União Europeia Bruxelas: 35 mortos e três novos acusados de actividades terroristas

Bruxelas: 35 mortos e três novos acusados de actividades terroristas

As autoridades actualizaram o número de vítimas mortais do atentado de 22 de Março em Bruxelas. As investigações prosseguem. Três homens foram acusados de actividades terroristas.
Bruxelas: 35 mortos e três novos acusados de actividades terroristas
Charles Platiau/Reuters
Inês F. Alves 28 de março de 2016 às 11:58

A ministra da Saúde belga, Maggie De Block, actualizou esta segunda-feira o número de vítimas mortais dos atentados de 22 de Março em Bruxelas. As explosões no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maelbeek mataram 35 pessoas e feriram mais de 300.

"Quatro pacientes faleceram no hospital. As equipas médicas fizeram tudo o que era possível. Total de vítimas: 35. Coragem a todas as famílias", escreveu Maggie De Block no Twitter.

Escreve a Reuters que o balanço mais recente de mortos inclui os três bombistas suicidadas que perpetraram os atentados.

O centro de crise belga informou este fim-de-semana que 28 das vítimas mortais já foram identificadas. Destas, 15 morreram no aeroporto, seis dos quais de nacionalidade belga e nove estrangeiros. No metro faleceram 13 pessoas, 10 belgas e três cidadãos estrangeiros, escreve a Reuters.

Entre os estrangeiros vítimas destes ataques estão britânicos, chineses, holandeses, franceses, alemães, italianos, suecos e norte-americanos.

Entretanto, a procuradoria belga informou esta segunda-feira que foram acusadas mais três pessoas de actividades terroristas, depois de uma série de rusgas na sequência dos ataques de dia 22.

As autoridades belgas disponibilizaram também esta segunda-feira, pela primeira vez, fragmentos do vídeo de segurança do aeroporto de Zaventem onde é visível o terceiro suposto autor dos ataques, ainda por identificar definitivamente. No fim-de-semana foi avançado que se tratará de Faiçal Cheffou, mas o suspeito, entretanto detido, recusa colaborar com as autoridades, escreve a BFMTV.



Até ao momento foram detidas nove pessoas na sequência de 13 operações, tendo seis sido libertadas, escreve a Lusa.

Em comunicado, a procuradoria identifica os três acusados, mas ressalva que não pode dar mais informações sobre os mesmos nesta fase. São eles Yassine A., Mohamed B. e Aboubaker O.

TAP com apenas uma ligação diária 

Escreve a Lusa que a TAP mantém apenas uma uma ligação aérea diária com a Bélgica desde os atentados.

Segundo António Monteiro, porta-voz da TAP - Air Portugal, "dos 28 voos que deveriam ter sido efectuados [desde terça-feira passada], foram cancelados 22 e apenas seis foram realizados".

"Nos últimos dias, há apenas um voo diário que opera entre Lisboa e Oostende, que parte pelas 14:15 locais", adiantou o responsável, explicando que os voos de ligação a Bruxelas têm sido realizados para outras cidades belgas, nomeadamente para Liége e Oostende, sendo depois os passageiros transportados por via rodoviária para a capital.

No passado dia 22 de Março Bruxelas foi alvo de dois atentados terroristas, um no aeroporto de Zaventem e outro no metro de Maelbeek.

Os ataques foram provocados por bombistas suicidas entretanto identificados pelas autoridades. Ao longo da última semana têm sido levadas a cabo várias operações policiais em Bruxelas para identificar pessoas envolvidas com actividades terroristas. Este fim-de-semana ficou marcado por protestos violentos na Praça da Bolsa em Bruxelas, local usado como memorial, realizados por manifestantes identificados como elementos da extrema-direita.

(notícia actualizada às 12:06 com inserção de vídeo com imagens de um dos suspeitos dos ataques)




Notícias Relacionadas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI