Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Guindos "já tem candidatos" para o Banco de Espanha

O ministro da Economia de Espanha apontou que "já tem candidatos" para suceder Miguel Ordoñez. Contudo, o governante fala em "consenso" quanto à escolha do próximo título da autoridade monetária espanhola.

Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 21 de Maio de 2012 às 15:26
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Luís de Guindos (na foto com Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo), ministro da Economia de Espanha, apontou que o Banco de Espanha é uma “instituição de máximo prestígio” e que a “reputação” da instituição “está lá, além das pessoas”.

O ministro, que marcou presença num fórum organizado pelo jornal espanhol “Cinco Días”, estava a referir-se, de forma indirecta, às críticas que têm sido feitas à instituição liderada por Miguel Ordoñez na gestão da crise financeira.

No passado dia 11 de Maio, o jornal “El País” titulava: “Golpe para o Banco de Espanha” em reacção à decisão tomada pelo governo de Madrid de "atribuir a duas entidades independentes a auditoria dos balanços dos bancos, tal como era exigido por Bruxelas".

Na altura, em conferência de imprensa, o porta-voz do governo espanhol explicou que esta medida visa "dissipar qualquer tipo de dúvida". Todavia, e também naquela altura, a vice-presidente do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, recusou-se a avaliar a gestão do governador do Banco de Espanha, Miguel Ordoñez. Contudo, sobre a continuidade do governador no cargo, a governante afirmou apenas que “o mandato [de Ordoñez] tem um prazo que está prestes a terminar".

No que diz respeito ao substituto de Ordoñez, esta manhã, o ministro da Economia sinalizou apenas, de acordo com o “Cinco Días”, que “gostaria de recuperar o consenso” que foi quebrado quando o PSOE nomeou o ainda Governador sendo que, o responsável considera que “é daí que surgem alguns dos problemas”.

Guindos apontou que “já tem candidatos” e que serão privilegiadas as “qualificações profissionais” de cada um no processo de escolha. Uma escolha consensual seria, para o governante, o cenário preferencial, porém, Guindos sublinhou que não sabe se PSOE “está na disposição” de chegar a acordo.
Ver comentários
Saber mais ministro da Economia de Espanha Miguel Ordonez Luís de Guindos banco de Espanha
Outras Notícias