Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

“Sim” à independência na Escócia rende 5 mil milhões de libras a partir de 2030, garante primeiro-ministro escocês

O primeiro-ministro da Escócia garante enriquecimento de 5 mil milhões de libras ao ano em 15 anos, caso o país se emancipe. O Governo britânico contrapõe com 1.400 libras por cidadão ao ano, se o país se mantiver no Reino Unido.

Bloomberg
Negócios 28 de Maio de 2014 às 13:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Com a aproximação do referendo sobre a independência da Escócia face ao Reino Unido, começam-se a fazer contas ao impacto da emancipação do país. O primeiro-ministro escocês, Alex Salmond, líder do partido independentista Partido Nacional da Escócia, acredita que o país pode enriquecer em 5 mil milhões de libras (cerca de 6,17 mil milhões de euros) ao ano, dentro de 15 anos de independência, sem ter de aumentar impostos, noticia o "The Guardian" esta quarta-feira, 28 de Maio.

 

Num documento publicado pelo Governo escocês, Alex Salmond, detalha o impacto positivo que o "sim" à independência no referendo do próximo dia 18 de Setembro teria na economia da Escócia.

 

Do outro lado da fronteira, o secretário de Estado das Finanças, Danny Alexander, assegura que os escoceses terão mais 1.400 libras (cerca de 1.700 euros) ao ano caso rejeitem a independência e optem por permanecer no Reino Unido. "Ao permanecermos unidos, o futuro da Escócia será mais seguro, com finanças mais fortes e uma sociedade mais evoluída", defendeu Alexander. "Esta robustez traduz-se em 1.400 libras ao ano para cada homem, para cada mulher e para cada criança", avançou, citado pelo "The Guardian".

 

No entanto o primeiro-ministro da Escócia assegura que o país tem pleno poder para gerir a sua economia sem intervenções de Londres e que seria 5.000 milhões de libras mais rico ao ano, a partir de 2030, um valor que o secretário de Estado das Finanças do Reino Unido classificou como um "prémio falso".

 

Em Londres, o porta-voz do Ministério das Finanças acredita que estes valores estão a adulterar o ponto central da questão. "Estão a tentar desesperadamente distrair a atenção da população na questão fundamental (...) que é a inexistência dos mesmos recursos disponíveis para os serviços públicos, caso a Escócia se emancipe".

 

Em Fevereiro deste ano, o Governo inglês alertou a Escócia para o abandono da libra estalina caso avançasse com o processo de independência. Dois meses depois, em Abril, a Comissão Europeia anunciou que qualquer território que se separe de um Estado-membro deixa de fazer parte da União Europeia. Ainda assim, as sondagens mostram que o apoio à independência escocesa está a subir. 

Ver comentários
Saber mais Escócia Reino Unido independência
Mais lidas
Outras Notícias