Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Papandreou quer governo de unidade nacional para manter Grécia no euro

Primeiro-ministro grego admite sair do executivo para facilitar a criação de um governo de coligação. Líder da oposição volta a pedir eleições antecipadas.

Negócios com Lusa 05 de Novembro de 2011 às 11:43
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
O primeiro-ministro grego disse hoje que se vai empenhar ao máximo na formação de um Governo de unidade nacional para demonstrar a vontade da Grécia em permanecer na zona euro.

"Eu farei o meu melhor para formar um Governo de cooperação", disse o George Papandreou, à entrada para a reunião com o Presidente da República, Carolos Papulias, para discutir a formação de um eventual Executivo de unidade nacional.

"A falta de um consenso pode preocupar os nosso parceiros europeus sobre a nossa vontade de permanecer no euro", avisou.

George Papandreou e o Presidente da República, Carolos Papulias, já iniciaram a reunião para preparar a eventual formação do Governo de unidade nacional.

Papandreou fez a proposta sobre Governo de unidade nacional provisório, que se disponibilizou para não liderar, face aos protestos desencadeados pela sua proposta (que acabou por retirar) de levar a referendo segundo resgate europeu alcançado para a Grécia.

"No sábado vou visitar o Presidente da República para que possamos chegar a um acordo sobre a composição de um Governo de consenso e até mesmo sobre a questão de quem o vai dirigir", disse Papandreou no Parlamento.

Esta reunião ao mais alto nível acontece depois de Papandreou ter "sobrevivido", na sexta-feira, a um voto de confiança no parlamento, em que a sua moção de confiança passou com 153 votos contra 145.

Líder da oposição volta a pedir eleições antecipadas

Apesar da intenção de Papandreou de negociar um governo de unidade nacional, o líder do maior partido de oposição na Grécia, Antonis Samaras, reclamou hoje novamente eleições antecipadas.

"As máscaras caíram. O primeiro-ministro rejeitou todas as nossas propostas e tem assim uma enorme responsabilidade, as eleições são a única solução", disse em comunicado Samaras, líder da Nova Democracia.

Com 85 assentos parlamentares, o partido de direita é a maior força da oposição.

O dirigente partidário respondia a um convite de Papandreou para colaborar na formação de um Governo de unidade nacional provisório, com um horizonte de três meses, que vai liderar o país provavelmente até Fevereiro e garantir até 15 de Dezembro os fundos internacionais vitais para pagar as obrigações do Estado helénico.

Antonis Samaras exige a saída de Papandreou e a organização de eleições antecipadas o mais rapidamente possível para ratificar o plano europeu de resgate da Grécia.
Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias