União Europeia Juncker: "Governo britânico precisa de vários meses para ajustar a sua posição"

Juncker: "Governo britânico precisa de vários meses para ajustar a sua posição"

O presidente da Comissão Europeia assume que o Reino Unido vai precisar de vários meses antes de dar início às negociações para sair da União Europeia. E avisa: "não vai haver acesso ao mercado interno para aqueles que não aceitem as regras".
Juncker: "Governo britânico precisa de vários meses para ajustar a sua posição"
Ana Laranjeiro 25 de julho de 2016 às 10:06

O Reino Unido vai precisar de vários meses para se preparar antes de encetar negociações para a saída do país da União Europeia. As palavras são de Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, em entrevista à televisão francesa France 2. Juncker repreendeu ainda o Executivo britânico por não se ter preparado para a possibilidade dos partidários da saída do país do bloco europeu vencessem o referendo.

A 23 de Junho, realizou-se no Reino Unido um referendo à permânencia do país na União Europeia. E os britânicos votaram pela saída do país do bloco europeu.

 

Na entrevista à estação francesa, o presidente da Comissão Europeia sustentou que preferia que as negociações para a saída do Reino Unido começassem o quanto antes. "Mas não é esse o caso. O Governo britânico precisa de vários meses para ajustar a sua posição", disse, citado pela Reuters.

 

"Preferia que o Reino Unido apresentasse a sua carta de renúncia, por assim dizer, o quanto antes", acrescentou.

 

O líder da Comissão Europeia adiantou ainda que não há um prazo limite para as negociações uma vez que apenas o Reino Unido pode evocar o artigo 50, que especifica os procedimentos para a saída.

Juncker assinalou também que o Reino Unido vai perder o acesso sem restrições ao mercado interno da União Europeia se não aceitar a livre movimentação de trabalhadores. 

 

"Não vai haver acesso ao mercado interno para aqueles que não aceitem as regras - sem excepções ou nuances - que maquilhem a natureza do sistema de mercado interno", alertou Juncker durante a entrevista.

Este domingo, 24 de Junho, os ministros das Finanças das 20 economias mais desenvolvidas revelaram que a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (UE) "reforça as incertezas" para a economia mundial. 
No entanto, os ministros e os governadores dos bancos centrais do G20, quiseram deixar uma mensagem positiva, considerando que os países da UE "estão bem posicionados" para enfrentar "de forma dinâmica" as eventuais repercussões económicas e financeiras do Brexit, segundo o comunicado final da reunião.

Os responsáveis manifestaram dúvidas em relação à forma como Londres e a Europa se vão separar, com o governador do Banco do Japão a considerar que se trata de um assunto "importante na ordem do dia".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI