União Europeia "Dia triste” para a Europa gera onda vermelha nos mercados

Ao Minuto "Dia triste” para a Europa gera onda vermelha nos mercados

Os britânicos pronunciaram-se a favor da saída do Reino Unido da União Europeia. Os mercados reagiram com fortes quedas: a libra nunca desceu tanto numa sessão, as bolsas afundaram e na praça portuguesa a capitalização do PSI-20 baixou mais de 3 mil milhões de euros. A Escócia deverá avançar com referendo para sair do Reino Unido e os líderes europeus dizem que é um dia "triste" para a Europa. Veja como foi um dia que ficará para a História da Europa.
"Dia triste” para a Europa gera onda vermelha nos mercados
Reuters

24 de junho de 2016 às 23:09
O Negócios acaba aqui o acompanhamento do dia marcado pelo Brexit

O Negócios encerra por hoje o acompanhamento ao minuto das reacções ao Brexit. Para continuar a acompanhar o tema, siga-nos em negocios.pt

24 de junho de 2016 às 22:12
Moody’s mantém ratings da UE e Reino Unido mas corta perspectiva para a dívida britânica

A agência de notação financeira manteve a classificação máxima, de Aaa, para a União Europeia e para o Reino Unido. Mas os britânicos levaram uma advertência: o rating pode ser cortado em breve.

24 de junho de 2016 às 22:11
Wall Street regista maior queda dos últimos 10 meses após Brexit

As bolsas norte-americanas encerraram em terreno positivo na sessão de quinta-feira, a contarem com uma vitória da permanência do Reino Unido na União Europeia no referendo que ainda decorria. Era, pelo menos, essa a tendência apontada pelas sondagens mais recentes. Mas quiseram os britânicos trocar as voltas aos números e foi o Brexit que acabou por liderar por 51,9%.

24 de junho de 2016 às 21:29
Indiferente

Houve quem não quisesse ficar indiferente depois do resultado.

24 de junho de 2016 às 20:57
Já há cidadãos britânicos a pedir a nacionalidade belga

Várias localidades belgas receberam hoje pedidos de nacionalidade de cidadãos britânicos, depois de o referendo de quinta-feira ter dado vitória à saída do Reino Unido da União Europeia. 

 

O diário belga Le Soir, na versão digital, citado pelas agências EFE e Lusa, refere localidades que receberam pedidos de passaportes ou de esclarecimento de dúvidas por parte dos habitantes britânicos, como Waterloo, Watermael-Boitsfort, Woluwé-Saint-Pierre, Ixelles ou Saint Gilles, localizadas nos arredores da capital, Bruxelas.

 

A presidente da comuna de Waterloo, onde residem cerca de 450 britânicos, afirmou ter recebido cinco solicitações de britânicos que querem a nacionalidade belga e dezenas de perguntas relacionadas com o assunto. Os belgas consideram que as solicitações reflectem o desejo dos britânicos de preservar as atuais situações de trabalho. 

24 de junho de 2016 às 19:38
Greenspan alerta para efeito corrosivo do Brexit no euro

Alan Greenspan, ex-presidente da Reserva Federal norte-americana, considera que a vitória do Brexit terá um efeito "corrosivo" para a Zona Euro e diz que esta é a pior situação que viveu ao longo dos seus anos de serviço público.

 

"Não há nada como isto, nem sequer a crise de 19 de Outubro de 1987 quando o Dow Jones caiu cerca de 23%. Nessa altura julguei que aquele era o pior problema possível (...), mas isto é o pior que me recordo dos meus anos de serviço público", disse Alan Greenspan, que foi presidente da Fed entre 1987 e 2006, ao canal CNBC.

 

Greenspan assegurou ainda que a capacidade de resposta do Banco Central Europeu é limitada porque, embora possa fazer algumas coisas em matéria monetária, "o problema fundamental é orçamental". 

24 de junho de 2016 às 19:18
perguntas & respostas sobre a saída do Reino Unido da UE

Tire as dúvidas sobre o resultado do referendo que promete ter forte impacto na Europa. Veja nove perguntas e respostas.

24 de junho de 2016 às 19:17
Federação inglesa de futebol

O presidente da Federação inglesa de futebol (FA), Greg Dyke, disse hoje que a decisão do Reino Unido de abandonar a União Europeia (UE) pode ter um "grande impacto" no futebol britânico. 

 

"As consequências reais não se verão nos próximos dois anos, mas o Brexit poderá ter um grande impacto no futebol inglês", disse Dyke, através de um comunicado.

 

"Seria uma pena que alguns dos grandes jogadores europeus deixassem de vir, mas não creio que isso vá acontecer. Reduzir o número de futebolistas da Europa no Reino Unido depende das condições que se estabeleçam na saída da UE", disse o presidente da FA. 

24 de junho de 2016 às 19:16
Do colapso da libra ao disparo do iene. Como o Brexit levou o caos ao mercado cambial

A moeda que já deu ganhos de milhões a Soros voltou a ter uma quebra histórica. Investidores refugiaram-se no iene numa das sessões mais voláteis de sempre no mercado cambial.

"Dizer que [o Brexit] foi um choque para os mercados financeiros é dizer pouco. E quem quiser um sumário numa única linha basta olhar para o desempenho da libra", referiram os analistas do Deustche Bank numa nota divulgada aos investidores logo no início da sessão. A divisa britânica foi uma das muitas baixas nos mercados financeiros esta sexta-feira. A moeda chegou a desvalorizar 11,08% face à nota verde para 1,3229 dólares. No fecho da sessão na Europa seguia a perder 7,61% para 1,3745 dólares. Teve a maior quebra de sempre e negociou em mínimos de mais de 30 anos.  

24 de junho de 2016 às 18:50
Sapin estende "passadeira vermelha" aos bancos de Londres

O ministro francês das Finanças Michel Sapin disse esta sexta-feira que receberia os bancos de Londres em Paris, depois do Brexit, usando a metáfora da "passadeira vermelha", numa espécie de recado a David Cameron.

 

O primeiro-ministro britânico desencadeou uma guerra de palavras com França na cimeira do G20 no México, em 2012, oferecendo-se para estender uma "passadeira vermelha" às empresas francesas se o então recém-eleito presidente François Hollande cumprisse as suas promessas de aumentar os impostos.

 

Questionado sobre se França pretende pressionar activamente os bancos a levarem as suas operações para Paris, Sapin respondeu: "A passadeira vermelha pode ser usada nos dois sentidos, e nós nem sequer temos de gastar nenhum dinheiro extra".

 

Sapin acrescentou, porém, que nem ele nem o Governo francês têm intenções "hostis" em relação a Londres. "Acho que o Reino Unido já tem dificuldades políticas, económicas e financeiras suficientes". 

24 de junho de 2016 às 18:25
Presidente AEP

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), Paulo Nunes de Almeida, considerou hoje que a vitória do Brexit constitui "uma perda para as empresas e para a economia portuguesas" e "um sério aviso para a Europa".

 

"O resultado do referendo de ontem [quinta-feira] na Grã-Bretanha, um histórico aliado de Portugal, constitui uma má notícia para o nosso país e um sério aviso para a Europa", afirma Paulo Nunes de Almeida em comunicado enviado à Lusa.

 

O presidente da AEP defende que para os empresários portugueses a alternativa a considerar é "reforçar e melhorar o excelente relacionamento entre os povos português e britânico" e dar-lhe "uma nova dimensão económica, valorizando a fachada atlântica da Europa".

24 de junho de 2016 às 18:14
Passos quer evitar "excessos de dramatização" mas diz que Brexit não pode ser desvalorizado

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, reiterou hoje confiança no projecto europeu após o referendo no Reino Unido, declarando que se devem evitar "excessos de dramatização", apesar de a saída britânica não poder ser desvalorizada.

 

"Devemos evitar nesta altura quer excessos de dramatização quer a pura desvalorização da decisão do referendo britânico", vincou Pedro Passos Coelho, comentando a vitória do Brexit no referendo no Reino Unido.

24 de junho de 2016 às 18:14
Ministro da Economia convicto que Portugal e Reino Unido vão ultrapassar consequências

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou esta sexta-feira estar convicto que Portugal e o Reino Unido saberão ultrapassar o momento pouco feliz que resulta da saída deste último país do espaço europeu.

 

"Portugal tem a mais antiga aliança comercial do mundo com a Inglaterra. Vamos continuar a ser parceiros e a trabalhar em conjunto, e isso não será afectado por este resultado [do referendo que ditou a saída do Reino Unido da UE]", disse o ministro.

24 de junho de 2016 às 18:12
Confederação do Comércio receia outras saídas da UE

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), liderada por João Vieira Lopes, declarou hoje temer "que  o distanciamento das instituições europeias em relação à realidade concreta das empresas e das pessoas potencie reacções e processos semelhantes [ao Brexit] noutros países e regiões da União Europeia"


A instituição, parceira social em sede de concertação social manifestou em comunicado emitido esta sexta-feira, 24 de Junho, a sua "preocupação  pelo impacto que a decisão dos britânicos necessariamente acarreta no projecto europeu".


A CCP qualifica ainda como "necessário" que no processo de negociação Bruxelas-Londres que agora terá início, "os líderes europeus reconheçam o Reino Unido como um parceiro comercial fundamental e que se assegure um bom clima para a actividade empresarial".

24 de junho de 2016 às 18:11
Passageiros britânicos

A IATA, Associação Internacional de Transporte Aéreo, estima que o número de passageiros britânicos deverá cair entre 3% e 5% até 2020, como resultado da crise económica e da desvalorização da libra.  

24 de junho de 2016 às 18:06
Brexit. Uma porta que se fecha para os jovens britânicos

Eles queriam mudança, mas não desta maneira. A maioria dos jovens britânicos votou pela permanência na União Europeia. E vê agora prestes a fechar-se aquilo a que chamam uma porta de oportunidades: a União Europeia.

 

"A geração mais jovem perdeu o direito de viver e trabalhar em 27 outros países. Nunca vamos conhecer a dimensão das oportunidades perdidas, dos casamentos e experiências negadas. A liberdade de movimento foi-nos tirada pelos nossos pais, tios, avós, num golpe de despedida a uma geração que já se estava a afogar em dívidas dos seus antecessores".

O comentário foi feito no Financial Times tornou-se viral nas redes sociais. Reflexo de uma geração que não se revê na votação pela saída do Reino Unido da União Europeia. Os números da BBC comprovam-no. Entre os 18 e os 24 anos, 73% votaram pela permanência. Dos 25 aos 34, o Bremain era a opção para 62%. A partir daí, o Brexit vai ganhando mais força à medida que a faixa etária sobe.

24 de junho de 2016 às 18:03
Polónia

O PiS, partido eurocéptico que governa a Polónia, defendeu esta sexta-feira, 24 de Junho, que a União Europeia necessita de um novo tratado, de forma a preservar a unidade após a saída do Reino Unido.

 

"A conclusão é óbvia. Precisamos de um novo tratado europeu", defendeu esta sexta-feira, 24 de Junho, Jaroslaw Kaczynski, líder do Partido da Lei e Justiça (PiS na sigla polaca), que desde final de 2015 governa a Polónia.

 

24 de junho de 2016 às 17:35
Governo aconselha portugueses no Reino Unido a pedirem dupla nacionalidade

Os emigrantes portugueses no Reino Unido devem pedir estatuto de cidadão permanente e dupla nacionalidade de forma a ampliarem e acautelarem os seus direitos, disse ao Observador o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.


José Luís Carneiro garantiu ao Observador que, para já, não há qualquer mudança no estatuto dos portugueses que vivem no Reino Unido, uma vez que, apesar do voto pela saída da UE, as leis europeias se mantêm durante o período de negociação entre o país e a União Europeia. "Há dois anos para que ocorra transição e os direitos dos portugueses vão ser acautelados no acordo a ser estabelecido entre os Reino Unido e a União Europeia", afirmou.

24 de junho de 2016 às 17:30
picadilly

Em Picadilly, cartazes a anunciar um espectáculo até podia parecer que eram da campanha do leave. "Triunfo. Brilhantemente realizado. Uma noite louca". Afinal não era. O espectáculo é sobre o roubo de um banco.

24 de junho de 2016 às 17:24
Tusk convoca cimeira a 27. Reino Unido não está convidado

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, anunciou que na próxima quarta-feira, 29 de Junho, vai realizar-se a primeira cimeira de 27 líderes da União Europeia, sem a presença do primeiro-ministro britânico, David Cameron.

24 de junho de 2016 às 17:06
Ponto de situação nos mercados

- PSI-20 recuou 6,99% para 4.362,11 pontos

- Stoxx600 desceu 7,03% para 321,98 pontos

- Footsie desvalorizou 2,76% para 6.162,97 pontos

- CAC40 perdeu 8,04% para 4.106,73 pontos

- DAX recuou 6,82% para 9.557,16 pontos

- Euro desliza 2,23% para 1,1131 pontos

- Libra cai 6,34% para 1,2243 euros

- Libra tomba 8,38% para 1,3631 dólares

- Brent do Mar do Norte desvaloriza 4,20% para 48,77 dólares por barril

- Juros da dívida portugueses a dez anos avançam 26,4 pontos base para 3,353%

- Juros da dívida alemã a dez anos recuam 13,9 pontos base -0,046%

24 de junho de 2016 às 17:00
Cotadas do PSI-20 perdem 3,3 mil milhões de euros

A bolsa nacional fechou em forte baixa, a acompanhar a tendência das restantes praças mundiais, penalizada pela decisão dos britânicos de saírem da União Europeia. O PSI-20 chegou a cair para mínimos de 20 anos e a penalizar esteve sobretudo o BCP. Nesta jornada, o índice de referência nacional perdeu 3,3 mil milhões de euros de capitalização bolsista e um terço dessa perda foi assumido pela EDP, ao ver eclipsarem-se 1,5 mil milhões de euros no seu valor.

24 de junho de 2016 às 16:47
Quem perde e quem ganha

O primeiro-ministro David Cameron fez uma aposta de risco e usou o referendo sobre a permanência na União Europeia como trunfo para ser reeleito no ano passado. É um dos principais derrotados com o Brexit, mas não é o único. Saiba quem sai bem e quem fica mal na fotografia do Brexit

24 de junho de 2016 às 16:31
Gestor de uma casa financeira em Londres

Um gestor de uma casa financeira em Londres, que dormiu uma hora, disse ao Negócios que os bancos tiveram de trabalhar mais durante a noite porque acreditaram que o "remain" ganharia. Houve complacência, disse.

24 de junho de 2016 às 16:29
Viajar para o Reino Unido

As dúvidas surgiram online. Nada muda, para já, para quem quer viajar para o Reino Unido. Só depois de concluídas as negociações com a União Europeia poderão existir alterações. O cartão de cidadão, o cartão europeu de seguro de doença e a carta de condução continuam a ser válidos naquele território, mesmo após a decisão do referendo. O passaporte é exigido para quem chega de fora da União Europeia.

24 de junho de 2016 às 16:17
Pesquisa por emigração

Depois dos resultados do referendo serem conhecidos, a pesquisa por "emigração" no Google disparou. O "preço das casas", "euro", e "libras" também estão entre as palavras mais procuradas no motor de busca no Reino Unido.

24 de junho de 2016 às 16:04
Ryanair faz saldos para “sair do Reino Unido”

A campanha era para celebrar a victória do "Remain". Mas a madrugada desta sexta-feira trocou a volta à Ryanair, que tinha prometido os "maiores saldos de sempre" se o Reino Unido tivesse decidido continuar na União Europeia.

 

"Time to leave the UK?", pergunta a companhia, oferecendo um milhão de voos a 9,99 euros/libras para escapadelas de Outono. Porto, Lisboa e Faro estão incluídos nesta lista. O anúncio surge ilustrado com o primeiro-ministro demissionário David Cameron.

 

O CEO Michael O’Leary mostrou-se um forte defensor da permanência do Reino Unido na União Europeia, tendo dado entrevistas com um fato alusivo a essa vontade. O mesmo encontra-se agora em leilão no eBay.

24 de junho de 2016 às 15:32
Brexit: O que pesou na decisão dos britânicos?

Manuel Esteves, editor de Economia do Negócios, diz que "o presente que os britânicos conhecem falou mais alto do que o futuro que desconhecem".

24 de junho de 2016 às 15:24
celso

A partir dos escombros da saída do Reino Unido é preciso construir uma União Europeia mais forte, mais solidária e mais coesa. A tarefa tem carácter de urgência, diz Celso Filipe. Leia aqui o artigo de opinião do sub-director do Negócios

24 de junho de 2016 às 15:08
Ministros e governadores do G7 preparados para usar “instrumentos de liquidez”

Num comunicado divulgado esta tarde, os ministros e governadores dos bancos centrais do G7, dizem "respeitar" a decisão dos britânicos, estando a "monitorizar os desenvolvimentos nos mercados".

"Nós, ministros e governadores do G7, respeitamos a intenção expressa hoje pelo povo do Reino Unido de sair da União Europeia. Estamos a monitorizar os desenvolvimentos nos mercados na sequência do resultado do referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE", referem.

"Reafirmamos a nossa avaliação de que a economia do Reino Unido e o sector financeiro permanecem resilientes e estamos confiantes de que as autoridades do Reino Unido estão bem posicionadas para enfrentar as consequências do resultado do referendo", acrescentam. "Os bancos centrais do G7 tomaram medidas para assegurar uma adequada liquidez, e para apoiar o funcionamento dos mercados".

"Estamos prontos a utilizar os instrumentos de liquidez estabelecidos para esse efeito", reforçam os responsáveis.

Os ministros das Finanças e governadores das principais economias avançadas asseguram ainda que "permanecem unidos" e mantêm a solidariedade como G7. 

24 de junho de 2016 às 14:49
Cédric Soares e José Fonte

Os portugueses como Cédric Soares e José Fonte podem ficar com estatuto de extra-comunitários na Premier League e ter de cumprir os requisitos para obter um visto de trabalho automático.

24 de junho de 2016 às 14:49
colegio comissarios

O colégio de comissários europeus vai reunir-se segunda-feira para preparar a cimeira de líderes da União Europeia (UE) de terça e quarta-feira, em Bruxelas, que se concentrará no referendo a favor da saída do Reino Unido.

Segundo um comunicado hoje divulgado, citado pelo Lusa, além de anunciar a reunião, a Comissão Europeia manifestou-se pronta a "desempenhar o seu papel nas negociações no artigo 50.º (do Tratado de Lisboa sobre a saída)" e reafirmou que ficaram anulados os termos do acordo entre o Reino Unido e os 27 alcançado em fevereiro.

O mesmo comunicado sublinhou que durante as negociações os tratados e as leis comunitárias continuam a ser aplicáveis ao Reino Unido.

24 de junho de 2016 às 14:48
wall street queda

O índice industrial Dow Jones iniciou a sessão desta sexta-feira, 24 de Junho, a perder 2,70% para 17.524,30 pontos, tal como o tecnológico Nasdaq Composite que começou o dia a desvalorizar 3,23% para 4.751,535 pontos. O Dow Jones está em mínimos de 20 de Maio e o Nasdaq no valor mais baixo desde 19 do mês passado. Já o Standard & Poor’s 500 abriu o dia a deslizar 2,5% para 2.061,12 pontos.

24 de junho de 2016 às 14:41
Fed preparada para fornecer liquidez

A Reserva Federal dos EUA está atenta aos desenvolvimentos nos mercados financeiros globais após o resultado no referendo britânico. Tal como outros bancos centrais mundiais, também a entidade liderada por Janet Yellen mostra-se disponível para "fornecer liquidez", caso tal seja necessário.

A Fed "está a monitorizar com cuidado os desenvolvimentos nos mercados financeiras globais, em cooperação com outros bancos centrais, no seguimento do referendo" em que a maioria dos britânico votou "Leave" do Reino Unido da Zona Euro. O Brexit ganhou com 51,9%. Em comunicado citado pela Bloomberg, a autoridade monetária dos EUA, refere que "está preparada para fornecer liquidez através das já existentes linhas existentes com outros bancos centrais, se necessário".

 

Esta liquidez adicional da Fed terá como objectivo "dar resposta às pressões nos mercados de financiamento globais", nota a entidade liderada por Janet Yellen, acrescentando que essas pressões podem "ter impactos adversos na economia dos EUA".

24 de junho de 2016 às 14:39
brandao

O ministro da Educação, que fez investigação em Inglaterra, admitiu hoje estar preocupado com a saída do Reino Unido da União Europeia, mas disse acreditar que os portugueses que lá vivem serão bem tratados. Tiago Brandão Rodrigues viu a notícia "com preocupação", contou hoje aos jornalistas o ministro que, no ano passado, trocou a investigação e um laboratório na Universidade de Cambridge por Lisboa.

"É preciso respeitar a vontade de todos os britânicos. É preciso entender também que um referendo não mede um processo, mede um momento, mas agora temos de olhar para todo este processo com atenção, com preocupação, mas acima de tudo tirar ilações e ver com o processo se vai desenrolar", disse, no final da sessão plenária sobre um balanço do ano escolar, citado pela Lusa.

24 de junho de 2016 às 14:36
Obama "respeita" decisão e diz que relação entre os dois países é "duradoura"

O presidente do EUA, Barack Obama, já reagiu ao resultado do referendo britânico. Em comunicado, Obama disse que "respeita" a decisão dos britânicos. E que "a relação especial entre os EUA e o Reino Unido é duradoura". O Reino Unido é estado-membro da NATO e continua ser um pilar da política externa, de segurança e económica dos EUA. Obama garante ainda que: "o Reino Unido e a União Europeia vão continuar a ser parceiros indispensáveis dos EUA" mesmo estando a negociar a sua relação actual para assegurar a estabilidade, segurança e prosperidade para a Europa, Grã-Bretanha e Irlanda do Norte e do mundo.

24 de junho de 2016 às 14:34
ONU

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, manifestou hoje a esperança de que a União Europeia se mantenha como um "parceiro sólido" da ONU, independentemente da decisão do Reino Unido de abandonar o bloco europeu.

 

"O secretário-geral espera que a União Europeia continue a ser um parceiro sólido das Nações Unidas nas questões humanitárias e do desenvolvimento, assim como da paz e segurança, incluindo a migração", afirmou Ban Ki-moon num comunicado, citado pela agência France Press.

24 de junho de 2016 às 14:34
cristas

A presidente do CDS-PP considerou hoje que "Portugal deve dar um exemplo de tranquilidade", numa altura em que a Europa vive "um momento de inquietude e de transformação" com a saída do Reino Unido da União Europeia. "Este é um dia de alguma tristeza. A União Europeia está a sofrer uma consternação profunda. Nós temos de respeitar naturalmente aquilo que foi o resultado da escolha dos cidadãos do Reino Unido", começou por dizer Assunção Cristas, que falava aos jornalistas no Porto.

24 de junho de 2016 às 14:34
turismo

"A saída do Reino Unido da União Europeia irá com certeza alterar o futuro do projecto europeu, que com todos os seus defeitos e limitações, representa um factor de estabilidade e união no continente europeu. É demasiado cedo para prever o impacto desta decisão – sem precedentes na história da UE – mas, para já, e só por si, esta incerteza em nada contribui para a afirmação de uma Europa forte, unida, cooperante, solidária", refere Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo Português.

24 de junho de 2016 às 14:24
Morgan Stanley começou o processo de deslocalização de dois mil postos de trabalho

O banco de investimento norte-americano Morgan Stanley decidiu começar o processo de deslocalização de cerca de dois mil funcionários da sede em Londres para Dublin e Frankfurt, de acordo com fontes da BBC. Os postos de trabalho que vão ser deslocalizados são das áreas de compensação do euro, funções de banca de investimento e gestão.

24 de junho de 2016 às 14:02
Osborne garante que “fará tudo” para o que Brexit funcione

O ministro britânico das Finanças, George Osborne, diz que o Brexit não é o resultado que pretendia. No entanto, o governante assegura que tudo fará para que esta solução resulte.  

24 de junho de 2016 às 13:53
Mayor de Londres

O Mayor de Londres disse ao Evening Standard que "não é preciso entrar em pânico" e que a capital vai "continuar a ser uma cidade bem sucedida".

 

24 de junho de 2016 às 13:48
Reacção do Ministério dos Negócios Estrangeiros português

O ministério dos Negócios Estrangeiros português emitiu um comunicado onde salienta que "lamenta que a maioria do povo britânico tenha optado pela saída do Reino Unido da União Europeia" mas que "respeita a sua decisão soberana".

O ministério ressalva ainda que o Brexit "invalida o acordo alcançado no Conselho Europeu de Fevereiro passado sobre a relação do Reino Unido com a União Europeia, no qual os restantes 27 Estados-Membros tinham feito concessões importantes para acomodar as preocupações transmitidas pelo Governo britânico".

"Por se tratar de um facto inédito na história da integração europeia, Portugal considera essencial que o procedimento do artigo 50º do Tratado da União Europeia seja seguido de forma rigorosa e nos prazos previstos. No nosso entender, esta será a melhor forma de assegurar que a transição para uma União Europeia a 27 se faça da forma mais suave possível e num quadro de normalidade, tanto para a UE como para o Reino Unido".

O ministério que tutela a política externa nacional que o Governo vai manter "uma atitude construtiva e empenhada nos processos negociais que conduzirão à saída do Reino Unido da União Europeia e, subsequentemente, à definição do futuro relacionamento entre ambos".

"Em ambos os casos, Portugal será norteado pelo duplo objectivo de assegurar a continuidade e vitalidade do projecto europeu, que continua a contar com o nosso empenho, e a manutenção de uma parceria estratégica com o Reino Unido, quer por parte da nova União Europeia, quer a nível bilateral".

24 de junho de 2016 às 13:47
psi queda 13h40 laranjix

O vermelho continua a ser cor dominante nos mercados. O PSI-20 desce 7,53% para 4.336,81 pontos, com 17 cotadas em queda e uma inalterada. O principal índice português chegou mesmo a negociar em mínimos de 20 anos.

24 de junho de 2016 às 13:44
moedas

O comissário português Carlos Moedas defendeu hoje que se deve "trazer mais alma" à União Europeia (UE) e lembrou aos emigrantes portugueses no Reino Unido que o país continuará a "ser sempre um parceiro" da Europa.

Comentando a vitória do 'Brexit' (saída do Reino Unido da UE) no referendo de quinta-feira, o responsável afirmou que a tónica deve ser agora colocada numa lista de pontos positivos da UE, que inclui "paz, prosperidade e democracia" levada a "milhões de cidadãos europeus", assim como o mercado único e o fim das fronteiras que traduziu crescimento económico e emprego. "Devemos voltar a repetir essas mensagens. No fundo temos que trazer mais alma à Europa", argumentou o comissário europeu com a pasta da Investigação, Inovação e Ciência, que não deixou de transmitir "profunda tristeza, mas também profundo respeito pela decisão dos britânicos".

24 de junho de 2016 às 13:43
FMI reage ao Brexit

FMI garante que está pronto a apoiar os seus países que são membros do fundo, se for necessário. Em comunicado, a directora-geral do Fundo, Christine Lagarde afirma que a instituição apoia fortemente os compromissos de garantia de liquidez assumidos pelo Banco de Inglaterra e do Banco Central Europeu.

24 de junho de 2016 às 13:40
Bruxelas quer que Londres peça para sair da UE o mais rápido possível

As instituições europeias, que estiveram reunidas esta manhã em Bruxelas, reiteraram, numa declaração conjunta, que apesar desta "situação sem precedentes estamos unidos na nossa resposta".

 

Depois do encontro entre os presidentes da Comissão Europeia (Jean-Claude Juncker), do Parlamento Europeu (Martin Schulz) e do Conselho Europeu (Donald Tusk), e ainda o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, que detém a presidência semestral da UE, Bruxelas pediu ao Reino Unido que invoque quanto antes o artigo 50 do Tratado de Lisboa,que estipula um período de dois anos de negociação para a saída de um Estado-membro da União.

 

"Qualquer atraso iria prolongar desnecessariamente a incerteza. Temos regras para lidar com esta situação de forma ordenada", lê-se no comunicado em que Bruxelas avisa estar pronta para "rapidamente lançar negociações com o Reino Unido referentes aos termos e condições para a sua saída da União Europeia".

 

Bruxelas nota ainda que cessa de imediato o acordo firmado em Fevereiro com Londres, que previa um conjunto de regras especiais para que o Reino Unido se mantivesse na UE. Decisão sobre a qual "não haverá nenhuma renegociação", remata.

 

No entanto o Reino Unido continuará a ser um país-membro da UE, com todos os direitos e obrigações que disso decorrem", até que esteja completa a negociação para a sua saída, salvaguardam as instituições europeias.

24 de junho de 2016 às 13:37
evening

O Evening Standard já está nas bancas.

24 de junho de 2016 às 13:19
Santander

O Santander está no Reino Unido para ficar. "O nosso compromisso com os negócios, os clientes e os nossos colaboradores britânicos continua tão forte como sempre", garante Ana Botín, líder do grupo espanhol em comunicado.

24 de junho de 2016 às 13:18
Jeremy Corbyn alvo de moção de desconfiança

A liderança do líder trabalhista vai ser alvo de uma moção de desconfiança, segundo confirmaram duas deputadas do partido à BBC. Caberá agora ao presidente do grupo parlamentar trabalhista decidir se a moção será, ou não, discutida já no encontro marcada para a próxima segunda-feira.

 

Se for aceite, na terça-feira os deputados do Partido Trabalhista vão decidir, através de voto secreto, sobre a continuação de Corbyn à frente do grupo parlamentar do partido. 

 

Corbyn esteve do lado do sim à permanência na UE, tendo saído como um dos derrotados da noite, assim como David Cameron que já anunciou a demissão do cargo de primeiro-ministro, uma decisão com efeitos a partir de Outubro.

 

Porém a frágil liderança de Jeremy Corbyn, muito contestado internamente por uma alegada deriva "esquerdista", sofreu um duro golpe com o quase apagamento do secretário-geral trabalhista ao longo de toda a campanha no referendo sobre o Brexit. 

24 de junho de 2016 às 13:06
Ministros das Finanças do G7 e banqueiros centrais em teleconferência

Os ministros das Finanças e os banqueiros centrais das principais economias avançadas estão a realizar uma teleconferência para discutir os resultados do referendo britânico.

 

"Está a decorrer neste momento uma teleconferência com os ministros do G7 e os governadores dos bancos centrais. No final desta teleconferência, poderá haver um comunicado", anunciou Martin Jäger, porta-voz do ministro alemão das Finanças, citado pelo The Guardian. 

24 de junho de 2016 às 12:57
Liga Norte quer referendo em Itália

Depois do Movimento 5 (M5S) já ter pedido um referendo sobre a pertença italiana à Zona Euro, agora foi Matteo Salvini, líder da Liga Norte, defensora da independência da Padânia (conjunto de várias regiões do norte italiano) a pedir um referendo sobre a permanência de Itália na UE.

 

"Viva a coragem dos cidadãos livres da Grã-Bretanha. O coração, a cabeça e o orgulho derrotaram as ameaças e recados. Obrigado Reino Unido", atirou Salvini que garante "ser agora a nossa vez".

24 de junho de 2016 às 12:56
PCP saúda resultado do referendo

O PCP saudou o resultado do referendo no Reino Unido, considerando que é "uma vitória sobre o medo, as inevitabilidades, a submissão e o catastrofismo", abrindo "um novo patamar de luta" contra a União Europeia.

 

Numa conferência de imprensa na sede do PCP, em Lisboa, o eurodeputado João Ferreira afirmou que a vitória da saída do Reino "representa uma alteração de fundo no processo de integração capitalista na Europa e um novo patamar de luta daqueles que se batem há décadas contra a União Europeia do grande capital e das grandes potências, e por uma Europa dos trabalhadores e dos povos".

 

"Este referendo realizou-se num quadro de gigantescas e inaceitáveis pressões e chantagens, nomeadamente dos grandes grupos económicos transnacionais e do grande capital financeiro, bem como de organizações como o FMI, a OCDE e a própria União Europeia. Este resultado é assim também uma vitória sobre o medo, as inevitabilidades, a submissão e o catastrofismo", declarou.

24 de junho de 2016 às 12:50
Papa Francisco

O Papa Francisco afirmou que a decisão do Reino Unido em abandonar a União Europeia deve ser seguida de "garantias" pelo bem de ambas as partes. O líder da Igreja sugeriu que a decisão seja respeitada porque resulta da vontade do povo.

24 de junho de 2016 às 12:50
Numa espécie de concurso na sede de campanha do leave

"You, in. You, in". Com o dedo apontado o responsável de comunicação da campanha Vote Leave, a oficial, escolhia os jornalistas que à porta da torre de Westminster recebiam autorização para entrar numa sala onde Boris Johnson e Michael Gove iriam reagir ao referendo. Lutaram pelo Brexit e venceram. Primeiro entraram os câmaras de televisão. Depois os fotógrafos. A impresa a seguir, mas aquela que garantia mais audiência. E por fim os jornalistas estrangeiros. Os portugueses que ali estavam conseguiram entrar.

 

A sala era pequena, ia dizendo o responsável. O Negócios entrou. Afinal espaço era coisa que não faltava. Uns minutos depois entravam na sala Boris Johnson, Michael Gove e Gisela Stuart. Foi a primeira a falar. A representante do partido trabalhista. "O Reino Unido continuará a ser um bom vizinho" declarou Gisela stuart.

 

Os jornalistas na sala esperavam por ouvir Boris Johnson e Michael Gove, ambos referidos como potenciais candidatos a sucessores de David Cameron à frente do partido conservador e, claro, do país. Não foi disso que falaram. Ambos despediram-se no entanto de Cameron, prestando-lhe tributo. Um homem corajoso, disse Johnson.

 

Agradeceu-lhe ter convocado o referendo, tendo concordado com a sua decisão de não invocar já o artigo 50. "Este referendo não deixa o Reino Unido desunido", dizendo que "acima de tudo podemos mostrar a nossa voz ao mundo".

 

Michael Gove foi o último a falar. Também prestou tributo a Cameron, com quem aliás trabalha e de quem sempre foi amigo. Aliás foi Cameron que trouxe Gove para a política. Cameron, disse Gove, será recordado como "um grande primeiro-ministro".

 

Este é um novo capítulo, concluiu, mas deixando a certeza de que o Reino Unido é inclusivo,tolerante, generoso e aberto aos negócios e ao comércio e a outras culturas. É aberto ao mundo. Os três responsáveis – dois do partido conservador e uma do trabalhista – controlaram euforias. Mostraram até postura de estado. E deixaram a conferência sem mais declarações. Nomeadamente sobre os respectivos futuros políticos.

24 de junho de 2016 às 12:39
Tsipras junta-se a Costa e pede uma "melhor" Europa

O primeiro-ministro grego teve uma reacção expectável à vitória do Brexit. Para Alexis Tsipras a decisão britânica de abandonar a UE resulta de uma doença europeia que urge enfrentar, com o líder do Syriza a juntar-se a António Costa para defender que é precisa uma "melhor" Europa.

 

"Precisamos com urgência de uma nova visão e um novo começo para uma Europa unida – para uma melhor Europa, mais social e democrática", disse citado pela Reuters.

 

Tsipras insistiu também na ideia de que a opção por medidas de austeridade, que "alargaram as desigualdades entre os países do norte e sul" da Europa, assim como a forma como Bruxelas está a enfrentar as crises dos refugiados e das dívidas soberanas, "sinalizam uma mais profunda crise da Europa".

24 de junho de 2016 às 12:32
Site das petições

O The Guardian escreve que o site do Parlamento onde se submete petições foi abaixo devido à grande afluência. Uma petição pedia ao Governo britânico para avançar com um segundo referendo, exigindo que o "Brexit" só seja validado com uma participação superior a 75% e o resultado final obtenha 60% dos votos. A mesma já voltou a estar disponível, contando com mais de 109 mil assinaturas, obrigando a uma discussão parlamentar.

24 de junho de 2016 às 12:28
Ponto de situação nos mercados

- PSI-20 recua 7,51% para 4.337,70 pontos

- Stoxx600 desce 7,47% para 320,48 pontos

- Footsie desvaloriza 4,82% para 6.032,90 pontos

- CAC40 perde 8,42% para 4.086,98 pontos

- DAX recua 7,43% para 9.494,82 pontos

- Euro desliza 2,85% para 1,1061 pontos

- Libra cai 5,35% para 1,2372 euros

- Libra tomba 7,99% para 1,3688 dólares

- Brent do Mar do Norte desvaloriza 5,21% para 48,26 dólares por barril

- Juros da dívida portugueses a dez anos avançam 24,2 pontos base para 3,332%

- Juros da dívida alemã a dez anos recuam 18,9 pontos base -0,095% 

24 de junho de 2016 às 12:25
António Saraiva

António Saraiva, da CIP, também já reagiu: "É um dia triste para a Europa, mas é preciso seguir em frente". "A CIP lamenta profundamente que tenha vencido a opção de o Reino Unido abandonar a União Europeia", refere António Saraiva num comunicado divulgado nesta sexta-feira de manhã.

24 de junho de 2016 às 12:16
Agricultura e retalho britânicos exigem garantias

A associação que representa os agricultores britânicos defende a urgência de um "compromisso" para assegurar que o sector agrícola não ficará em risco com a decisão do Reino Unido em sair do União Europeia.

Por sua vez, o consórcio que representa o retalho britânico explica que uma "queda prolongada no valor da libra terá impacto sobre os custos de importação" e nos preços aos consumidores. A associação alerta os empresários do sector para estarem preparados para flutuações na procura e preços.

Também o CEO da Unilever reagiu. Paul Polman diz respeitar a vontade do povo britânico e apelou à união para esta nova fase.

 

24 de junho de 2016 às 12:15
Segundo referendo sobre a independência da Escócia já está "em cima da mesa"

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, admitiu que vai começar a preparar a legislação necessária para pôr em marcha um segundo referendo sobre a independência da Escócia, daqui a dois anos.

"É óbvio" que a realização de um segundo referendo está "em cima da mesa", avançou a líder do Partido Nacional Escocês (SNP).

Sturgeon acrescentou que a Escócia enfrenta a perspectiva de ser retirada da União Europeia contra a sua vontade, o que é "democraticamente inaceitável". Por isso, a governante fará tudo o que puder para manter a Escócia na UE.

A primeira-ministra vai reunir-se com os responsáveis de todos os Estados-membros da UE para tentar garantir a permanência da Escócia no bloco e no mercado único. 

24 de junho de 2016 às 12:15
analise do ft

O Financial Times, publicação de referência para o mundo dos negócios, publicou um editorial grave no qual considera que a Europa enfrenta agora o maior choque desde a queda do Muro de Berlim que, em 1989, no rescaldo do desmantelamento da ex-União Soviética, abriu caminho à reunificação da Alemanha e, anos mais tarde, ao grande alargamento da UE a Leste. "The people have spoken. Britain’s decision to leave the EU is the biggest shock to the continent since the fall of the Berlin Wall."

24 de junho de 2016 às 12:14
Costa garante que Governo fará tudo para garantir os direitos dos portugueses

António Costa reage afirmando que o Governo deve dar "continuidade" à consolidação das Finanças Públicas.

 

O primeiro-ministro garante que fará tudo para garantir os direitos dos portugueses no Reino Unido mas também dos britânicos que investem e vivem em Portugal.

 

"É óbvio que este é um dia triste para quem acredita na União Europeia", disse. Mas "esta  má notícia deve ser interpretada devidamente: não para uma depressão colectiva, não para multiplicar movimentos de separação", mas para ler o que as pessoas exigem.

 

Para o primeiro-ministro a União Europeia tem agora de reforçar o sentimento de segurança face à ameaça terrorista, e conseguir ser um espaço de "liberdade" dentro de fronteiras. António Costa afirma que deve ser reforçada a cooperação policial

24 de junho de 2016 às 12:10
Não à UE pode ser o fim do Reino Unido?

Um zoom mais apertado à distribuição dos votos mostra não apenas uma clivagem geracional - a saída foi decidida pelos eleitores com mais de 50 anos, único grupo etário onde o "Leave" venceu - mas também geográfica, como se pode ver neste mapa

24 de junho de 2016 às 11:57
Merkel garante que a Europa saberá lidar com a situação

Angela Merkel garante que a Europa é suficientemente forte e saberá encontrar as melhores respostas às implicações do referendo do Reino Unido.

 

Numa declaração proferida esta sexta-feira ao final da manhã, a chanceler reconheceu que a Alemanha tem especiais responsabilidades na integração europeia, e, para já, anunciou ter convocado François Hollande, Matteo Renzi e Donald Tusk para uma reunião na próxima quarta-feira. 

"Não há volta a dar. É um golpe para a Europa", afirmou a chanceler alemã, Angela Merkel.

24 de junho de 2016 às 11:56
RBS: Prioridade do banco é apoiar clientes

O Royal Bank of Scotland (RBS) – cujas acções já caíram mais de 20% - já veio dizer que a sua "prioridade é servir e apoiar" os clientes. A instituição diz-se disponível para trabalhar com os reguladores e governo britânicos na preparação desta nova fase.

"Não haverá impacto imediato nos serviços bancários. Estamos a operar como é costume e não temos planos para mudar isso em resposta ao resultado do referendo", elucidou a instituição.

24 de junho de 2016 às 11:56
Companhias de aviação querem manter parcerias com União Europeia

A IAG, dona da British Airways e da Iberia, acredita que a decisão desta sexta-feira não vai afectar o negócio a longo prazo. Contudo, a curto prazo, o grupo de aviação diz já ter alterado mudanças nas dinâmicas comerciais.

 

Por sua vez, a Easyjet já fez saber que quer continuar a fazer parte do mercado da aviação civil da União Europeia. "Escrevemos hoje ao governo do Reino Unido e à União Europeia para pedir-lhes para darem prioridade à continuação do Reino Unido como parte do mercado único da União Europeia, dada a sua importância para o comércio e consumidores", anunciou a CEO Carolyn McCall.

24 de junho de 2016 às 11:55
Jean-Claude Juncker: "Isto não é o princípio do fim da União Europeia"

Jean-Claude Juncker rejeitou, esta manhã, em Bruxelas, que a saída do Reino Unido represente o princípio do fim da União Europeia. No final da conferência de imprensa em que comentou o resultado do referendo no Reino Unido, um jornalista colocou-lhe essa questão. Juncker respondeu com um "não". Antes disso, tinha garantido que o acordo conseguido com os britânicos em Fevereiro fica sem efeito e enfatizou a necessidade de concluir rapidamente as negociações para a saída do Reino Unido.

24 de junho de 2016 às 11:47
União Europeia caminha para a desagregação se não mudar de agenda

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) considerou hoje que este "é um momento de início da desagregação da União Europeia", se não houver uma mudança de agenda que ponha fim à "defesa da austeridade".

 

"Este é um momento importante, é um momento de início da desagregação da União Europeia e, ou há mudanças drásticas a nível europeu, ou se a Europa se fechar sobre si própria e insistir nos erros, este é um prenúncio do futuro que aí virá", declarou Pedro Filipe Soares à agência Lusa, no parlamento, numa reacção à saída do Reino da União Europeia.

24 de junho de 2016 às 11:46
País de Gales quer lugar nas negociações

O primeiro-ministro do País de Gales reclamou um lugar na equipa que vai negociar a saída do Reino Unido da União Europeia. O político expressou a sua preocupação pelos postos de trabalho em risco no País de Gales, que votou pela permanência na União Europeia.

24 de junho de 2016 às 11:45
Dinamarqueses também querem referendo

O Partido do Povo Dinamarquês, populista e anti-imigração, apelou à realização de um referendo sobre a permanência na União Europeia. Também na Suécia, Itália e França partidos eurocépticos querem medidas nesse sentido.

24 de junho de 2016 às 11:42
Ministério das Finanças: números da execução orçamental defendem-nos do Brexit

O ministério das Finanças congratulou-se com o défice orçamental de 3,2% no primeiro trimestre do ano divulgado pelo INE, sublinhando que do objectivo de reduzir o défice público em 1,3 mil milhões no ano interiro, o governo já conseguiu 939 milhões de euros nos primeiros três meses do ano. 


Dados que, no entender da equipa de Mário Centeno, "confirmam uma execução orçamental rigorosa" que ajuda a "ultrapassar momentos de incerteza que se vivem na União Europeia, como os que resultam da opção "Brexit" expressa pelos eleitores britânicos", lê-se numa reacção por escrito.

24 de junho de 2016 às 11:42
Hollande: Resultado do referendo é "um duro teste para a Europa"

O presidente francês François Hollande disse esta sexta-feira que respeita a decisão dos eleitores britânicos e que as negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia devem ser rápidas.

 

Hollande afirmou ainda que o Brexit representa um sério desafio para a Europa e que o bloco deve concentrar-se nas suas, como a segurança, a defesa, a protecção das fronteiras e a criação de emprego, bem como o reforço da Zona Euro.

 

"O referendo britânico é um duro teste para a Europa", admitiu Hollande. 

24 de junho de 2016 às 11:29
Libra recupera e cai quase 7% face ao dólar

A moeda britânica registou a maior queda de sempre e atingiu, esta sexta-feira, o valor mais baixo em 30 anos face ao dólar. A libra chegou a descer 11,08% para os 1,3229 dólares, o valor mais baixo desde 1985 na sequência do anúncio dos resultados do referendo britânico.

 

Contudo, a actuação dos bancos centrais acalmou a negociação da moeda. Mark Carney, o governador do Banco de Inglaterra, afirmou que foi feita de imediato, e de forma extraordinária, uma injecção de liquidez no sistema financeiro no valor de 250 mil milhões de libras (309 mil milhões de euros) e deixou ainda a garantia de que "o BOE não hesitará em tomar novas medidas se for necessário".

 

A moeda perde agora 6,77% para os 1,3876 dólares. Face à moeda única, a libra chegou a descer 7,99% para os 1,2027 euros, mas cai agora 4,45% para os 1,2490 euros

24 de junho de 2016 às 11:27
Boris Johnson: “Não podemos voltar as costas à Europa”

"Ontem o povo britânico falou em nome da democracia no Reino Unido e na Europa", diz Boris Johnson, que aproveitou o seu discurso para "prestar uma homenagem" a David Cameron. "Ele tem sido um dos mais extraordinários políticos da nossa era". 

24 de junho de 2016 às 11:15
Bancos centrais reagem ao Brexit. Estão preparados para dar liquidez

Do Banco de Inglaterra ao BCE, passando pelos nórdicos e até ao Japão, muitos bancos centrais estão a reagir ao resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia. Estão todos a postos, dizem, para injectar liquidez de forma a acalmar os mercados financeiros mundiais.

 

Veja aqui o que estão a fazer.

24 de junho de 2016 às 11:14
Brexit faz tremer turismo no Algarve

Os empresários do turismo no Algarve estão "muito preocupados" com a decisão do Reino Unido em abandonar a União Europeia. A desvalorização da libra e a redução do poder de compra destes turistas, que representam 30% do total na região, é a principal preocupação a curto prazo. "Resta prepararmo-nos para o impacto", aponta Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve.

24 de junho de 2016 às 11:14
PSD e o impacto do Brexit: “Estamos dependentes de nós próprios”

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, diz que as consequências financeiras que decorrem para Portugal da saída do Reino Unido dependem, sobretudo, da política económica seguida pelo Governo de Costa.

 

Luís Montenegro coloca nas mãos do Governo a responsabilidade de evitar que a saída do Reino Unido traga consequências para Portugal. "É preciso enfatizar que estamos sobretudo dependentes de nós próprios", assinalou o líder parlamentar do PSD. "As instituições europeias assinalaram os riscos que impendem sobre Portugal, que são de natureza interna", acrescentou.

24 de junho de 2016 às 11:02
Sede de campanha do leave repleta de jornalistas

Na sede campanha do leave, os jornalistas que ficaram na rua ainda têm esperança de conseguirem um "in".

 

A imprensa foi escolhida a dedo para entrar na sede. O responsável explicou que não há espaço e têm de escolher os que atingem mais audiência.

 

Só autorizam recolha imagem a alguns jornalistas. O espaço é pequeno diz o responsável de media do vote leave. O Negócios conseguiu entrar.

24 de junho de 2016 às 10:58
Marcelo triste com o Brexit

O Presidente da República garante que os interesses de Portugal e dos emigrantes portugueses a viver no Reino Unido serão assegurados, apesar da saída do Reino Unido da União Europeia.

 

"O povo britânico decidiu, soberanamente, que o Reino Unido deverá deixar de integrar a União Europeia, o que só pode contristar-nos". Esta foi a primeira reacção do Presidente da República à decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia, em referendo, com uma votação de 51,9% a favor da saída da União. 

Num comunicado publicado no site da Presidência, o chefe de Estado explica que "segue-se agora um período de negociação com os seus parceiros europeus, estabelecido no Tratado da União Europeia, para determinar os exactos termos deste processo".

24 de junho de 2016 às 10:57
Como os mais velhos tramaram as gerações mais novas

A profunda clivagem geracional é mais uma linha que ameaça partir o Reino Unido. Com o título "Como os mais velhos tramaram as gerações mais novas", o Independent mostra três gráficos que revelam um outro lado de uma votação que promete gerar muita controvérsia na política doméstica.

24 de junho de 2016 às 10:54
Reacção PS

O PS lamentou hoje o resultado do referendo no Reino Unido, defendendo como resposta uma "reabilitação" da União Europeia, e sugeriu a criação pela diplomacia portuguesa de uma estrutura de missão para acompanhar os interesses estratégicos bilaterais.

 

Esta posição foi transmitida pelo presidente do PS, Carlos César, na Assembleia da República, após no referendo de quinta-feira 51,9% dos eleitores britânicos terem decidido pela saída do Reino Unido da União Europeia.

 

Na sequência deste resultado, de acordo com o líder parlamentar socialista, no plano europeu "a grande tarefa será a de reabilitar a Europa, que não terminou e que recomeçou num novo ponto de partida".

 

"No plano nacional impõe-se que a diplomacia portuguesa actue de forma vigorosa e atenta, criando, eventualmente, uma estrutura de missão que neste período de transição acompanhe e vigia os interesses estratégicos e bilaterais portugueses em relação ao Reino Unido", defendeu.

24 de junho de 2016 às 10:49
Governo da Suécia

O primeiro-ministro sueco, o social-democrata Stefan Löfven, declarou hoje que o triunfo do 'Brexit' no referendo britânico deve servir de "despertador" para os dirigentes europeus.

 

"O resultado eleitoral é de muitas formas um despertador para a Europa", afirmou, de acordo com a agência Efe, o chefe do Governo sueco numa conferência de imprensa em Estocolmo, defendendo que a União Europeia deve evoluir e melhorar.

 

Stefan Löfven, que lidera um Governo em minoria com os ecologistas, admitiu que não esperava este resultado do referendo, qualificando-o de "grave", sobretudo para o Reino Unido.

 

"É importante que a UE permaneça unida contra os desafios. Agora, o que faz falta é união, não divisão", afirmou.

24 de junho de 2016 às 10:48
Ponto de situação nos mercados

Os bancos centrais estão já a actuar no mercado, o que está a ser mais notório nos juros da dívida pública.

- Juros da dívida pública portuguesa dez anos somam 14,1 pontos base para 3,231%

- Juros da dívida pública alemã a dez anos recuam 17,8 pontos base para -0,085%

- PSI-20 desce 6,38% para 4.390,93 pontos

- Stoox600 desvaloriza 6,66% para 323,26 pontos

- IBEX35 perde 10,02% para 7.995,10 pontos

- Footsie cede 4,84% para 6.031,62 pontos

- CAC40 recua 7,43% para 4.133,95 pontos

- DAX desce 6,20% para 9.621,56 pontos

- Euro desvaloriza 2,42% para 1,1110 dólares

- Libra cai 4,41% para 1,2495 euros

- Libra perde 6,71% para 1,3879 dólares

- Brent do Mar do Norte desce 4,18% para 48,78 dólares por barril

- WTI recua 4,11% para 48,05 dólares por barril

24 de junho de 2016 às 10:36
Reacção de Matteo Renzi

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, lamentou hoje o resultado do Brexit, defendendo que a Europa "é o futuro", apelando à construção de uma União Europeia (UE) "mais humana e mais justa".

 

"Devemos mudar a Europa para a tornar mais humana e mais justa. Mas, a Europa é a nossa casa, é o nosso futuro", disse Renzi numa mensagem escrita na rede social Twitter.

 

O primeiro-ministro italiano escreveu estas palavras momentos depois de uma reunião de urgência do Governo em Roma para avaliar as consequências dos resultados do referendo no Reino Unido.

24 de junho de 2016 às 10:33
Ministro russo dos Negócios Estrangeiros

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, considerou hoje que o resultado do referendo no Reino Unido sobre a saída da UE é um "assunto interno" desse país. "É um assunto interno do povo britânico", disse Lavrov em resposta a uma pergunta dos jornalistas.

 

"Há dados aritméticos do referendo. Esta é a vontade do povo do Reino Unido. Decidam vocês", acrescentou, negando comentar se este resultado é conveniente para a Rússia. 

24 de junho de 2016 às 10:33
BCE garante liquidez de emergência se necessária

O BCE garante que está a "acompanhar de perto" os desenvolvimentos nos mercados financeiros, e está "preparado para agir" e para ceder liquidez de emergência se necessária, garantiu o banco central em comunicado.

24 de junho de 2016 às 10:29
Presidente de Londres: “São bem-vindos aqui”

O presidente da câmara de Londres já veio reagir ao voto no Brexit, procurando acalmar os ânimos de residentes e investidores.

 

"Ainda acredito que o nosso país está em melhor situação na União Europeia, mas não há dúvida de que Londres continuará a ser a cidade de sucesso que é hoje", assegura nas redes sociais.

 

Sadiq Khan deixou ainda uma palavra ao milhão de europeus a viver na capital inglesa: "são bem-vindos aqui".

24 de junho de 2016 às 10:27
UKIP quer acesso livre ao mercado da UE

A UE deve e tem todo o interesse em fazer acordos de livre comércio com o Reino Unido. por causa do actual desequilíbrio das relações comerciais. Quem o diz é Neil Hamilton, da Comissão Executiva Nacional do UKIP, o partido eurocético de Nigel Farage, em declarações à BBC Radio esta manhã.

 

"Queremos o acesso livre de tarifas ao mercado único e será imensamente no interesse da União Europeia que tal nos conceda". 

 

O Reino Unido exporta metade do que vende ao mundo para os demais países da UE, ao passo que a UE só vende no mercado britânico cerca de 6% do total das suas exportações.

 

Hamilton acrescentou ainda que "o povo britânico nunca quis uma união política", e que "não há nenhuma hipótese de continuar a aceitar a autoridade da Comissão Europeia e do Parlamento."

24 de junho de 2016 às 10:27
Mota Soares

O dirigente do CDS-PP Pedro Mota Soares lamentou hoje a saída do Reino Unido do espaço da União Europeia, considerando que é um "dia triste" para a Europa e para os britânicos. "É um dia triste para a Europa", mas também é "um dia triste e mau para o próprio Reino Unido, porque isola muito" o país no espaço europeu e "coloca o Reino Unido num cenário de instabilidade política", mas também a nível mercados, que hoje estão com uma "enorme volatilidade", disse à agência Lusa o deputado centrista.

 

Para Pedro Mota Soares, a saída do Reino Unido "diminui a vertente atlântica da própria União Europeia", o que "no caso português, é particularmente importante".

24 de junho de 2016 às 10:26
Sector do gás e petróleo britânico

O sector do gás e petróleo britânico espera uma clarificação deste novo cenário, mantendo-se "neutro" contra a escolha pelo Brexit.

 

"Esperamos que todos os envolvidos agora se unam e trabalhem de uma forma construtiva para fazer uma transição tao suave como possível", reagiu a Oil & Gas UK, que representa o sector.

 

Relembrando a conjectura difícil que o sector atravessa – com a quebra nos preços do petróleo – também a Royal Dutch Shell (que tinha apoiado a permanência do Reino Unido na União Europeia) reagiu.

 

"Vamos trabalhar com o governo britânico e instituições europeias sobre as eventuais implicações. A nossa prioridade é continuar a fornecer energia confiável e acessível", informou.

24 de junho de 2016 às 10:19
À espera de Boris Johnson

À porta da sede de campanha do Leave, os jornalistas aguardam a chegada de Boris Johnson. É dito que entrou por uma porta diferente, pelas traseiras. Tal como já tinha feito Michael Gove, o ministro da Justiça, que apoiou o Brexit.

 

Os jornalistas aguardam que alguém da campanha venha falar e vão ironizando. Não se sabe se vai haver direito a perguntas. "Com o Brexit, as conferências de imprensa vão ser diferentes. Sem perguntas". A brincadeira continua. "Serão em latim".

O líder da campanha a favor do Brexit foi vaiado pela população esta manhã: 


24 de junho de 2016 às 10:18
Martin Schulz

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, em declarações à televisão alemã ZDF, reconhece que os dados económicos mostram que a saída do Reino Unido significa "um caminho difícil" mas garante: "respeitamos este resultado". Schulz apontou ainda que os responsáveis europeus "têm responsabilidade" para com as instituições europeias e têm de trabalhar em conjunto para traçar o seu caminho de tempos conturbados.

24 de junho de 2016 às 10:16
Brexit afunda acções do sector financeiro britânico

O resultado do referendo está a afundar as acções do sector financeiro britânico. Quedas de dois dígitos que estão a arrasar o valor de mercado da banca, levando o Banco de Inglaterra a anunciar uma injecção de liquidez extraordinária de 250 mil milhões de libras.

 

Numa sessão em que o Stoxx Banks, que agrega os maiores bancos da Europa, está a perder 11,88%, o Barclays está a afundar 17,04%, o Lloyds cai 18,06% e o Royal Bank of Scotland recua 16,81%. O HSBC está a perder 3,61% enquanto o Standard Chartered desliza 5,69%. Fortes desvalorizações à conta das implicações que o "Leave" tem para o Reino Unido.

 

Há um colapso no valor dos bancos. Uma situação preocupante para a qual Mark Carney, o governador do Banco de Inglaterra, diz estar preparado. "Estabelecemos planos de contingência", disse, revelando que foi feita de imediato, e de forma extraordinária, uma injecção de liquidez no sistema financeiro no valor de 250 mil milhões de libras (309 mil milhões de euros).

24 de junho de 2016 às 10:11
CEO do Barclays

O CEO do Barclays já reagiu ao voto no Brexit, demonstrando preocupações quanto às questões que se colocam ao sector neste novo cenário. Contudo, Jes Staley assegura que o investimento no futuro do banco "transatlântico" – sedeado no Reino Unido e nos Estados Unidos da América - é para continuar.

 

"As respostas são complexas, mas a nossa posição não: não vamos quebrar nosso passo em apresentar o Barclays do futuro ... Mesmo com a incerteza dos próximos meses, não temos dúvidas que estamos prontos para fazer o que for preciso para manter essa promessa", garantiu.

24 de junho de 2016 às 10:07
Petição pela independência de Londres

Também já está a correr uma petição para tornar Londres independente. A votação na capital pela manutenção do Reino Unido na União Europeia ultrapassou nalgumas áreas os 70%.

24 de junho de 2016 às 10:06
Dificuldades na conversão de libras já começaram

Já há dificuldades em converter libras em euros. A situação foi denunciada no Twitter por um cidadão britânico. "Já começou! Estamos na Grécia. Não há conversão de dinheiro ou levantamentos para britânicos", contou Matt Rooney, partilhando uma fotografia a comprová-lo. A falta de uma taxa de referência por parte do Banco Central Europeu é a justificação apresentada.

24 de junho de 2016 às 10:03
Tony Blair

Tony Blair, que foi primeiro-ministro do Reino Unido entre 1997 e 2007, admitiu, em declarações à Sky News, estar "muito triste pelo nosso país, pela Europa e pelo mundo". 

24 de junho de 2016 às 09:58
Presidente do Eurogrupo: "Os britânicos escolheram a instabilidade. Temos de fazer outra escolha"

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, defendeu que "o mais importante agora é preservar a estabilidade da Zona Euro". O responsável falava à entrada de um encontro na Holanda. "A pior coisa que podíamos fazer agora seria adicionar mais instabilidade à União Europeia. Os britânicos escolheram isso. Temos de fazer outra escolha", lembrou. 

24 de junho de 2016 às 09:57
Governo português lamenta Brexit e reitera defesa de interesses portugueses

O ministro dos Negócios Estrangeiros português lamentou hoje profundamente a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, considerando que "é um dia triste", e reiterou que os interesses das comunidades portuguesas naquele país serão "protegidos e defendidos".

 

"Em primeiro lugar, lamentamos profundamente, mas respeitamos a decisão do povo britânico. Hoje é um dia triste, é mau dia para a Europa, mas a Europa tem de seguir em frente", disse à Lusa o ministro Augusto Santos Silva.

 

O governante sublinhou que Portugal tem uma comunidade "muito forte" no Reino Unido e reiterou que "os interesses da comunidade serão protegidos e defendidos pelas autoridades portuguesas". 

24 de junho de 2016 às 09:52
Trump chega à Escócia

Donald Trump chegou esta manhã a um dos seus resorts turísticos na Escócia. Quando saiu do avião estava a bater palmas, e a propósito do Brexit, disse que os britânicos "recuperaram o controlo do seu país".

24 de junho de 2016 às 09:49
Centeno garante: necessidades de financiamento estão asseguradas até meados de 2017

Mário Centeno garante que as necessidades de financiamento estão asseguradas até meados de 2017, o que permite acomodar perturbações de mercado.

O Tesouro tem uma almofada financeira que cobre aproximadamente "metade das necessidades de financiamento do próximo ano", afirmou, em entrevista à TSF.

24 de junho de 2016 às 09:47
Populistas alemães da AfD alertam para mais saídas

A formação populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) qualificou o resultado do referendo britânico uma advertência para a União Europeia e pediu-lhe que abandone o rumo que tomou, se não quiser que mais países saiam.

 

A líder da AfD, Frauke Petry, afirmou num comunicado que "a saída do Reino Unido da UE é um sinal para o politburo de Bruxelas e para a sua família de burocratas".

 

"Se a UE não abandonar agora definitivamente o caminho erradamente escolhido e a experiência quase socialista da profunda integração política, haverá mais povos europeus que reconquistarão a sua soberania pela via britânica. A consequência será mais 'exits' (saídas)", afirmou Petry.

 

"Chegou o momento para uma nova Europa, uma Europa das pátrias, na qual comerciemos pacificamente, mantenhamos relações de cooperação e em que se respeite a vontade da soberania nacional", continuou.

24 de junho de 2016 às 09:46
Banco central suíço interveio para estabilizar moeda

O banco central da Suíça divulgou, citado pela BBC News, que "interveio" esta manhã no mercado cambial, no sentido de estabilizar o franco suíço – considerado uma moeda-refúgio – após a vitória do Brexit.


"Na sequência do Leave, o franco suíço ficou sob pressão altista", referiu a autoridade monetária em comunicado. Com efeito, quando ficou claro que a maioria dos britânicos votou pela saída do Reino Unido da União Europeia, o franco suíço valorizou consideravelmente face à moeda única, a valer 1,06 francos por euro às 07h contra 1,10 francos à meia-noite.

24 de junho de 2016 às 09:41
Espanha quer aproveitar o Brexit para “reconquistar” Gibraltar

Madrid não perdeu tempo e considera que a saída do Reino Unido da União Europeia abre "novas possibilidades" em Gibraltar. Espanha estuda um modelo de "co-soberania", com a sua bandeira hasteada.

 

Gibraltar, um pequeno território localizado no sul de Espanha, é administrado pelo Reino Unido desde 1713, mas Espanha nunca se conformou isso. Agora, com a saída dos britânicos da União Europeia, Madrid já está a estudar como recuperar o "Rochedo".

 

"É uma completa mudança de cenário que abre novas possibilidades sobre Gibraltar que não se viam há muito tempo. Acredito que a fórmula de co-soberania – para ser claro, com a bandeira espanhola no Rochedo –  está muito mais perto do que antes", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros em exercício, José Manuel Garcia-Margallo, citado pela Reuters.

 

O governo de Gibraltar não quis comentar essa possibilidade.


Espanha quer que Gibraltar fique de fora de qualquer acordo de saída com a União Europeia e vai tentar co-administrar o território através de negociações bilaterais. O objectivo último é que Gibraltar passe a ser espanhol, prossegue a Reuters.

 

A maioria dos habitantes de Gibraltar tem nacionalidade e passaporte britânico, embora vários milhares de espanhóis se desloquem todos os dias para o Rochedo para trabalharem.

 

24 de junho de 2016 às 09:39
Rajoy diz que Espanha tem bases económicas suficientemente sólidas para aguentar agitação

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, sublinhou esta sexta-feira de manhã que Espanha tem "bases económicas sólidas" para lidar com a agitação resultante do Brexit.

24 de junho de 2016 às 09:34
S&P diz que rating máximo da dívida soberana do Reino Unido é "insustentável"

A agência de notação financeira Standard & Poor's já veio dizer que o triplo A que actualmente atribui à dívida soberana britânica é "insustentável", refere a Reuters.

24 de junho de 2016 às 09:34
reacção irlanda

O Governo irlandês afirmou hoje que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) vai ter "consequências muito significativas" para a Irlanda, o Reino Unido e a UE. A declaração foi divulgada num breve comunicado emitido após a confirmação da vitória dos partidários da saída do Reino Unido da UE no referendo britânico de quinta-feira, com 52%, contra 48% a favor da permanência.

O primeiro-ministro irlandês, o democrata-cristão Enda Kenny, tem previsto presidir hoje de manhã a uma reunião de emergência do governo e falará depois à imprensa sobre os resultados do referendo. O segundo partido irlandês, o centrista Fianna Fáil, também lamentou o voto pela saída da UE e considerou que a Irlanda deve trabalhar estreitamente com os parceiros europeus para "minimizar os danos provocados por este resultado".

24 de junho de 2016 às 09:29
bi ben

O Big Ben soa as horas. Nada mudou. Umas turistas de Taiwan olham para o Parlamento e dizem que a União Europeia está acabada.

24 de junho de 2016 às 09:28
Moody’s adverte para riscos políticos na UE

A agência de notação financeira Moody’s não crê que a saída do Reino Unido da União Europeia tenha um grande impacto na qualidade da dívida da maioria dos emitentes sediados na UE. "Se bem que as empresas que exportam para o Reino Unido possam ser penalizadas no caso de serem colocadas restrições comerciais pelo Reino Unido ou pela UE, estamos convictos de que as negociações acabarão por levar a novos acordos que aliviarão substancialmente – se é que não eliminarão – o potencial impacto do Brexit", sublinha.


"No curto prazo, existe o risco de a procura britânica por produtos europeus diminuir, em linha com uma maior debilidade económica", refere a Moody’s. Mas, "para a maioria dos países na Europa Continental, o mercado britânico representa uma proporção relativamente pequena das suas receitas totais com as exportações", acrescenta.


A Irlanda, salienta a agência, é a mais exposta a qualquer disrupção das importações britânicas, atendendo aos seus fortes laços comerciais com o Reino Unido (que representa 13,8% das exportações totais da Irlanda), seguida da Holanda (9,3%), Bélgica (8,8%) e Alemanha (7,5%).

24 de junho de 2016 às 09:24
Alemanha quer reunir fundadores da UE

A Alemanha convocou uma reunião com os chefes da diplomacia dos seis países fundadores da União Europeia, de acordo com as agências de notícias. A reunião, anunciada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, realiza-se este sábado. Além de Steinmeier participam os ministros dos Negócios Estranegiros francês, Jean-Marc Ayrault, holandês, Bert Koenders, italiano, Paolo Gentilon, belga, Didier Reynders e luxemburguês, Jean Asselborn. Representam os seis países que em 1957 assinaram o Tratado de Roma, que deu origem ao que actualmente é a União Europeia. 

24 de junho de 2016 às 09:21
Lloyds: Brexit não muda nada na sua actividade bancária

O Lloyds Bank assegura que não haverá, para já, alterações no seu modelo de funcionamento após o voto no "Brexit".

"Não há alterações nos produtos ou serviços oferecidos aos clientes, tanto no Reino Unido como fora. Os clientes podem continuar a utilizar os nossos serviços bancários e de seguros como até agora", informou a instituição em comunicado.

O banco liderado pelo português António Horta Osório diz que "terá tempo para considerar quaisquer alterações futuras" para lidar com este novo cenário.

24 de junho de 2016 às 09:20
Empresas pedem “clarificação” de relações comerciais com a União Europeia

O mundo das empresas vê com preocupação o voto no "Brexit". São vários os sectores que vieram destacar a necessidade de um trabalho reforçado com o Banco de Inglaterra, que já garantiu dar todos os passos para garantir estabilidade monetária e financeira.

Uma acção "rápida" do Governo na clarificação das relações comerciais com a União Europeia é outro dos pedidos deixados pelos empresários. As consultoras Deloitte e PwC acreditam na capacidade de adaptação perante este cenário mas destacam um "período de incertezas".

As maiores preocupações vêm de empresas asiáticas com presença no Reino Unido. Fabricantes automóveis japoneses – como Toyota, Honda ou Nissan – e conglomerados indianos já se tinham mostrado receosos com o futuro dos seus investimentos num cenário de "Brexit".

Outro dos focos de preocupação vem de grupos farmacêuticos como a Astrazeneca. A regulação europeia facilitava o acesso ao mercado único através da Agência Europeia de Medicamentos, sediada em Londres.

A Confederação da Indústria Britânica já tinha estimado que o voto no Brexit poderia representar menos 550 a 950 mil postos de trabalho até 2020.

 

24 de junho de 2016 às 09:19
Ponto de situação nos mercados

- PSI-20 desce 7,69% para 4.329,47 pontos depois de ter tocado em mínimos de 20 anos

- Stoxx 600 recua 8,07% para 318,39 pontos

- IBEX35 tomba 11,42% para 7.870,60 pontos

- Footsie desvaloriza 5,93% para 5.962,54 pontos

- CAC40 perde 8,64% para 4.080,10 pontos

- DAX cai 7,30% para 9.507,90 pontos

- FTSE MIB desce 7,89% para 16.548,54 pontos

- FTASE afunda 17,34% para 1.418,100 pontos

- Nikkei encerrou a cair 7,92% para 14.952,02 pontos

- Brent do Mar do Norte desce 3,54% para 49,11 dólares por barril

- Euro perde 1,97% para 1,1161 dólares

- Libra recua 5,29% para 1,2380 euros

- Libra desce 7,16% para 1,3812 dólares

- Juros da dívida pública portuguesa a dez anos somam 32,4 pontos base para 3,414%

- Juros da dívida pública alemã a dez anos recuam 16,7 pontos base para -0,073%

24 de junho de 2016 às 09:14
Alex Salmond defende segundo referendo sobre a independência da Escócia

Alex Salmond, que liderou o Partido Nacional Escocês e foi ministro principal da Escócia até 2014, defende a realização de um novo referendo sobre a independência, antes da saída do Reino Unido da União Europeia.

"Isto muda todo o contexto da independência da Escócia", disse Salmond à BBC. 

24 de junho de 2016 às 09:08
Governador do Banco de Inglaterra garante: "Estamos bem preparados para isto"

"Demorará algum tempo para o Reino Unido estabelecer novas relações comerciais com a Europa e com o resto do mundo". Um problema assinalado pelo próprio governador do Banco de Inglaterra (BOE, na sigla anglo-saxónica) em conferência de imprensa esta sexta-feira, 24 de Junho, na qual reconheceu que podemos "esperar volatilidade". No entanto, Mark Carney foi peremptório: "estamos bem preparados para isto".

 

Salientando que o banco central britânico há muito que se prepara para o cenário de Brexit, o responsável máximo pela política monetária explica que "estabeleceu planos de contingência". E deixou ainda a garantia de que "o BOE não hesitará em tomar novas medidas se for necessário".

 

"Há alguns meses, o banco julgou que os riscos em torno do referendo eram os mais significativos para o país no curto prazo", acrescentou Mark Carney. O experiente líder do BOE aponta que está "capaz de fornecer mais liquidez" ao sistema, se assim for necessário, e vinca a segurança do sistema bancário britânico: "testamos os rácios de capital dos bancos em cenários bem mais severos do que aqueles que o nosso país enfrenta actualmente".


24 de junho de 2016 às 08:57
cox

O memorial improvisado a Jo Cox, deputada assassinada nos últimos dias da campanha, já foi retirado do jardim em frente ao Parlamento.

24 de junho de 2016 às 08:47
Ifo Institute

"A decisão dos britânicos a favor de um Brexit marca a derrota do bom senso. Os políticos têm agora de fazer tudo para que se limitem os danos. Isso significa garantir que o Reino Unido permanecerá o mais possível integrado no mercado interno. As negociações nesse sentido devem ser conduzidas rapidamente para que a fase de incerteza em relação às relações económicas futuras dure o menos tempo possível", afirmou o presidente do Instituto alemão Ifo, Clemens Fuest.

24 de junho de 2016 às 08:46
PS não está satisfeito com resultado, mas diz que projecto europeu mantém-se

O deputado socialista Vitalino Canas disse hoje que o partido não está satisfeito com o resultado do referendo de quinta-feira no Reino Unido, mas salientou que o projecto europeu mantém-se e poderá ser consolidado no futuro.

 

"O PS desde o início mostrou o seu desejo de que o Reino Unido permanecesse na União Europeia. Não acontecendo isso, não estamos satisfeitos, mas o projecto europeu mantém-se e poderá ainda ser consolidado no futuro se soubermos interpretar adequadamente algumas das coisas que aconteceram agora", disse à agência Lusa o deputado socialista.

24 de junho de 2016 às 08:41
Ulrine

Ulrine Franue é alemã e já pensa no que fará quando acabar o doutoramento em Londres. Imaginou ver mais apoiantes do Remain junto à residência de Cameron. "É um dia triste. Estou de coração partido", disse ao Negócios.

24 de junho de 2016 às 08:39
Fidelity

"O voto, pelo eleitorado do Reino Unido, no sentido de sair da União Europeia, apanhou os mercados cambiais e accionistas de surpresa. É importante reconhecer que a escala das oscilações a que estamos a assistir é no contexto de uma forte performance tanto da libra como dos mercados britânicos ao longo da última semana. Apesar de este resultado conduzir a uma incerteza política que poderá levar à volatilidade no curto prazo, nos mercados, importa recordar que este tipo de acontecimentos impacta as perspectivas de longo prazo das empresas apenas marginalmente", comentou Paras Anand, responsável pelo departamento das acções europeias na Fidelity International.

24 de junho de 2016 às 08:38
Já há uma petição online a pedir um segundo referendo

Circula online uma petição para que o Governo britânico avance com um segundo referendo. A mesma exige que o "Brexit" só seja validado com uma participação superior a 75% e o resultado final obtenha 60% dos votos.

A petição conta já com quase 45 mil assinaturas. O Governo britânico dá resposta a petições com mais de 10 mil assinaturas. Acima das 100 mil assinaturas, o tema é discutido no Parlamento.

A possibilidade de Londres pedir autonomia pode parece descabida, mas a BBC já há dois dias a antecipava. Ora veja aqui:

24 de junho de 2016 às 08:33
Goldman

"Respeitamos a decisão do eleitorado britânico e há muitos meses que temos estado centrados no planeamento, independentemente do resultado do referendo. O Goldman Sachs tem uma longa história de adaptação à mudança e iremos trabalhar com as autoridades relevantes à medida que os termos da saída se tornarem mais claros. A nossa focalização principal, como sempre, continua a ser a de atender às necessidades dos nossos clientes", comentou Lloyd Blankfein, "chairman" e CEO do Goldman Sachs.

24 de junho de 2016 às 08:31
Robert Lake

Robert Lake trabalha no sector financeiro e votou pelo Leave. Não teme o futuro. A City continuará a ser o centro financeiro e o Reino Unido conseguirá fazer um acordo comercial que, no seu entender, deve ser rápido.

24 de junho de 2016 às 08:30
David James

David James, a caminho do trabalho, ainda nem acredita no resultado. Votou pelo Remain e não consegue prever a totalidade das consequências. Ironicamente brincou, dizendo que até pensou atirar-se ao Tamisa.

24 de junho de 2016 às 08:25
Cameron anuncia demissão

O primeiro-ministro britânico vai demitir-se do cargo de primeiro-ministro depois de os eleitores do Reino Unido terem escolhido o Brexit. 

24 de junho de 2016 às 08:17
Juros de Portugal disparam na maior subida desde o "irrevogável"

Os juros da dívida soberana portuguesa estão a disparar em todas maturidades. Com os resultados do referendo britânico a atribuírem esta sexta-feira, 24 de Junho, a vitória ao Brexit, os investidores estão a fugir em massa dos activos de risco. A dívida portuguesa é, por isso, uma das mais penalizadas, com a taxa das obrigações a dez anos a disparar 47,0 pontos base para 3,559%.

24 de junho de 2016 às 08:16
Brexit afunda bolsas europeias. Índices caem mais de 5%

As bolsas europeias arrancaram a sessão em queda acentuada, com os investidores a fugirem dos mercados accionistas. Logo nos primeiros minutos de negociação os índices nacionais desvalorizavam mais de 5%, sendo que várias acções ainda não tinham cotação de abertura devido às quedas serem tão acentuadas.

Após uma abertura conturbada, o FTSE de Londres perde 8,3%. Na bolsa de Frankfurt a queda é ainda mais violenta, com o DAX a afundar 9,98%. O PSI-20 já afunda mais de 10%.

24 de junho de 2016 às 08:14
Donald Tusk sobre o Brexit: “O que não nos mata torna-nos mais fortes”

O presidente do Conselho Europeu garante que a integridade da Europa a 27 – depois da saída do Reino Unido – não vai ser beliscada. E até isso acontecer, as leis europeias continuam em vigor no território britânico.

 

A União Europeia vai manter-se unida mesmo após a saída do Reino Unido, assegurou esta manhã Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, o órgão que reúne os chefes de Estado dos estados-membros da União Europeia. Para todos os restantes países, a "União continua a ser o quadro para o nosso futuro comum", assinalou Tusk, que afirmou que na próxima reunião do Conselho Europeu, na próxima terça e quarta-feira, vai já existir uma reunião informal dos 27.

 

Apesar das dificuldades enfrentadas pela Europa nos últimos anos, Tusk lembrou o que o pai lhe costumava dizer: "o que não nos mata torna-nos mais fortes".

24 de junho de 2016 às 08:11
Trump dá conferência de imprensa

Donald Trump vai dar uma conferência de imprensa entre as 10:00 e as 11:00 da manhã desta sexta-feira na Escócia, depois de os britânicos terem votado a favor da saída da União Europeia, avança o Independent. 

24 de junho de 2016 às 08:01
Líder do Partido Trabalhista não se demite

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, um dos principais apoiantes da permanência do Reino Unido na União Europeia, não se vai demitir. Corbyn deu essa garantia em directo na Sky News, num comentário ao referendo desta quinta-feira.

 

"Aceitamos o resultado o país está dividido, e agora temos de tratar de organizar a saída da União Europeia", analisou. Corbyn admitiu que existem "diferenças de opinião" entre os apoiantes do Partido Trabalhista, mas rejeitou que isso seja motivo suficiente para se demitir.

Corbyn disse ainda, em declarações à BBC, que o Governo deve invocar o artigo 50 do Tratado de Lisboa imediatamente, para dar início ao processo de saída da União Europeia. 


24 de junho de 2016 às 07:56
Apoiantes do leave pedem demissão de Cameron

Em frente do número 10 de Downing Street, os apoiantes do "leave" vieram pedir demissão de Cameron. Simon Richards, presidente da Freedom Association, não acredita que o Reino Unido se vá separar. O que dividia o país era a União Europeia.

Ouvem-se gritos de "resign" e os apoiantes do leave pedem que avance Boris Johnson.

24 de junho de 2016 às 07:53
"A UE está a morrer" e “muitos países começam a falar em sair”

O líder do partido independentista UKIP e um dos principais rostos da campanha do "Leave" celebrou efusivamente a vitória no referendo sobre a permanência na UE. Farage quer que o dia 23 de Junho seja feriado nacional e pede um "Governo do Brexit".

24 de junho de 2016 às 07:50
Presidente do Parlamento Europeu vai falar com Merkel para evitar "reacção em cadeia"

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, disse hoje que quer falar com a chanceler alemã, Angela Merkel, para evitar uma "reacção em cadeia" depois do voto dos britânicos favorável ao Brexit. Questionado pela televisão pública alemã ZDF sobre uma possível reacção em cadeia, Schulz disse, citado pela Lusa, que vai "discutir com a senhora Merkel sobre a forma como o evitar". 

24 de junho de 2016 às 07:45
Governo francês vai reunir-se de emergência e "core" europeu também

Os ministros do governo francês vão realizar uma reunião de emergência, na sequência do Brexit. A reunião começa às 08h de Lisboa (09h em Paris) e será presidida pelo presidida pelo presidente François Hollande, anunciou o Palácio do Eliseu.

 

Também o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, irá reunir-se com o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, cujo país tem a presidência da União Europeia.

24 de junho de 2016 às 07:31
PPE lamenta saída de Reino Unido da UE e diz que causa "grande dano"

O líder do Partido Popular Europeu (PPE) disse "lamentar mas respeitar" o resultado do referendo britânico, que determinou a saída do país da União Europeia, e sublinhou que a decisão "causa um grande dano" às duas partes.

24 de junho de 2016 às 07:30
Sol em Londres

Ao contrário do dia ontem, hoje Londres acordou com sol

24 de junho de 2016 às 07:20
Resultados finais: o “Leave” ganha com 51,9% dos votos

Já estão contados todos os votos do referendo britânico. De acordo com a Reuters, 51,9% dos leitores votaram para sair (Leave) da União Europeia, o que equivale a 17.410.742 votos. O voto pela manutenção (Remain) na EU registou um resultado de 48,1%, o que representa 16.141.241 de votos.

 

O que significa que, depois de contadas todos os 382 círculos eleitorais, a saída da UE venceu o referendo com uma margem de quase 1,3 milhões de votos.

 

Votaram 72,2% dos eleitores inscritos, o que significa que a abstenção registou uns notáveis 27,8%.

24 de junho de 2016 às 07:18
A vitória do Brexit em imagens

24 de junho de 2016 às 07:17
Libra atinge mínimos de 31 anos. Bolsas, euro e petróleo afundam

A moeda britânica está a afundar e as bolsas asiáticas estão também em terreno negativo. Os britânicos votaram para sair da União Europeia, uma decisão que apanhou os investidores de surpresa e está a provocar desvalorizações expressivas nos mercados. Veja aqui com mais detalhe.

Um resumo das principais variações nos mercados

Nikkei desce 7,71% para 14.985,92 pontos

Topix afunda 7,43% para 1.202,21 pontos

Petróleo em Londres desvaloriza 6,42% para 47,64 dólares por barril

Euro desce 3,56% para 1,0979 dólares

Libra desvaloriza 6,69% para 1,2198 euros

Libra afunda 9,92% para 1,3401 dólares

24 de junho de 2016 às 07:13
Banco de Inglaterra vai dar todos os passos para garantir estabilidade monetária e financeira

O Banco de Inglaterra emitiu um comunicado em que assegura que vai tomar todas as medidas necessárias para garantir a estabilidade monetária e financeira.

"O Banco de Inglaterra está a acompanhar de perto os desenvolvimentos. Vai assumir vários planos de contingência e está a trabalhar próxima do Tesouro, outras autoridades domésticas e bancos centrais estrangeiros. O Banco de Inglaterra vai tomar todas as medidas para assumir as suas responsabilidades para assegurar a estabilidade monetária e financeira", revela a autoridade monetária. 


24 de junho de 2016 às 07:11
Marine Le Penn satisfeita com resultado defende referendo em França

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Penn, pediu hoje a realização de um referendo semelhante ao do Reino Unido em França, na sequência do resultado favorável ao abandono dos britânicos da União Europeia.

 

"A vitória da liberdade! Como eu pedi há anos, deve-se fazer o mesmo referendo em França e nos países da UE", escreveu a presidente da Frente Nacional (FN) na sua conta no Twitter. 

24 de junho de 2016 às 06:36
Steinmeier

Frank-Walter Steinmeier, ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, considera que este é um dia triste para o Reino Unido e para a União Europeia.

24 de junho de 2016 às 06:36
Austrália

O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, disse que espera um período de grande incerteza e alguma instabilidade nos mercados mundiais.

24 de junho de 2016 às 06:28
Capa do The Times

A mudança da capa do The Times, consoante os resultados foram sendo conhecidos

24 de junho de 2016 às 06:16
Cameron vai falar

A Sky News avança que vai ter, em breve, um curto depoimento do primeiro-ministro, David Cameron.


24 de junho de 2016 às 06:12
Oficial: Reino Unido vai deixar a União Europeia

A União Europeia perde um dos seus 28 membros, depois de esta quinta-feira os britânicos terem votado maioritariamente pelo Leave.

Nigel Farage, líder do eurocéptico UKIP, já tinha feito um discurso de vitória a meio da noite e tem estado bastante activo na sua conta de Twitter. 


24 de junho de 2016 às 06:01
Os mais e os menos europeístas

Com mais de 90% dos resultados reportados, são estas as zonas com maior expressão pelo ‘sim’ e pelo ‘não’ à permanência do Reino Unido na União Europeia, segundo o The Guardian:

Top 10 para o Leave


Boston – 75,6%
South Holland – 73,6%
Castle Point – 72.7%
Thurrock – 72,3%
Great Yarmouth – 71,5%
Fenland – 71,4%
Mansfield – 70,9%
Bolsover – 70,8%
North East Lincolnshire – 69,9%
Ashfield – 69,8%


Top 10 para o Remain


Gibraltar – 95,9%
Lambeth – 78,6%
Hackney – 78,5%
Haringey – 75,6%
City of London – 75,3%
Islington – 75,2%
Wandsworth – 75,0%
Camden – 74,9%
Edinburgh – 74,4%
East Renfrewshire – 74,3%

24 de junho de 2016 às 05:58
Banco de Inglaterra em contacto com a banca

O Banco de Inglaterra está em contacto com os bancos britânicos antes da abertura da sessão regular das bolsas europeias, avança a Reuters. Em Hong Kong, recorde-se, o HSBC e o Standard Chartered caem fortemente.

24 de junho de 2016 às 05:56
Irlanda do Norte quer referendo

Faisal Islam, editor de política da Sky News, publicou no Twitter, referindo-se a fontes do Sinn Fein (Irlanda do Norte), que é um "imperativo democrático" realizar um referendo sobre a retirada da fronteira irlandesa, depois de a Irlanda do Norte ter votado pela permanência do Reino Unido na UE.


24 de junho de 2016 às 05:51
Capa do The Sun comemora Brexit

O The Sun faz uma capa dizendo 'See EU later' (Até depois), fazendo um trocadilho com 'you' e EU (UE, cuja fonética em inglês é igual).


24 de junho de 2016 às 05:22
Leave vai à frente com 51,7% quando faltam apurar 51 zonas de voto

Com os resultados apurados em 331 das 382 assembleias de voto, o Leave vai à frente com 51,7%, ao passo que o Remain tem 48,3%. Menos renhido e com várias sondagens a darem a vitória ao Brexit.

24 de junho de 2016 às 05:17
Cameron vai demitir-se?

Andy Coulson, ex-director de comunicação do primeiro-ministro britânico, declarou à estação britânica ITV que pensa que David Cameron estará a ponderar a demissão, refere o The Guardian citando o "tweet" da jornalista Ahlegra Stratton.


24 de junho de 2016 às 05:10
Deputado canadiano quer prioridade a acordo comercial com britânicos

O deputado canadiano Jason Kenney defende que o governo do seu país deve ter agora como prioridade firmar um acordo de comércio livre com o Reino Unido.


24 de junho de 2016 às 04:51
Depois da ITV, também a BBC diz que Brexit venceu

Depois da Sky News e da Independent Television (ITV), também a BBC diz que o Leave saiu vitorioso deste referendo, com 52%. 

24 de junho de 2016 às 04:46
Futuros do Footsie caem 7,5% e libra continua a afundar

Diz o The Guardian que os operadores da City, centro financeiro de Londres, vão estar a braços com um forte movimento de vendas na abertura da sessão regular da bolsa londrina.

No mercado de futuros, o índice FTSE 100 está a recuar 7,5%. Se for essa a queda na abertura da jornada de sexta-feira, equivalerá à perda de 120 mil milhões de libras no Footsie, cujo índice integra muitas das maiores empresas britânicas.

A libra, por seu lado, afunda 9% face à moeda norte-americana, para 1,3466 dólares. É o valor mais baixo desde 1985 e nunca a moeda britânica tinha descido tanto numa só sessão:



24 de junho de 2016 às 04:33
Nigel Farage com expressão infeliz

Nigel Farage teve uma tirada infeliz no seu discurso de vitória, ao dizer que o Brexit venceu sem que fosse disparada uma única bala, conforme sublinha Kevin Maguire, editor associado do Daily Mirror.

Farage, líder do eurocéptico UKIP, parece ter-se ‘esquecido’ do assassinato, no dia 16 de Junho, da deputada trabalhista britânica Jo Cox (pró-UE), que não resistiu aos ferimentos e faleceu poucas horas depois de ter sido baleada e esfaqueada em Birstall, no norte de Inglaterra, por Thomas Mair – que gritou "morte aos traidores" e "liberdade para o Reino Unido" no seu primeiro interrogatório no tribunal londrino de Westminster.



24 de junho de 2016 às 04:24
Nigel Farage faz discurso de vitória

Depois de assumir uma derrota assim que as urnas fecharam, às 22h de quinta-feira, agora considerada por muitos como uma declaração prematura, Nigel Farage já fez um discurso de vitória.

O líder do eurocéptico UKIP, um dos principais rostos da campanha pela saída britânica da UE, está visivelmente satisfeito com os resultados apurados até agora e a sua conta de Twitter tem estado bastante activa.


24 de junho de 2016 às 04:18
Libra com maior queda diária da sua história e em mínimos de 30 anos

A libra continua a perder terreno face à nota verde, estando agora a valer 1,3466 dólares. É o valor mais baixo desde 1985. A queda é de 9% e nunca a moeda britânica tinha descido tanto numa só sessão.

Veja as oscilações da libra face ao dólar nos últimos 30 anos:


24 de junho de 2016 às 04:09
Mercados continuam a reagir em forte queda à possibilidade de Brexit

As acções dos bancos britânicos HSBC e Standard Chartered caem 8% e 9,2%, respectivamente, na bolsa de Hong Kong. Estas são as maiores quedas destes títulos desde a crise na Zona Euro, sublinha a Reuters.


A libra segue a afundar 8% face ao dólar, na sua maior descida diária de sempre.

24 de junho de 2016 às 04:04
Sondagem da Sky News aponta para vitória do Brexit

A mais recente sondagem da Sky News indica que o Leave será o vencedor desta noite. Isto numa altura em que se sabem os resultados de mais de metade das zonas de voto. 

Nigel Farage, líder do eurocéptico UKIP, que assumiu veladamente uma derrota quando as urnas encerraram, está agora cada vez mais confiante:

24 de junho de 2016 às 03:59
Brexit lidera com 215 zonas contabilizadas

Com 215 das 382 zonas de voto a terem já os seus resultados apurados, é o Brexit que lidera.



24 de junho de 2016 às 03:56
Libra afunda 8%

A libra esterlina segue a mergulhar 8% face à divisa norte-americana, a valer 1,36 dólares. É a sua maior queda diária de sempre – o anterior recorde foi marcado em 2008, quando numa sessão perdeu 7%.


A moeda britânica agravou as quedas depois do inesperado Leave em Sheffield e numa altura em que a Independent Television (ITV) do Reino Unido aponta para uma probabilidade de 80% de o Brexit vencer.

24 de junho de 2016 às 03:32
Reviravolta em Sheffield com o Brexit a vencer

Sheffield votou Leave com 51%, quando se estimava que vencesse o Remain com 52%.

 

Nigel Farage, líder do eurocéptico UKIP, um dos principais rostos da campanha pela saída britânica da UE, congratulou-se na sua conta de Twitter com este resultado.

24 de junho de 2016 às 03:08
Bremain e Brexit muito próximos

A contabilização mais recente mostra que Brexit e Bremain estão taco-a-taco. Com 84 resultados apurados, das 382 zonas de voto, a opção de Ficar na União Europeia conta com 50,01% e a de Sair com 49,99%.

 

84 zonas com resultados apurados

Remain: 34 zonas

Leave: 50 zonas

 

Votos

Remain: 2.877.575 pessoas (50,01%)

Leave: 2.876.697 pessoas (49,99%)

 

24 de junho de 2016 às 03:05
Escócia

O Remain já conta com mais de um milhão de votos na Escócia. Falta apurar apenas 8 zonas de voto e o Ficar está com 65,3%.

24 de junho de 2016 às 03:01
Londres

Londres, Westminster, Oxford e Aberdeen votaram maioritariamente pelo Sim à União Europeia. Já em Darlington, Pembrokeshire e Camarthenshire ficou o Não à frente.

Diz a Sky News que se sente a tensão entre os adeptos do Remain. Rejubilaram com o ‘Sim’ à UE por parte de Londres mas esmoreceram perante a firmeza do Leave em muitas zonas fora da capital britânica.

24 de junho de 2016 às 02:41
Conhece as bandeiras de todos os Estados-membros da UE?

Numa altura em que ainda falta contar muitos votos, veja se sabe identificar todas as bandeiras dos 28 membros da União Europeia. Faça o quizz aqui.



24 de junho de 2016 às 02:38
Bremain passa para a liderança

Ficar na União Europeia (Bremain) está agora à frente. E a libra já está a recuperar das quedas.

24 de junho de 2016 às 02:33
Glasgow votou pelo Remain

A principal cidade escocesa deu 66,6% ao Remain. 

24 de junho de 2016 às 02:31
Brexit à frente com 53,7% quando estão apuradas 42 zonas

Até ao momento, estão apurados os resultados de 42 assembleias de voto, num total de 382. E ganha o Brexit por 53,7%.

 

42 zonas com resultados apurados

Remain: 17 zonas

Leave: 25 zonas

 

Total

Remain: 1.145.433 pessoas (46.3%)

Leave: 1.326.686 pessoas (53.7%)


24 de junho de 2016 às 02:25
Arron Banks

Arron Banks, fundador do Leave.eu, que acabou por não ser a campanha oficial, e que é financiador do UKIP, assumiu à BBC ter dado seis milhões de libras para a campanha do Leave. Isto porque, disse, é algo em que acredita. 

24 de junho de 2016 às 02:22
Mercados em queda perante liderança do Leave

Numa altura em que o Brexit está à frente, a libra continua a afundar. A moeda britânica cai 5% face à nota verde, para 1,4070 dólares.

 

Os futuros do índice londrino FTSE100 aprofundaram as quedas para 6%.

 

Em Tóquio, o Nikkei 225 abriu a ganhar 0,5% mas já inverteu e segue a perder quase 3%.

 

Os mercados cambial e accionista estão assim a reagir no vermelho a uma possibilidade de Brexit, isto numa altura em que ainda há muitos votos por contar, já que apenas 10% das assembleias de voto têm os seus resultados apurados.


24 de junho de 2016 às 02:15
Betfair

O Leave já está à frente nas apostas feitas na plataforma Betfair.

24 de junho de 2016 às 02:12
Brexit continua a liderar

Nesta altura já há mais de um milhão de votantes no Leave - que continua à frente, mas faltando ainda um longo caminho. O Remain está perto desta marca. São precisos 16,8 milhões de votos para um dos lados ganhar o referendo, estimou o professor John Curtice, citado pela BBC.

24 de junho de 2016 às 02:05
City of London quis Ficar

City of London votou pelo Remain. Como era esperado, ganhou o Remain com 75,3% dos votos (24,7% para o Leave). Mas o eleitorado é pouco significativo, já que conta apenas com 8.000 registados.

24 de junho de 2016 às 02:02
Tom Adshead Alex

Tom Adshead, administrador da consultora Macro-Advisory, comentou esta tarde ao Negócios que não acredita que, mesmo que o Brexit ganhe, as coisas sejam tão más como alguns antecipam. A libra cairá no imediato e a volatilidade comandará os mercados, que esta sexta-feira deverão perder terreno se for declarado o Brexit - mas este responsável diz que a actividade desta noite e de sexta-feira de manhã terá também muito de especulativo. 

24 de junho de 2016 às 01:58
Universitários de férias podem explicar o Remain inferior ao esperado em Newcastle

O The Guardian chama a atenção para um "tweet" do Higher Education Policy Institute, que tem estudado de perto os padrões de voto dos universitários. Isto porque já se está de férias no ensino superior, pelo que os estudantes não estão a votar nas suas moradas intermédias mas sim nas moradas de onde são naturais. Isso poderá explicar o Remain tão decepcionante em Newcastle, uma vez que se esperava uma votação muito superior pelo ‘sim’ à UE.


24 de junho de 2016 às 01:49
O que estão as pessoas a pesquisar no Google?

Diz a Sky News que o Google Trends mostra um aumento de 250%, nos últimos 60 minutos, nas pesquisas relacionadas com "o que é que acontece se sairmos da União Europeia". Isto numa altura em que o Brexit está a ter uma preponderância maior do que aquilo que se esperava.

24 de junho de 2016 às 01:46
Bolsa de Londres pode abrir em baixa

A negociação bolsista no mercado de futuros mostra que o índice de referência do Reino Unido, o londrino FTSE 100, poderá abrir a perder 1,9%.

24 de junho de 2016 às 01:40
E mais alguns ‘não’ à UE

Lagan Valley: Remain 46,9%, Leave 53,1%

 

North Antrim: Remain 37,8%, Leave 62,2%

24 de junho de 2016 às 01:38
Mais algumas zonas a dizerem ‘sim’ à União Europeia

Eilean Siar: Remain 55,2%, Leave 44,8%


West Tyrone: Remain 66,8%, Leave 33,2%


Dundee City: Remain 59,8%, Leave 40,2%

24 de junho de 2016 às 01:35
Brexit à frente com 50,7%

Com os resultados apurados em 8 das 382 assembleias de voto, o Brexit lidera com 50,7%.

24 de junho de 2016 às 01:32
Subida tímida na Bolsa de Tóquio

No Japão, a bolsa de Tóquio abriu com o índice Nikkei a ganhar 0,5%. No entanto, as estimativas antes do considerável ‘não’ de Sunderland à UE apontavam para que o índice nipónico abrisse a subir 2,5%.

24 de junho de 2016 às 01:30
libra

Com os votos maioritários pelo Leave em Kettering, Broxbourne, Swindon e Sunderland, a libra continua a perder terreno face ao dólar.

24 de junho de 2016 às 01:07
fábricas automóveis

Faisal Islam, editor de política da Sky News, nota que Sunderland e Swindon são anfitriãs de fábricas automóveis detidas por empresas japonesas pró-UE - no entanto, ambas votaram maioritariamente pelo "não" à União Europeia. 

Em Swindon, o Remain conquistou 45,3% dos votos e o Leave contou com 54,7%. Já em Sunderland ganhou o Leave com 82.394 votos (61,3%), contra 51.930 (38,7%) pessoas a optarem pelo Remain.

24 de junho de 2016 às 01:00
cinco resultados

Com cinco resultados apurados, em 382 assembleias de voto, Brexit e Bremain estão muito próximos, com a saída do Reino Unido a vencer por 50,5%.



24 de junho de 2016 às 00:50
Ganha o IN em Foyle

‘I’m in’ venceu em Foyle, região da Irlanda do Norte, com 78,3%. Os votos ‘out’ ascenderam a 21,7%.

24 de junho de 2016 às 00:45
contagem

A contagem foi interrompida em Bristol por ter sido accionado o alarme de incêndio. Verificou-se depois ter sido um falso alarme e a contagem dos votos foi retomada.

24 de junho de 2016 às 00:35
Clackmannanshire

Em Clackmannanshire, 57,8% optaram por Ficar, ao passo que 42,2% mostraram vontade de Sair. 

24 de junho de 2016 às 00:32
Trafalgar Square

Trafalgar Square está sem vida. Nenhum dos lados saiu para a rua.

24 de junho de 2016 às 00:24
Sunderland votou Sair e Newcastle quis Ficar. Libra afunda

Em Sunderland, ganhou o Leave com 82.394 votos (61,3%), contra 51.930 (38,7%) pessoas a optarem pelo Remain. Já em Newcastle venceu o "sim" à União Europeia, com 50,7%, contra 49,3% pelo "não".

Esperava-se que o Remain tivesse uma percentagem muito maior em Newcastle, pelo que esta indicação fez com que a libra esterlina caísse face ao dólar na negociação fora de horas do mercado cambial.  

A vitória do Leave em Sunderland contribuiu para a queda da moeda britânica, que afunda 3,5% para 1,435 dólares.


24 de junho de 2016 às 00:14
Ilhas Orkney votam Ficar

Depois do "sim" à União Europeia por parte de Gibraltar, com 95,9% dos votos, já se conhecem também os resultados das ilhas Orkney, onde o Ficar teve 63,2%, contra 36,8% pelo Sair. A afluência às urnas foi de 68,3%.

24 de junho de 2016 às 00:07
A cidade que não dorme. Londres foi assim por uma noite

O Reino Unido viveu esta quinta-feira um dia decisivo para o seu futuro. Nas ruas, no entanto, isso não transpareceu. Mas os nervos foram muitos. No dia em que os britânicos foram votar, não houve quase declarações políticas, mas continuou a haver apelos ao voto. Londres ficou acordada à espera dos resultados.

Leia a reportagem da enviada especial do Negócios a Londres, Alexandra Machado.

24 de junho de 2016 às 00:06
Alexandra apontamento

Mark Boleat, da City of London, responsável pelo policiamento, garantiu ao Negócios que não foram tomadas medidas extra para esta noite e diz que os jornais é que gostam muito desses temas, como quando dizem que os bancos vão trabalhar a noite toda. A City of London, que é como se fosse uma freguesia dentro de Londres, será das primeiras a anunciar os seus resultados. Tem apenas oito mil registados. 

24 de junho de 2016 às 00:04
Chuva intensa no dia do referendo

Num dia marcado pelo mau tempo, as urnas estiveram abertas desde as 07:00 até às 22:00. O Negócios acompanhou os desenvolvimentos mais relevantes. Veja como foi o dia neste Ao Minuto.

24 de junho de 2016 às 00:02
Como fica a Europa depois do referendo britânico?

Como vai ser o dia seguinte ao referendo no Reino Unido? Leia aqui a análise de Eva Gaspar, jornalista do Negócios.

24 de junho de 2016 às 00:01
Acompanhe os resultados em directo

Os resultados do referendo para a permanência do Reino Unido na União Europeia já começaram a ser divulgados. O Negócios vai estar a acompanhar em directo, com a divulgação das contagens e apontamentos de reportagem em Londres. Fique por aqui.

23 de junho de 2016 às 23:53
95,9% dizem Bremain em Gibraltar

Gibraltar foi a primeira zona a declarar o resultado do referendo, com 95,9% pelo "sim" à permanência na União Europeia.

23 de junho de 2016 às 23:51
Farage fez declaração de derrota

Nigel Farage fez uma declaração em que parece reconhecer a derrota do lado defensor do Brexit. O líder do eurocéptico UKIP, um dos principais rostos da campanha pela saída britânica da UE, citado pela Sky News, diz que o "remain" conseguiu. "Foi uma extraordinária campanha" disse Farage que acrescentou ainda que "a participação [no referendo] parace ter sido excepcionalmente elevada e parece que o 'Remain' conseguiu".

"O UKIP e eu vão iremos a lado algum e o partido vai apenas continuar a crescer com força no futuro", concluiu Farage numa clara assunção de derrota.

23 de junho de 2016 às 23:50
Primeira sondagem após fecho das urnas dá vitória ao Sim com 52%

Uma sondagem divulgada pela Sky News após o fecho das urnas aponta para a vitória da permanência do Reino Unido na União Europeia, com 52% dos votos, contra 48% para a saída. A sondagem do YouGov para a Sky News foi a primeira a ser divulgada após o fecho das urnas às 22:00. 

23 de junho de 2016 às 23:47
MNE português afirma que eventual permanência do Reino Unido na UE é "vitória política"

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defendeu que a eventual vitória do "Sim" no referendo sobre a manutenção do Reino Unido na União Europeia representa "uma vitória política" e afastou problemas para a comunidade portuguesa naquele país. 

23 de junho de 2016 às 23:45
Referendo de 1975 nada tem a ver com o de 2016

Em 1975 o Reino Unido perguntou aos seus cidadãos se queriam permanecer na então Comunidade Económica. Há mais de 40 anos os britânicos terão tido menos dúvidas.

Alexandra Machado falou com vários britânicos que votaram os dois referendos. Leia aqui.




Momentos Chave
pub

Marketing Automation certified by E-GOI