Lei Laboral Mota Soares destaca vantagens na possibilidade de alargar estágios profissionais para 12 meses

Mota Soares destaca vantagens na possibilidade de alargar estágios profissionais para 12 meses

O ministro do Emprego considera que a possibilidade do alargamento por três meses, até um total de um ano, poder servir para melhorar a qualidade dos estágios profissionais e a colocação das pessoas no mercado de trabalho.
Mota Soares destaca vantagens na possibilidade de alargar estágios profissionais para 12 meses
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 25 de julho de 2014 às 14:27

À margem do II Fórum Internacional de Emprego Público, que termina esta sexta-feira, 25 de Julho, em Espanha, Pedro Mota Soares notou que o novo quadro legal "acolheu muitas das medidas solicitadas pelos parceiros sociais".

 

"Conseguimos garantir que em casos que tenham a ver com a empregabilidade, nomeadamente dos trabalhadores mais jovens, em casos que tenham a ver com a própria qualidade dos estágios, os estágios profissionais possam ter uma prorrogação de nove para 12 meses", afirmou o governante à agência Lusa, em declarações telefónicas.

 

Este prolongamento do prazo serve para garantir a melhoria da "qualidade do estágio", "a colocação das pessoas no mercado de trabalho" e avalizar que um estágio profissional é uma "porta de entrada no mercado de trabalho".

 

Em vigor a partir de hoje, uma alteração legal à portaria sobre as recomendações do Conselho Europeu para os estágios registou que a lei portuguesa "até esta data não respeita um dos princípios enunciados", ou seja "a duração razoável".

 

A recomendação é que, por princípio, o estágio não exceda os seis meses, mas pode haver justificações para serem mais longos "tendo em conta as práticas nacionais", acrescentando o diploma que "actualmente a duração dos Estágios-Emprego está fixada, em regra, nos 12 meses".

 

Entre os argumentos para defender maiores ou menores períodos de estágio em Portugal, o texto da portaria citou avaliações acerca dos estágios de nove meses, que já foram regra, mostraram "efeitos muito positivos na empregabilidade dos seus beneficiários", e que poderá haver "riscos em matéria de qualidade de estágios" se houver restrição a seis meses.

 

"Neste contexto, considera-se que a duração dos Estágios-Empego deverá, em regra, ser fixada em nove meses, reduzindo-se também a duração máxima admissível no regime especial de projectos de interesses estratégicos". Casos específicos podem manter os 12 meses de estágio.

 

Hoje também entra em vigor a medida Estímulo Emprego com o apoio financeiro aos empregadores privados, segundo o diploma, a deixar de estar "indexado ao montante da retribuição mensal do trabalhador, embora não podendo ultrapassar determinados montantes do IAS (Indexante dos Apoios Sociais), como sucede nas medidas Estímulo 2013 e Apoio à Contratação via Reembolso da TSU (Taxa Única Social)".

 

Esta nova medida reduz ou elimina para alguns casos o período mínimo de inscrição no Instituto de Emprego e de Formação Profissional para "reforçar a capacidade de intervenção precoce".

 

Relativamente ao Fórum Internacional, o governante lembrou que a criação de emprego é uma das "maiores dificuldades e desafios à escala da União Europeia" e que os países da Península Ibérica foram os únicos, no sul da Europa, a registarem uma descida no desemprego "há 16 meses consecutivos e com significado".

 

Mota Soares enumerou medidas nacionais como o programa garantia jovem, assim como decisões na área da qualificação que tiveram impacto na taxa de desemprego jovem no País.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI