueou as progressões. Há quem progrida e quem fique na mesma. De acordo com as estimativas do Governo, são cerca de 400 mil os abrangidos, mais de metade do total. Horas extraordinárias e convenções colectivas também são repostas.

Descida do iRS aumenta salários líquidos
A carga fiscal vai descer para quem está entre o segundo e parte do sexto escalão. As isenções são alargadas e a sobretaxa desaparece de vez para rendimentos altos. Os trabalhadores por conta de outrem deverão sentir parte destes efeitos ao longo de 2018. Os independentes só em 2019.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI