Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Economia da Grécia afunda 7,2% no trimestre e agrava recessão

O PIB da Grécia registou, no terceiro trimestre, a maior contracção deste ano. Foi o 17º trimestre consecutivo de queda da economia helénica. Recessão pode continuar a aprofundar-se.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 14 de Novembro de 2012 às 13:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
A economia grega recuou 7,2% no terceiro trimestre do ano, um número que, além de representar uma maior queda do que no trimestre anterior, aponta para uma recessão pior do que a antecipada.

O produto interno bruto (PIB) da Grécia cedeu, a preços constantes, 7,2% no trimestre em termos homólogos, uma maior quebra do que a descida de 6,3% no segundo trimestre e de 6,7% nos primeiros três meses do ano, de acordo com os dados divulgados hoje, quarta-feira, pelo instituto de estatísticas da Grécia.

O número acaba por “colocar em dúvida” a previsão oficial do Ministério das Finanças helénico de 6,5% para todo o ano, segundo escreve, na sua versão internacional, o jornal grego “Kathimerini”. A Comissão Europeia antecipa uma quebra de 6% do PIB em 2012, a que se vai seguir uma contracção de 4,2% no ano seguinte.

A contracção entre Junho e Setembro deste ano é, portanto, a mais grave desde o último trimestre de 2011 e representa o 17º trimestre consecutivo em que a economia grega está a contrair.

“Penso que a recessão vai continuar a agravar-se até à primeira metade de 2013, devido à implementação de todos os cortes. Se, este ano, não tivéssemos tido um bom desempenho no turismo, a recessão seria muito mais profunda”, declarou à agência Reuters o responsável de serviços de investimento da Marfin Egnatia, Xenophon Damalas.

A declaração do analista refere-se à aprovação, na semana passada, de um pacote de austeridade de 13,5 mil milhões de euros acordado pelo governo de Antonis Samaras, depois de vários anos em que a austeridade tem tido impacto no crescimento económico do país.

No início desta semana, os ministros das Finanças da Zona Euro aprovaram a extensão, em dois anos, do prazo para que Atenas cumpra a meta de um défice orçamental de 2%. Contudo, ainda não há decisão sobre a libertação da próxima parcela dos pacotes de ajuda externa que o país está a receber no valor total de 240 mil milhões de euros. O resgate internacional foi solicitado, por duas vezes, com a indicação de que iria evitar o incumprimento da dívida. A Grécia tem o maior volume de dívida da Zona Euro e os esforços para a diminuir têm danificado a economia.


Ver comentários
Saber mais Grécia Atenas recessão austeridade
Outras Notícias