Europa Conte deverá ser o próximo primeiro-ministro de Itália

Conte deverá ser o próximo primeiro-ministro de Itália

A escolha do 5 Estrelas e da Liga recaiu sobre um professor de direito da Universidade de Florença.
Conte deverá ser o próximo primeiro-ministro de Itália
EPA
Nuno Carregueiro 20 de maio de 2018 às 19:00

Depois de terem fechado o acordo sobre o programa do próximo Governo, os líderes do 5 Estrelas e Liga também já se entenderam sobre quem será o chefe do Executivo. O nome ainda não é oficial, mas os media italianos adiantam que a escolha recaiu sobre Giuseppe Conte.

 

Matteo Salvini, líder da Liga, revelou este domingo que já chegou a acordo com Luigi Di Maio sobre quem será o próximo primeiro-ministro italiano, que será apresentado aopresidente Sergio Mattarella na segunda-feira.

 

Sem revelar os nomes que vão integrar o próximo governo, Salvini disse apenas que são "inesperados" e deixou a garantia que ele próprio e Di Maio não serão os chefes do Governo.

 

Esta tarde o "Corriere della Sera" revelou que a escolha recaiu sobre Giuseppe Conte, um professor de direito da Universidade de Florença, de 54 anos, que é próximo do 5 Estrelas (partido mais votado nas eleições) e era já apontado para membro de um governo liderado por este partido.

 

Têm sido vários os nomes apontados para o cargo de primeiro-ministro, mas o de Conte está agora a ser citado por vários jornais (como o Il Mesagero, Il Sole 24 Ore e La Republlica) depois de Salvini ter anunciado que a escolha já tinha ficado fechada.   

 

Também a escolha para o cargo de ministro das Finanças parece estar já fechada, com o Messagero a apontar o nome de Salvatore Rossi, director do Banco de Itália, como a escolha mais provável.

 

Segundo o Corriere, Salvini deverá ser o próximo ministro do Interior, enquanto o partido de Di Maio ficará com as pastas da Economia e do Trabalho.

 

Salvini responde a França  

 

Matteo Salvini considerou hoje "inaceitáveis" as advertências do ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, sobre a importância do respeito dos compromissos de Itália para a estabilidade do euro.

 

"Um ministro francês 'advertiu' o futuro governo: não mudem nada ou terão problemas. Mais uma invasão de terreno inaceitável", escreveu Salvini no Twitter.

 

"Não pedi os votos e a confiança para continuar na via da pobreza, da precariedade e da imigração. Os italianos primeiro!", acrescentou, citado pela Lusa.

 

"Os franceses que tratem de França e não metam o nariz nos assuntos dos outros", disse também a jornalistas junto a um dos postos que o partido instalou por todo o país para que os simpatizantes se pronunciem sobre o acordo de coligação com o Movimento 5 Estrelas.

 

Os dois partidos anunciaram na sexta-feira um "contrato de governo" que rejeita a austeridade e as "ordens" de Bruxelas e promete "firmeza" na luta contra a corrupção, o crime e a imigração.

 

Reagindo a princípios enunciados nesse contrato, o ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, advertiu hoje que a estabilidade da zona euro seria "ameaçada" se o próximo governo de Itália não respeitar os compromissos do país em relação à dívida e ao défice.

 

"Se o novo governo italiano assumir o risco de não respeitar os seus compromissos sobre a dívida, o défice e ao saneamento da banca, é toda a estabilidade da zona euro que é ameaçada", disse o ministro francês numa entrevista difundida pela rádio Europe 1.

 

"Todos em Itália devem compreender que o futuro de Itália é na Europa e não em qualquer outro lado e que, para que esse futuro seja na Europa, há regras a respeitar", disse Le Maire.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI