Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo adia compromissos sobre o salário mínimo

O Governo não abriu o jogo sobre o que pretende fazer com o salário mínimo nacional. Grupo de trabalho volta a reunir-se na próxima semana e o debate deverá estender-se pelo menos até ao final do mês.

Bruno Simão/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...

Apesar da crescente pressão dos sindicatos, o Governo saiu esta terça-feira da reunião de concertação social sem querer assumir qualquer compromisso concreto sobre a actualização do salário mínimo nacional.

 

À saída do encontro, convocada para discutir outras matérias, mas muito marcado pelas constantes reivindicações dos sindicatos, o ministro Pedro Mota Soares (na foto) anunciou apenas que a questão vai voltar a ser discutida numa reunião de um grupo de trabalho marcada para a próxima quarta-feira, dia 17.

 

A UGT referiu que o Governo se mostrou disponível para aumentar o salário mínimo nacional ainda este ano, informação que não foi confirmada nem desmentida pelo ministro Pedro Mota Soares.

 

"Eu tenho um princípio: à mesa da negociação falo com os parceiros sociais, não falo através da comunicação social. Esse diálogo com os parceiros sociais continua a ser feito. Temos na próxima semana nova reunião com os parceiros sociais", justificou o ministro, salientando que nem todos os parceiros sociais entregaram ao Governo os contributos solicitados.

 

Os sindicatos mostraram impaciência com o ritmo de diálogo do Governo. Para a CGTP, o Governo "está a protelar" uma discussão que já se arrasta desde Janeiro de 2011. Para a UGT, trata-se de "empurrar a questão com a barriga".

 

De acordo com Carlos Silva, da UGT, depois da reunião do grupo de trabalho marcada para a próxima semana, ainda haverá uma reunião de concertação social no dia 30 de Setembro, informação que o Governo não confirmou.

 

Se assim for, o debate prosseguirá pelo menos até ao final do mês.

 

Todos os cenários que constavam de um estudo do Governo, em Maio, apontavam para uma subida para 500 euros.

Ver comentários
Saber mais Governo Pedro Mota Soares UGT CGTP Carlos Silva política trabalho
Outras Notícias