Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Contribuição dos Estados para o orçamento comunitário "vai aumentar"

Além da saída do Reino Unido da União Europeia, o bloco enfrenta "novas necessidades", disse Pedro Siza Vieira, entre os quais as "alterações climáticas, migrações, defesa de fronteiras".

Bruno Teixeira Pires
Lusa 05 de Novembro de 2019 às 20:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, considerou esta terça-feira que a contribuição dos Estados europeus para o orçamento comunitário "vai aumentar".

 

O governante falava na conferência de imprensa sobre a assinatura do acordo para o lançamento de um instrumento financeiro, no âmbito do programa Portugal Tech e da colaboração entre o Fundo Europeu de Investimento (FEI), Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) e a Faber Ventures, quando questionado relativamente à posição de Portugal face ao orçamento comunitário.

 

"A proposta da Comissão envolve um crescimento daquilo que são as contribuições dos Estados que permanecem na União, essa propsota é resistida por alguns países", apontou o ministro da Economia, que salientou que "Portugal já se manifestou disponível para aumentar a sua contribuição".

 

Além da saída do Reino Unido ('Brexit') da União Europeia, o bloco enfrenta "novas necessidades", disse Pedro Siza Vieira, entre os quais as "alterações climáticas, migrações, defesa de fronteiras".

 

"Aquilo que sabemos [...] é que a contribuição dos Estados, em geral, vai aumentar", considerou o ministro, falta é saber em que medida isso será feito.

 

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje que a proposta da presidência finlandesa para o orçamento comunitário pós-2020 não tem "pés para andar", considerando desejável um rápido consenso para evitar mais "nuvens no horizonte" da União Europeia.

 

"A proposta finlandesa é inaceitável. A proposta finlandesa não tem pés para andar ou a proposta dos cinco países que defendem o 1% não tem a menor perspetiva para andar. Não vale a pena perder muito tempo com essa discussão. Temos é de nos centrar em como é que entre a proposta da Comissão Europeia e a proposta do Parlamento Europeu construímos uma solução de consenso, que tenha também em conta as preocupações dos países que até gostariam de reduzir a sua contribuição", argumentou o primeiro-ministro, em declarações aos jornalistas portugueses, no final da reunião dos Estados-membros "Amigos da Coesão", em Praga.

 

A proposta para o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) para o período 2021-2027 esboçada pela presidência finlandesa do Conselho da União Europeia (UE) após a primeira ronda de reuniões bilaterais com os Estados-membros apontava para uma eventual redução entre 60 e 70 mil milhões do montante global de 1,279 biliões de euros (preços correntes) previsto pela Comissão Europeia.

 

Ver comentários
Saber mais Pedro Siza Vieira Comissão Europeia Conselho da União Europeia Portugal Estados-membros política orçamento
Outras Notícias