Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PSOE, Podemos e Cidadãos têm primeira reunião a três na quinta-feira

O início das negociações a três entre representantes do PSOE, Podemos e Cidadãos terá lugar na próxima quinta-feira à tarde. Poderá ser a derradeira tentativa de desbloquear o actual impasse político em Espanha.

Reuters
David Santiago dsantiago@negocios.pt 05 de Abril de 2016 às 14:42
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Fontes do PSOE, Podemos e Cidadãos confirmaram esta terça-feira, 5 de Abril, que representantes destes três partidos sentar-se-ão, pela primeira vez, à mesma mesa das negociações já esta quinta-feira, 7 de Abril, a partir das 16:30, em Madrid (15:30 em Lisboa). Esta poderá ser mesmo a última hipótese de ultrapassar o impasse político que vigora em Espanha desde que as eleições gerais de 20 de Dezembro determinaram o Congresso (equivalente à Assembleia da República) mais fragmentado da história democrática espanhola.

 

De acordo com o El País, a chefiar a equipa negocial do Podemos estará o próprio secretário-geral do partido, Pablo Iglesias, mas o mesmo não deverá acontecer com Pedro Sánchez e Albert Rivera, líderes do PSOE e Cidadãos, respectivamente. Nesta primeira oportunidade de negociação conjunta, os três partidos tentarão encontrar uma solução governativa que garanta o suporte parlamentar necessário à investidura de Pedro Sánchez como primeiro-ministro, algo que este falhou nas duas votações já tentadas

 

A importância desde encontro resulta do apertar dos prazos, isto porque se até ao próximo dia 2 de Maio não houver Governo em Espanha, o Rei Felipe VI será obrigado a dissolver as cortes e a agendar novas eleições, em princípio para o dia 26 de Junho.

 

Depois de meses em que tanto o Podemos como o Cidadãos rejeitaram mutuamente envolverem-se em negociações conjuntas, foi a reunião mantida na semana passada entre Sánchez e Iglesias a desbloquear a situação. Beneficiando da, realçada por Sánchez, "mudança de atitude" de Pablo Iglesias, o Podemos aceitou negociar a três com o PSOE e o Cidadãos, isto depois de em Fevereiro ter rompido as negociações com os socialistas na sequência do "acordo de legislatura" firmado entre Pedro Sánchez e Albert Rivera.

 

Mas a tarefa não se afigura fácil. Desde logo porque o Cidadãos apenas aceitou negociar com o Podemos porque o PP do ainda primeiro-ministro em funções, Mariano Rajoy, se recusa a apoiar o pacto PSOE-Cidadãos. Além disso, o Cidadãos pretende que o Podemos viabilize parlamentarmente o acordo assinado com o PSOE, excluindo o partido de Iglesias da governação.

Já Iglesias quer que seja Rivera a apoiar, no Congresso, um Governo das esquerdas, que incluiria a Esquerda Unida (IU, uma força pró-comunista) além do PSOE e do Podemos. Pelo seu lado, Pedro Sánchez, que estabeleceu o pacto firmado com o Cidadãos como base de qualquer eventual acordo de Governo que venha a ser alcançado, tentará fazer tudo por forma a conciliar as divergências daquelas duas forças políticas. Nesta altura, além da crise interna que abalou a solidez do Podemos, o partido de Iglesias sofre também com as notícias hoje avançadas, que dão conta de que o regime venezuelano de Hugo Chánvez terá financiado esta força política com mais de 7 milhões de euros com o objectivo de alargar o "chavismo" a Espanha.

 

Além de o relógio estar a contar, Sánchez sabe que se não conseguir tomar posse como chefe do próximo Executivo, poderá perder a liderança do PSOE para Susana Díaz, actual presidente do Governo da região autonómica da Andaluzia. 

Ver comentários
Saber mais PSOE Podemos Mariano Rajoy Albert Rivera Pedro Sánchez Pablo Iglesias Cidadãos
Outras Notícias